Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]









Related Posts Plugin for Blogs

Quando receberem mails de pessoas a pedir para assistirem à audiência de amanhã, às 2 horas, em que a 1ª comissão vai ouvir os representantes do peticionários, não ser armem em espertos, e não respondam "Para este tipo de audição - em relação à qual não seria viável ouvir todos os peticionários - é sempre convocado o primeiro peticionário, que nos comunica a composição da delegação a ser ouvida, e não é costume ter assistência".

 

Como muito bem perceberam, as pessoas estão a pedir para assistir, não estão a pedir para intervir.

 

Em primeiro lugar, não se esqueçam que o regimento é claríssimo quanto à publicidade e ao direito que os cidadãos têm de assistir às audiências (dependendo da capacidade da sala). (Artigo 110º).

 

E em segundo lugar, dignifiquem a porra da comissão a que pertencem, que, relembro,  é a Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

 

Muito agradecida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vamos à Assembleia da República #pl118

por jonasnuts, em 15.12.14

Finalmente, e depois de muita insistência, os representantes dos subscritores desta petição vão ser ouvidos pela 1ª Comissão que é a comissão que está a debater a lei da cópia privada.

 

Quem irá representar os peticionários será o Rui Seabra, o Gustavo Homem, o Prof. Pedro Veiga e eu própria.

 

Será na próxima quarta-feira, 17 de Dezembro, pelas 14h00.

 

Diz-me a experiência recente que ter "claque" é importante. Os "outros senhores" quando lá vão, têm sempre claque. 

A claque tem, no nosso caso especial, mais vantagens. Quem estará a representar os subscritores da petição vai estar concentrado na intervenção propriamente dita, não terá grande oportunidade para relatar no Twitter o que se vai passando. Perdem-se pérolas. 

 

Por exemplo, quando em 2012 fui assistir às audições da AGECOP, na altura na 8ª comissão, pude tweetar ao vivo e fiz um dos que seria o meu tweet mais retweetado, quando transcrevi a afirmação de João David Nunes dizendo que "uma pessoa guardar fotos pessoais num disco rígido é uma improbabilidade estatística" (sim, a sério, ele disse mesmo isto).

 

O apoio moral também é importante.

 

Apareçam. Os "outros senhores" têm uma capacidade de mobilização, offline, evidentemente, maior que a nossa. As horas destas coisas também não ajudam, que a maioria das pessoas está a trabalhar. Mas, quem puder, dê lá um salto. Basta pedir para assistir, com antecedência, por mail. A entrada está condicionada, como é evidente, ao número de lugares disponível na sala onde se vai realizar a coisa.

 

Encontramo-nos lá?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Está agendada a votação da Lei da Cópia Privada na especialidade, na 1ª comissão, para o dia 10 de Dezembro.

 

Ao contrário do que aconteceu com o PL118, desta vez a coisa não vai passar pela 8ª comissão. Fica-se pela 1ª.

 

Sei que várias pessoas e organizações pediram para ser ouvidas, no âmbito desta 1ª comissão, mas aparentemente, a coisa vai a votos sem que se oiçam todas as partes. Representantes dos signatários da petição incluídos. Mesmo apesar das várias insistências.

 

Vão aproveitar o barulho das luzes natalícias que está, também ele, já muito abafado pelo Socratesgate, e aprovam isto de fininho, pela calada, sem sequer ouvir os argumentos de todos os intervenientes.

 

Acho extraordinário que andem por aí a queixar-se da falta de participação das pessoas, na vida política. O último exemplo foi Poiares Maduro, no encerramento das comemorações do 40º aniversário do 25 de Abril, no final do mês passado. E vêm com grandes teorias, de que se trata de um processo natural, e que as pessoas não participam porque confiam no funcionamento das instituições. My ass. As pessoas não participam porque quando o fazem, a sua participação é desvalorizada. Remetida para um plano secundário. Negligenciável.

