Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





subscrever feeds


Arquivo



Post só para elas

por jonasnuts, em 30.05.10

É só comigo, ou os vossos gajos, enquanto vêem corridas de carros na SportTV, também mandam calar o locutor?

Ou, em vez de o mandarem calar, chamam-lhe nomes ou corrigem o gajo a cada 3 minutos?

 

A mim aconteceu-me, há pouco tempo, com as 500 milhas de Indianapolis.

 

De tal forma que eu própria me meti a olhar para aquilo.....e de facto, o locutor, não dá uma para a caixa.....até eu traduzo melhor aquilo que dizem os estrangeiros.

 

É só comigo?

 

UPDATE: Parece que o comentador que mete nojo só comenta isto e fórmula 1, os outros são bons.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os Xutos são os maiores, caraças

por jonasnuts, em 27.05.10

 

A camisola podia ser diferente? Não.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bem sei, nem sei, já toda a gente escreveu sobre isto, sob todos os pontos de vista, e já faz parte das notícias do passado. Convenhamos, é uma notícia de pré-silly season, a "professora primária", que está ali a formar as jovens mentes das crianças de Mirandela, e que nas horas livres se despe e posa nua para a fotografia da revista que os homens compram exclusivamente para ler os artigos que lá são escritos.

 

Vou evitar escrever o nome da publicação, porque muita gente vem aqui ter quando pesquisa por esse nome, e eu não quero defraudar expectativas. Mas, se veio aqui parar à procura de senhoras menos vestidas, siga este link, que fica mais bem servido.

 

Eu estou dividida. Se por um lado concordo com o que está escrito aqui (que é uma opinião belissimamente fundamentada, contra a professora), também li algumas coisas a favor. E debati em família.

 

E continuo dividida.

 

À partida, parece-me que o que a professora faz nas horas vagas não diz respeito a ninguém, a não ser a ela própria. E as vozes que se levantam, estão a tecer juízos de valor, como se fossem donos da moral e dos bons costumes. E coitadinhas das crianças, cuja personalidade está em formação, serem assim, expostas à nudez da professora. Vai traumatizá-las para sempre. Porque, como se sabe, quem se despe, são as putas (ou as artistas, mas nesse caso só se ganharem óscares). Porque são as professoras, especialmente as de das actividades extracurriculares, que formam as mentes das crianças. Os pais, coitaditos, impotentes (provavelmente de forma literal, na maioria dos casos), viram-se assim de repente confrontados com a sexualidade da professora, esse ser, que se quer assexuado, apolítico, atudo, porque, lá está, vai formar as mentes das criancinhas. Os pais não têm qualquer responsabilidade nessa formação. Desresponsabilizam-se também dessa última competência, e descarregam mais uma carga de trabalhos nos professores. Eu não abdico do meu papel de mãe. Cabe-me a mim, em primeiro lugar, não aos professores. Não ouvi ninguém perguntar como é que as crianças tiveram acesso às fotos. Na casa de banho dos pais, está-se mesmo a ver.

 

Mas continuo divivida.

 

Sei que o que faço fora das horas de "expediente" pode afectar e influenciar o meu trabalho e o meu empregador, e tenho algum cuidado e discernimento. Por exemplo, há coisas acerca das quais não falo, neste Blog. Mas não falo porque EU não quero, a empresa que me emprega não é minha dona. Mas espera de mim algum discernimento (pelo menos espero que espere). Há algumas questões em que a minha opinião e a da empresa em que trabalho divergem. Vou um bocadinho mais longe. Há algumas questões em que a minha opinião e a opinião vigente divergem. E, nesses casos, o que fazer? Há 3 hipóteses. Amochar. Go with the flow. Seguir a carneirada. Não fazer ondas. A 2ª opção é a contrária, ser disruptiva, ser intransigente, nadar contra a maré, afrontar. E há a terceira via (estou muito Tony Blair, não estou?) que é aquela que eu acho que escolho. Ir pelo meio, dar uma no cravo uma na ferradura, persistir quando acho que posso fazer valer a minha opinião.

 

É mais ou menos isto que eu faço (embora a minha tendência seja sempre a 2ª via). Há coisas de que não abdico. Ir vestida duma determinada forma, mesmo que esperem que eu me vista de outra. É um pequeno exemplo, mas significativo. Também é preciso estar-se preparada para pagar o preço. Fosse eu mais disponível para fazer certas concessões, a mim própria, e sei que já estaria noutro cargo, com outras responsabilidade, sobretudo, com outro ordenado. Pago o preço.

