Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





subscrever feeds


Arquivo



Feira do Livro

por jonasnuts, em 29.04.09

Quando eu era miúda, era uma leitora compulsiva. Lia tudo e mais alguma coisa. O que devia e o que não sabia se devia ou não, mas lia na mesma. Foi assim que aos 10 anos li A Taberna. O pecado da gula pelos livros não foi perdoado. A penitência surge-me na forma dum filho que ler, nem pensar. Ca nodja (só vai perceber esta expressão quem tiver filhos mais ou menos da mesma idade).

 

Também por isso esforcei-me por manter uma tradição antiga. Desde que me lembro que o dia da criança, 1 de Junho, não passa sem uma paragem obrigatória pela Feira do Livro. Fui em criança, e era uma festa. Vou enquanto adulta, dar uma seca ao meu filho. Lá lhe compro o livro que ele quiser (e a avó faz a mesma coisa, e a tia também), para ver se ele se entusiasma, mas nada. Alguma banda desenhada (nada contra, antes pelo contrário), mas ler livros que dêem um bocadinho de trabalho, tá quieto.

 

Este ano, não percebo muito bem porquê, decidiram antecipar a Feira Livro. No dia 1 de Junho não haverá Feira do Livro, pelo menos em Lisboa.

 

Portanto, num ano de crise, e num ano em que os objectivos são ambiciosos (meio milhão de visitantes), contem com menos 2. Eu não vou à Feira do Livro, e o meu filho também não.

 

No dia 1 de Junho, procurem-me numa Fnac.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O futuro da Internet discute-se a 5 de Maio

por jonasnuts, em 28.04.09

Já disse aqui várias vezes que não leio jornais, nem sou consumidora de notícias nos órgãos de comunicação social tradicionais. Talvez seja por isso que me tenha escapado algum barulho que certamente estes órgão de comunicação social mais tradicionais têm, obviamente, feito acerca deste tema. Deve ter havido imensos artigos de opinião, que pessoas conscientes e ciosas das liberdades de expressão (próprias e alheias) têm feito veicular acerca deste assunto.

 

Falha minha, certamente.

 

Chamo a vossa atenção para a votação que irá decorrer no Parlamento Europeu, no próximo dia 5 de Maio.

 

Pelos títulos das propostas, parece estar tudo bem, e parece que os direitos dos consumidores (nós) até estão a ser defendidos.

 

No entanto, sempre que vejo regulação, regulamentação e internet, na mesma frase, eu vou atrás. Não sei porquê, mas desconfio sempre. Deve ser da idade. Mais para mais, os senhores parece que estão com pressa em aprovar isto antes das eleições. E reguladores, regulamentos, Internet e pressa deixam-me ainda mais pulgas atrás da orelha.

 

Então parece que se estas novas propostas forem aprovadas, a Internet, como a conhecemos, pode estar a acabar. Sim, isto pode ser o princípio do fim. Se estas propostas forem aprovadas,  os ISP (Internet Service Providers - Fornecedores do Serviço de Internet) passarão a estar legalmente habilitados a limitar o número de sites a que podemos aceder, e a dizer-nos se estamos ou não autorizados a utilizar determinados serviços. Eles decidem por nós. Estará disfarçado de "Opções dos consumidores", parecendo, portanto, uma benesse, mas na realidade, isto permitirá aos fornecedores de acesso a venderem pacotes de internet como vendem os pacotes de televisão, com um número limitado de opções às quais poderemos aceder.

 

 

Eles escolhem os conteúdos e os serviços a que podemos aceder.

 

 

Os grandes não terão grandes problemas, mas os pequeninos, os Blogs, as pequenas empresas, os que estão fora do lobby, esses, não sobreviverão. E isto será apenas o princípio.

 

Deixaremos de ter uma Internet Livre, será a Internet pré-escolhida por terceiros. Com a liberdade que esses todos poderosos decidirem dar-nos. Uma liberdade assim-assim.

 

Portanto, se por acaso passar aqui algum candidato ao parlamento europeu, esta era uma pergunta para a qual eu gostaria de resposta. Como é que votaria estas propostas? O meu voto depende disso.