 

Acho também extraordinário que um ministro, da economia, Pires de Lima, vá fazer figuras tristes (auto-link) para a Assembleia da República, falar de taxas e tachinhas, referindo-se a uma taxa camarária, e dos perigos que esta representa, e depois, pela caladinha, anda a trabalhar para aprovar uma taxa absurda, injusta, que é muitos casos é uma dupla e até tripla tributação, que vai incidir sobre todos os portugueses.

Eu ainda acredito na democracia. Tenho estado a tentar essa via. Não funcionando essa via, opto por outra das minhas favoritas, a desobediência civil. E pela divulgação de formas de ultrapassar a legislação que pretendem aprovar. 

 

Recomendo que, quem ainda não contactou os deputados para lhes dar conta dos seus argumentos contra esta lei (auto-link), o faça rapidamente. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para a Nica

por jonasnuts, em 27.11.14

Para o Blog.jpg

 

Parabéns miúda. Serás sempre uma miúda.

 

Da mana.

Autoria e outros dados (tags, etc)

No debate de ontem, promovido pelo Prof. Pedro Veiga da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (uma universidade que não só não impede os debates políticos como os acolhe generosamente), uma das conclusões a que chegámos rapidamente é que, pelo andar da carruagem, a lei é aprovada.

 

Estas foram as más notícias. Mas há boas notícias. Ainda há muito que cada um de nós pode fazer para impedir a aprovação.

 

Por um lado o tema não é sexy, e é complexo, e a maioria dos deputados não é especialista na matéria. porque não quer ou não tem tempo para se informar devidamente. O que muitos deputados fazem é confiar naqueles que são os "especialistas" da sua bancada, e votar de acordo com o que sugere ou indica o tal especialista. Isto é algo que eu já tinha reparado, quando foi da ACTA, no parlamento europeu. Assim que a coisa foi explicada aos deputados, eles começaram a pensar e a somar dois com dois. Enfim, a maioria, pelo menos. Houve professores doutores de Coimbra, meu deus, que mantiveram o voto favorável à coisa. 

 

O que defendem alguns entendidos na matéria e conhecedores dos meandros da Assembleia da República é que seria interessante que todos os deputados pudessem estar informados. Porque, como sabemos, se estiverem informados, não há como votarem a favor desta lei.

 

Assim, o que podemos fazer, e rapidamente, porque a coisa prepara-se para começar a andar muito rapidamente, é contactar os deputados, de forma pedagógica (e educada, já agora), explicando a Lei da Cópia Privada, o seu efeito, o seu impacto e, acima de tudo, a sua injustiça.

 

O contacto dos deputados está disponível no site da Assembleia da República, mas a ANSOL fez a papinha toda há já algum tempo e centralizou tudo aqui.

 

Não coloco aqui um texto padrão por vários motivos. Para já, porque penso que cada um terá os seus motivos para se opor à proposta de lei, e depois porque receber a mesma mensagem vezes sem conta deve ser uma seca, e não gostaria, se fosse deputada (que não está nos meus planos) de receber a mesma mensagem inúmeras vezes. Ficaria a pensar que quem me mandava uma mensagem pré-fabricada não se importava o suficiente com o tema, para nem sequer querer dar-se ao trabalho de escrever um texto simples.

 

E depois, na variedade é que está o ganho.

 

Escolham os deputados da vossa preferência, os deputados de quem mais gostam, ou mais detestam, é indiferente :) Se tiverem tempo, escolham todos. 

 

O manual de instruções é simples e curto - Mails para os deputados. Para as direcções dos grupos parlamentares. Para os líderes parlamentares. 

 

(E, nunca é demais repetir, mails pedagógicos, que expliquem pontos de vista, educadamente).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão de programa para amanhã à tarde

por jonasnuts, em 24.11.14

Quando: Amanhã, terça 25 de Novembro, às 18h00.

Onde: Anfiteatro 6.1.36 do Edifício C6 da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

O quê?: Debater sobre formas de viabilização de velhos negócios em novas plataformas.