 

Quanto à professora? Continuo dividida.

 

Remeto-me ao mal menor.

 

No fundo, prefiro uma professora que se despe para uma revista, do que uma professora que leva sistematicamente no trombil, do marido.

Suspeito que há muitos mais destes casos, de professoras que sofrem de violência doméstica, do que professoras que se despem para revistas.

Mas não vejo ninguém a gritar por estas professoras.

 

Provavelmente, as pessoas gostam mais de ver nódoas negras do que de ver maminhas.

 

Pessoalmente, prefiro maminhas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Crescei e multiplicai-vos

por jonasnuts, em 26.05.10

Vejo no twitter que foi ou vai ser aprovada uma lei que impede a venda de álcool a menores de 18 anos. Muito bem.

 

18 anos parece ser a idade a partir da qual se podem fazer coisas. Votar, comprar álcool, comprar cigarros, comprar armas, tirar a carta. Aos 18 anos adquire-se perante o mundo o estatuto de adulto.

 

Tudo começa aos 18.

 

Tudo? Nem tudo. Uma pequena aldeia gaulesa.......

 

A partir dos 16 anos já se pode casar. E é também aos 16 anos que se tem, de acordo com a lei, a capacidade de decisão em relação ao sexo.

 

Tendo em conta as aulas de educação sexual que os putos têm na escola (not), parece-me que isto é claramente um incentivo ao "crescei e multiplicai-vos".

 

Deve ser para aumentarmos a taxa de natalidade.

 

Das duas uma, ou têm discernimento (e formação apropriada), ou não têm discernimento.

 

Não podem fazer porra nenhuma, mas podem fazer filhos.

 

How very nice.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eu não acredito que vim outra vez ao RiR

por jonasnuts, em 21.05.10
21052010259.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicidade como deve ser

por jonasnuts, em 21.05.10

A propósito do meu post anterior, aqui fica um exemplo de como a coisa deve ser feita (embora nem sempre seja necessário gastar os milhões que a Nike gastou).

 

A melhor forma de usar estes novos meios, é fazer coisas que as pessoas QUEIRAM mostrar. A Internet não é um veículo, são muitos veículos, muitos Blogs, muitas contas de Facebook, muitas contas de Twitter. E só partilha um determinado tipo de conteúdos, quem gosta e quem acha que a sua audiência vai gostar. Não conheço outro meio que faça uma selecção natural e automática de target/audiência.

 

 

E, que fique a nota, eu nem gosto do Cristiano Ronaldo, mas acho que este spot está fabuloso, e por isso, apesar de não ser paga para isso, disponibilizo um anúncio da Nike neste meu espaço. Atinge uma grande audiência, aqui? Não. Mas outros farão aquilo que eu acabei de fazer (e outros já fizeram). Neste preciso momento, o vídeo tem cerca de 700.000 visualizações. Vamos ver como estará para a semana.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O poder dos sobrinhos

por jonasnuts, em 21.05.10

Ultimamente tenho falado muito de sobrinhos.

 

Tenho falado dos sobrinhos bons, os meus, mas neste caso em específico vou falar doutro tipo de sobrinhos.

 

É aflitiva a forma pouco profissional e ignorante como certos "especialistas" aconselham os seus clientes no que aos novos meios de comunicação diz respeito. E a isto, quero juntar o conceito do "giro". Este é um post que ando para fazer há algum tempo, mas tem andado emperrado, claramente à espera da conjugação dos astros, parece que estão alinhados hoje.

 

E alinharam-se graças à Mitsubishi, com a ajuda da Sarrafada.

 

 

Quanto dinheiro foi gasto nesta campanha? Não sei, mas sei que os outdoors não são baratos.

 

Quem é que propôs esta campanha ao Cliente?

 

Ou, tendo sido proposta do Cliente, quem é que lhe disse que sim e não o alertou para o facto desta campanha não ter pés para andar? Uma campanha que viola os termos de utilização da maior rede social do mundo, e que por sinal é conhecida por ser violenta na aplicação desses termos de utilização e protecção da sua imagem, não tem pés para andar. O que é que leva uma agência e um cliente a investirem numa campanha que mais tarde ou mais cedo vai rebentar, porque o perfil vai ser removido?

 

"ADENDA: O JC chamou-me a atenção, nos comentários, para o endereço que foi impresso no outdoor. Falta-lhe o .com. Em cima de tudo o resto, gastaram um dinheirão a comunicar um endereço que não existe :) É a cereja no topo do bolo."