 

Quanto aos demais leitores, podem passar por sítios onde isto está mais bem explicado e documentado. Aqui por exemplo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Houve uns caramelos, do The Register, que foram muito mais longe (e melhor).

 

Recomendo vivamente.

 

Via Twitter do Kevin McGuiness

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ora vamos lá. Não me interpretem mal. Eu sou uma defensora acérrima das vantagens da Internet em geral, para todos, e das ferramentas colaborativas em particular. Caraças, essa é a minha área de trabalho. Mal de mim, se não acreditasse nas ferramentas que uso.

 

Mas vejo o entusiasmo com que muitas pessoas estão a colaborar e a divulgar algumas dessas ferramentas colaborativas para mostrar a evolução desta gripe suína, e pasmo.

 

Numa questão de saúde pública, à escala mundial, a gestão das expectativas, pânicos e histerias é fundamental. Não defendo que seja escamoteada ou condicionada, a informação. Quero que seja actualizada fidedignamente, por entidades a quem compete o registo formal de casos confirmados de peste suína.

 

O que não quero, é uma ferramenta colaborativa que qualquer palerma sabe operar, e que no ímpeto de "colaborar" regista como caso de peste suína o vizinho do andar de cima, só porque o ouviu espirrar 3 vezes seguidas durante a noite.

 

As ferramentas colaborativas são o máximo, mas não há limite para a estupidez humana.

 

Neste caso, e a não ser que as tais ferramentas colaborativas sejam actualizadas EM EXCLUSIVO por entidades competentes, é informação altamente descartável, e à qual não se deve dar atenção.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sei que neste momento estão muito ocupados, e que estão no nível 3 (de 6 possíveis) de alerta por causa daquela coisa da gripe suína, mas quando estiverem um pouco menos atarefados, talvez fosse bom reforçar os meios de comunicação em massa de que dispõem.

 

O meu ponto de vista é simples de explicar. Na eminência iminência duma pandemia, a rapidez da informação é a melhor forma que vocês têm de manter as pessoas calmas, e de lhes divulgar informações que as ajudem a proteger-se. Tipo, cubra a boca, ou não vá a Barcelos. A televisão é óptima, a rádio é excelente mas, nos dias que correm, a Internet é o meio de eleição.

 

Assim sendo, gostaria de sugerir que contactassem quem de direito para que o vosso site fosse apetrechado de recursos mais robustos, que isto de digitar o vosso endereço e ter uma lentidão exasperante e no fim receber um page load error, não transmite muita segurança.

 

E já agora, se não for pedir muito, disponibilizem a versão em língua portuguesa. Assim como assim, há mais de 200 milhões de macacos a falar isso.

 

Muito agradecida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pois canté

por jonasnuts, em 26.04.09

Em minha casa sempre se ouviu música de intervenção, quer antes quer, sobretudo, depois do 25 de Abril. Antes era baixinho, depois era alto, para ver se chateava os vizinhos reaccionários. Nunca ninguém se queixou. Não sei se por medo se por concordância.

 

Distingo mal, o chico escuro do soldadinho, os 3 patinhos da herdade do valfanado.

 

Hoje, por causa do Cibertúlia, dei por mim a recordar essas canções, algumas das quais ainda sei de cor. Tenho em CD a maior parte das coisas, que foi a forma que tive de recuperar memórias de infância que se perderam em "partilhas" de divórcios e afins.

 

Mas falta-me o Pois Canté, do GAC, de 1976.

 

 

 

Nunca ninguém reeditou isso? Porquê?

 

Vá lá, caraças. Preciso de recuperar memórias perdidas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Ensitel - Eu sei que sou chata

por jonasnuts, em 26.04.09

Enquanto o meu conflito de consumo com a Ensitel aguardar marcação da tentativa de conciliação e arbitragem, no Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa, não tenho muito a fazer, a não ser olhar para o telemóvel fechado na caixa, sem poder ser utilizado há quase 2 meses.