 

Trata-se de um encontro pró-digital, pró-Internet e pró-modernidade para o qual está confirmada a presença das seguintes pessoas:

Mário Jorge Silva – professor universitário no IST
Pedro Ramalho Carlos – empreendedor e ex-gestor de operador de comunicações
José Valverde – presidente da AGEFE
Maria João Nogueira – blogger, comunicadora
José Magalhães - deputado
Michael Seufert - deputado
Gustavo Homem – empreendedor e ex-dirigente associativo do sector das TIC
Rui Seabra – presidente da ANSOL

A discussão estará centrada nas soluções para um mercado de conteúdos moderno, soluções que permitam a aquisição prática e flexível de conteúdos protegidos por direito de autor, sem onerar dispositivos de armazenamento que em muitos casos alojam apenas dados de trabalho ou simplesmente dado pertencentes ao seu proprietário.

Este evento não se tratará, em hipótese alguma, de uma repetição de anteriores debates sobre o PL/246 cujos duvidosos fundamentos são sobejamente conhecidos do público. O evento pretende apontar soluções para sustentabilidade do mercado digital compatíveis com o respeito pelos consumidores.

A moderação do evento ficará a cargo do Prof. Pedro Veiga (de quem é, também, a iniciativa do debate).

 

Apareçam. São todos bem-vindos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

inter_jpg__1920×1200_.jpg

Sempre gostei de ficção científica. Sempre. O filme podia ser merdoso, mas se fosse de ficção científica, marchava. Porra, eu até do Outland gostei.

 

Estava portanto com uma enorme expectativa em relação ao Interstellar. As críticas eram maioritariamente excelentes. O meu filho adorou e queria muito vê-lo comigo, embora, para ser franca, ele não seja a melhor bitola. Ele teria adorado o Outland.

 

Toda a gente fala da maravilhosa realização, e da espectacular fotografia, das notáveis interpretações, e a montagem, e a edição de som e a música e a ciência e o raio que o parta, mas toda a gente que eu li se esqueceu de dizer que o filme é tristíssimo. É isso que me fica, maioritariamente, do Interstellar. Triste, triste, triste.

 

No meu caso por mais do que uma razão. Eu gosto de cinema. Sempre gostei de cinema. Eu cresci num cinema. A minha avó trabalhava na bilheteira de um cinema. O meu avô foi projeccionista (entre outras coisas). Eu sempre fui ao cinema, não apenas quando passou a ser acessível.

 

Não sou, confesso, muito exigente. Só preciso de silêncio e de escuro. 

 

Não é pedir muito, pois não?

 

É.

 

Depois de perder a guerra das pipocas, e a guerra das embalagens de plástico, e a guerra dos sussurros, e a guerra de atenderem a porra dos telemóveis, e tudo, e tudo, e tudo, e quando eu achava que não havia mais guerras para perder, fui ver o Interstellar.

 

Eu atraio, é verdade. Os senhores que vendem os bilhetes têm um talento especial, concedo. Vêem que sou eu e pensam assim: quem é que a gente vai pôr ali para chatear a gaja a ver se ela nos larga a labita?

Ontem foi na mouche. Na sessão das 16h30 do Oeiras Parque, nós estávamos na penúltima fila. Ao meu lado um casal. Sem pipocas. Ena. Escurecem as luzes. Os lugares atrás de mim, 6, vazios. 

 

Quando a esmola é grande, o pobre desconfia.

 

Bingo.

 

Ainda durante a publicidade, chega aos lugares atrás de mim uma família. A família era constituída por um casal de 50 e poucos anos. As suas duas filhas. E os seus dois netos. Um puto que não tinha mais de 3 anos, e uma miúda que não tinha mais de 5.

 

Até uma porra de um carrinho de transporte de crianças aquela gente levou.

 

Obviamente, a miúda de 5 anos não parou quieta o tempo todo de um lado para o outro, e quando sentada, a dar pontapés das costas da cadeira da frente, a minha. O puto esteve cheio de medo e a fazer barulho durante as 3 HORAS que dura o filme.

 

Que as pessoas sejam imbecis, já não me surpreende. Que os responsáveis pela sala permitam a entrada de duas crianças que claramente não devem (nem podem) estar ali, é o meu limite.