 

Mais, qual foi o argumento para vender isto ao cliente? Qual é a estratégia por trás da campanha?

 

Eu aposto que os argumentos foram: O Facebook está na moda, vejam as estatísticas (americanas, claro), há milhões de utilizadores, dá ideia de modernidade e é giro.

E deve ter ficado por aí.

 

Há uns anos, trabalhava eu numa agência de publicidade, tentei chamar a atenção para a Internet, dizendo que devíamos investir recursos na aprendizagem deste novo meio. Bem sei que foi há muitos anos (15, mais coisa menos coisa), mas é assustador ver que, depois destes anos todos, está tudo mais ou menos na mesma.

 

Não há pessoas competentes e com know-how nos sítios onde deveriam estar. As agências (e os Clientes, já agora) não sabem criar nem produzir para o online. Continuam a criar como se estivessem num meio tradicional. Anúncios de jornal ou spots de televisão. Muito flash (é assustador ver a quantidade de sites institucionais feitos exclusivamente em flash, lá está, porque é giro, mas que não são depois apanhados pelos motores de pesquisa - que não consegue penetrar no flash - e que consome imensos recursos e largura de banda, e que não é lido por muitos browsers, já para não falar daqueles que, como eu, têm inibidores de flash, e só vêem os conteúdos em flash se lá clicarem. Enfim, ignorância e incompetência, mas cobrada a bom preço.

 

Depois também temos, para ajudar à festa, os auto-intitulados, gurus. Os que se apresentam como especialistas, sendo que de especialistas têm muito pouco, são habitualmente curiosos da coisa, com a tradicional chico esperteza tuga.

 

E, para último ingrediente deste cocktail, temos os vendedores de publicidade online que são, isso mesmo, vendedores de espaço. Tanto podiam estar a trabalhar no online como no papel, são vendedores de espaço, sem a mínima noção de que o meio que estão a vender tem idiossincrasias próprias que podem ser exploradas e que, bem geridas, são uma mina. Dá mais trabalho do que vender espaço? Certamente, muito mais, que isto de vender num meio interactivo não termina quando a coisa está impressa, pelo contrário, começa aí.

 

Tudo isto junto dá a actual situação do mercado publicitário online em Portugal. Na maioria dos países, enquanto os números da publicidade nos meios tradicionais desce vertiginosamente, os números da publicidade online crescem. Em Portugal, tanto quanto sei, os números da publicidade online acompanham os restantes meios na descida.

 

Há 2 anos, quando se começou a falar na crise, eu disse que a crise ia ser uma oportunidade para o online. Não estava errada, mas aparentemente deveria ter nascido noutro país.

 

Continuamos a fazer coisas giras, fashion, e pouco eficazes.

 

O que me leva ao ponto inicial, o dos sobrinhos. O meu sobrinho mais velho (7 anos) saberia programar campanhas com mais interesse do que muitos profissionais e gurus que por aí andam.

 

O que só confirma a minha afirmação inicial, os meus sobrinhos são dos bons. Aliás, são os melhores sobrinhos do mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Já não há paciência para as comissões da assembleia da república. Ó senhores, já toda a gente percebeu o que é que vocês todos querem, e o que é que vocês todos acham.

 

E se dizem que precisam de mais esclarecimentos, é porque são muito burros, porque qualquer pessoa mais atenta já está mais do que esclarecida.

 

Ainda se a AR TV tivesse publicidade, percebia-se, que aquilo deve ser bom para as audiências, mas como não tem, aquelas transmissões são um mero exercício de esgrima política, mal disfarçadas de procura pela verdade. Esgrima de má qualidade, já agora, que muita daquela gente nem falar sabe.

 

Pá....acabem com isso. Os senhores do PSD, se acham que o Sócrates mentiu e que não tem condições, aproveitem a boleia da moção de censura do PC, e ponham-no fora. Não me andem é a dizer que a bem do país se vão abster, e depois andam a fazer a merda que fazem, nas comissões de inquérito.

 

E os restantes senhores, a mesma coisa, mas pelo amor de deus, calem-se, que já ninguém vos pode ouvir, a não ser vós próprios.

 

Começo a querer que isto passe a ser Espanha, para vir de lá o outro mandar-vos calar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sou, com alguma frequência, convidada para falar ou conversar em conferências, colóquios, palestras, tertúlias e demais eventos em que o objectivo é partilhar o que sei e o que aprendi, e as dúvidas, e as perguntas.