 

Com tantas leis, e centros, e livros de reclamações e dias do consumidor, esperar-se-ia que não fosse este último a ser lixado, sempre, mas na prática é o que acontece, pelo menos a curto prazo. Não sei o que é que irá sair da tal tentativa de conciliação e consumo, mas a verdade é que, a curto prazo, repito, a ensitel já está a ganhar. Afinal de contas, já lá têm o meu dinheiro, e eu continuo sem poder usar o telemóvel.

 

Mas, a médio longo prazo, os consumidores persistentes (ou teimosos, como preferirem) fazem valer a sua opinião.

 

No Google.pt, depois duma pesquisa à palavra Ensitel, há 2 referências a este Blog na primeira página de resultados. No SAPO, a mesma coisa.

 

A médio/longo prazo, a minha insatisfação com a forma como fui tratada enquanto cliente da Ensitel, e o facto de registar aqui essa enorme insatisfação, poderá condicionar potenciais clientes.

 

Qualquer pessoa que faça uma pesquisa por ensitel tem uma enorme probabilidade de vir parar aqui, quanto mais não seja porque o site da ensitel são mais as vezes que está em baixo do que as vezes em que está a funcionar.

 

A curto prazo, não está a correr grande coisa para mim, mas a médio/longo prazo, senhores da ensitel, ter-vos-ia saído mais barato se tivessem procedido doutra forma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Retratos de Abril

por jonasnuts, em 24.04.09

Um trabalho de Pedro Leal e Teresa Abecassis que pode ser visto no seu sítio original, aqui. Mas como os senhores se esqueceram do "partilhar" a malta deu a volta.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Amália

por jonasnuts, em 24.04.09

Não gosto particularmente de fado. Nem gosto particularmente de poesia. Nem gosto particularmente de Amália. Mas reconheço-lhe qualidade e aquele je ne sais quoi que diferencia as cantoras normais das divas. Não é só talento, é algo mais. Carisma, talvez? Não sei nomear a coisa, mas sei reconhecê-la, e via-a na Amália.

 

Ando a ouvir por aí rasgados elogios a este novo "projecto" baseado na obra da Amália. Projecto cheio de nomes sonantes do panorama nacional, daqueles de que é fashion gostar, e a quem ninguém ousa torcer o nariz, para não ser olhado de lado pela intelectualidade de serviço. Detesto consensos.

 

Ouvi A Gaivota, mas não os restantes temas, presumo apenas que os arranjos sejam os mesmos ou pelo menos, no mesmo estilo.

 

Espero ardentemente que as pessoas consigam perceber que o prazer que a audição lhes provoca é mérito exclusivo da espantosa pena de O'Neill (e eu detesto, o O'Neill, como pessoa), e da sublime melodia de Alain Oulman que, mesmo assassinada, consegue sobreviver.

 

O resto, meus senhores, esqueçam. Façam um favor a vós próprios, passem por aqui, e vejam como se faz, bem, muito bem.

 

De resto, indico um, dois sítios onde já se escreveu mais e melhor sobre este mesmo tema.

 

Mais sobre a Amália, aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Caro Tó Zé Brito

por jonasnuts, em 23.04.09

Bem sei que isto já parece spam ou assédio, mas a verdade é que o tema está na ordem do dia e é-me impossível fugir, além de que não quero fugir, pelo contrário.

 

Na semana passada ia escrever-lhe de novo, para lhe dar conta daquilo que à partida lhe pareceriam boas notícias. Sabe? Aquela coisa dos piratas do Pirate Bay terem sido condenados. Estive vai não vai. Mas depois pensei que a coisa não ficaria assim, e era escusado estar a alimentar as suas expectativas com uma notícia duma condenação que seria certamente revogada na instância seguinte.

 

E se bem o pensei, melhor o fiz. Calei-me, caladinha, à espera de novo julgamento. Seria portanto um post para daqui a uns meses.

 

Eis senão quando, mais cedo do que o que eu julgava, chegam más notícias para sua indústria, que rejubilou com a condenação.

 

Então não é que o juiz que condenou os rapazes afinal tem um conflito de interesses?

 

Malandro do juiz, que se esqueceu de referir este pequeno detalhe.

 

UPDATE - TRADUÇÃO DA NOTÍCIA FRANCESA )

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pág. 1/4





subscrever feeds


Arquivo