 

Ir ao cinema comigo não é uma experiência agradável. Reconheço que a minha família, substancialmente mais tolerante do que eu, stressa com o meu stress. Stressa quando mando calar as pessoas, stressa quando me viro para trás para olhar de forma insistente para quem está a fazer barulho, stressa quando eu stresso. Por isso esforço-me por não lhes estragar a coisa. 

 

Ontem não fiz grande coisa. Olhei para trás meia dúzia de vezes quando a coisa se tornava mesmo insuportável. Não fiz mais nada.

 

Mais nada, não. Ontem tomei uma decisão. A bem da minha sanidade mental e da da minha família, não volto ao cinema. 

 

Já disse que o Interstellar é um filme tristíssimo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

"I'd fuck net neutrality"

por jonasnuts, em 15.11.14

 

Acho que o básico fica explicado.

 

Via Facebook da Shyznogud.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Programa para hoje - Citizenfour

por jonasnuts, em 15.11.14

É em cima da hora, e vou ter uma trabalheira para convencer a malta cá de casa a substituir o pré-agendado Interstellar por isto, mas vou tentar.

 

Na secção Ficção e Realidade: para além do Big Brother do Lisbon & Estoril Film Festival passa o Citizenfour.

 

citizenfour_poster.jpg 349×524 pixels.jpg

 

Não é muito caro, ainda por cima, e podem comprar-se os bilhetes online.

 

 

UPDATE: Aparentemente, comprei os últimos 4 bilhetes. Deixou de aparecer a sessão, na Ticketline. Esgotou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pontaria

por jonasnuts, em 13.11.14

Está provado. Tenho pontaria certeira.

 

Então, depois de finalmente conseguir encontrar o Fahrenheit 451 (auto-link), o puto já o despachou, evidentemente.

 

Ainda ele estava a começar, já eu estava à procura do próximo da lista. A Fundação, do Isaac Asimov.

isaac_asimov_png__450×447__and_Inbox_—_jonas_co_sapo_pt__66513_messages_.jpg

 

Não é só um livro, são pelo menos 7. Sempre me daria algum descanso enquanto o puto lia a coisa.

 

Eu não sou esquisita. A única coisa que preciso é que seja em português de Portugal. Não ando à procura da edição xpto três vezes nove vinte e sete, noves fora nada, vintage, autografada.

 

Não há. Nem em livrarias físicas, nem online, nem em alfarrabistas (online) nem no OLX nem no Custo Justo, nem no raio que os parta.

 

Jonas, dizem-me vocês, tu és uma esquisitinha que só queres coisas que não lembram nem à cabeça de um tinhoso. Epá, pois, é possível. Mas o Asimov não é assim um desconhecido tão grande. Usando um argumento muito relevante nos dias que correm, já viu a sua obra adaptada ao cinema por mais do que uma vez. 

 

Mais, no Brasil, parece que a coisa é até pujante. Há edições com menos de 5 anos. E à venda. Sem estarem esgotadas há anos.

 

O que é que me vai safar, desta vez? Um amigo que vai à arrecadação buscar um caixote e olhar lá para dentro, para ver se descobre as coisas e o facto de já ter feito o pedido do cartão da biblioteca.

 

E link para o pdf ou para o mobi, Jonas, encontraste? Sim, com relativa facilidade (embora apenas para versão de português do Brasil que para este caso não me interessa).

 

Ai, mas o negócio dos livros está muito mau, as pessoas não compram, coitadinhas das editoras, que não conseguem sobreviver, e tudo por causa das fotocópias, e temos todos de fazer um esforço, para que a cultura não morra. Porque se não salvarmos as editoras, e os autores, e os intermediários, estamos todos perdidos.

Olhem, senhores. Trabalhem mazé. Não é normal, eu passar a vida a querer comprar livros que vocês não têm para vender. Mas depois queixarem-se da falta de vendas. Claramente, andam a tentar vender as coisas erradas.


Autoria e outros dados (tags, etc)