 

Gosto de o fazer, e quanto mais jovem for a audiência, melhor. As audiências mais jovens são as que nos colocam perguntas mais interessantes.

 

Gosto de ir preparada. Mesmo que seja quase sempre sobre o mesmo tema, eu não digo a mesma coisa, da mesma maneira a 2 audiências diferentes. Gosto de saber as idades, os cursos, as expectativas, as skills. Uma abordagem para uma audiência de 15 anos é muito diferente da abordagem para uma audiência de 20 anos. 5 anos apenas, e a diferença é abissal.

 

Funciono melhor em ambientes informais, em que quem fala está próximo do público, porque gosto de ser interrompida e interpelada. Aquela coisa do palco cria demasiada distância, mas é a situação mais frequente. Gosto das aulas, porque me sento em cima da secretária do professor, o que dá logo um mote descontraído.

 

Tento levar sempre uma apresentação que ilustre o que vou dizer, uma keynote quase sem texto, que do texto trato eu, sempre de improviso. Não leio notas, nem papéis, a não ser que precise de fazer uma citação (o que é raro).

 

Estranho SEMPRE que, quem convida, não queira saber mais sobre o que vou fazer. Normalmente pedem-me o título, a duração, as minhas funções e está a andar. Apresentam-me sempre como Dra, mesmo que eu diga que não.Podem não me conhecer de lado nenhum, mas esperam que a coisa corra bem.

 

Isto tudo a propósito de um sítio onde fui falar ontem, de repente, porque alguém tinha faltado e chegaram a mim. Uma audiência jovem, um painel de 4 pessoas. Um palco. Uma mesa com um arranjo de flores a meio. Microfones. Tudo muito engravatado e composto (quem é que vai de gravata, falar para uma audiência de malta nova?).

 

Eu era a última a falar. A primeira apresentação correu bem, a pessoa em causa ia bem preparada, o tema era apelativo para o target e o orador soube adaptar o discurso à audiência. O segundo participante também tinha sido sacado em cima da hora, não sabia muito bem o que é que iria dizer, e, limitou-se a dizer umas coisitas genéricas, sem grande interesse, mas ditas com muito boa onda. Foi breve. Correu bem.

 

E agora o busílis. O terceiro interveniente. Power point só com texto. Uma intervenção que durou quase uma hora. Uma hora passada a ler os papéis que tinha levado. Um tema que não tinha pés nem cabeça nem interesse para aquela audiência. Resultado? Quando finalmente terminou, a ovação da assistência foi épica e prolongada.

 

Eu sabia que não podia ser pior. Mas também sabia que estava tudo morto para sair dali para fora. Ninguém tem cabeça para ouvir falar seja do que for, depois de uma hora a levar uma seca. Optei pelo curto e grosso, sabendo à partida que 90% do que eu diria ia entrar a 100 e sair a 200. Queriam sair dali, e eu também.

 

Claro que não houve perguntas, nem o ambiente propiciava essa interacção entre quem estava do lado de cá e quem estava do lado de lá.

 

Porque é que quem organiza estas coisas, não se preocupa com a qualidade das intervenções? Ficam muito satisfeitos por poderem dizer que têm um senhor da RTP, uma senhora do SAPO, um senhor não sei mais de onde e pronto. Não lhes interessa se sabem falar, se sabem comunicar, se os temas são interessantes para quem está a ouvir.

 

Isso, e os palestrantes levam-se demasiado a sério. Acham sempre que vão transmitir qualquer coisa e mostram-se pouco disponíveis para receber.

 

Se eu estivesse do lado de lá, tinha saído 5 minutos depois daquele senhor ter começado a falar. Eles não podiam. E eu também não. Mas não me faltou vontade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hoje é dia de festa

por jonasnuts, em 18.05.10

18052010256.jpg
Uso estes ténis (sapatilhas, se estão mais a norte) muitas vezes. São uns dos meus favoritos, sobretudo porque não há cá, à venda.

 

Muitas vezes perguntam-me se são os meus ténis gay. Respondo que não, são os meus ténis coloridos (uns deles, vá).

 

Mas, por um dia, e hoje para celebrar a promulgação da lei que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo, por um dia, dizia eu, estes são os meus ténis gay!

 

Fónix, que estava difícil.

 

Próximo passo, a adopção.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pág. 1/3





subscrever feeds


Arquivo