Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





subscrever feeds


Arquivo



Ontem foi dia de dar

por jonasnuts, em 22.06.12

Já tinha escrito sobre a acção de recolha de potenciais dadores de medula, que decorreu ontem, no SAPO, quer para pessoas do SAPO, quer do resto da PT quer de pessoas de fora.

 

Tendo estado envolvida noutras acções deste género, para ser precisa, mais uma, há cerca de 3 anos, são inevitáveis as comparações e, já agora, algumas dicas para quem esteja a fim de promover ou dinamizar acções semelhantes nos respectivos locais de trabalho.

 

A metodologia

Em primeiro lugar, estas coisas só são possíveis, se a empresa onde trabalharem tiver abertura para este tipo de acções, e consiga disponibilizar os recursos (um gabinete com uma secretária  e algumas cadeiras) e, mais importante, que permita que os seus colaboradores gastem aquele tempo, mais a azáfamas e corrupio que obviamente provoca uma acção deste género.

 

A organização da coisa propriamente dita não é difícil, contacta-se o CEDACE e agenda-se a acção. Eles são impecáveis. O difícil não é isso. O mais complicado é levar as pessoas ao local onde é feita a recolha. Não basta um mail para a lista de distribuição de mail da empresa, nem basta afixar cartazes a dar conta da acção. Eu acredito numa sensibilização mais personalizada. Para este efeito, dá jeito haver uma ou duas pessoas chatas, que se disponham a não fazer mais nada durante o tempo de duração da recolha. Estas pessoas têm de estar informadas, porque as questões são muitas, e é preciso desmistificar alguns preconceitos (já lá vamos). Depois, basta garantir que a equipa que faz a recolha não tem momentos parados. Se há apenas 2 ou 3 pessoas na fila, é preciso ir buscar mais. Dar o formulário para preenchimento, para que seja só chegar, falar com quem estiver a fazer a triagem, para ver se o formulário está correctamente preenchido e para algumas perguntas sobre situações que constam da lista de exclusão, e depois, se passar na triagem, passar ao 2º membro da equipa do CEDACE para fazer a recolha propriamente dita. Não demora mais do que 10 minutos por pessoa, em média.

 

Os preconceitos

Curiosamente, há muitos. Importa por isso esclarecer os potenciais doadores. No SAPO tivemos sorte, porque da recolha de há 3 anos, resultaram 2 doações, portanto, 2 pessoas que já passaram pelo processo de doar (e de salvar uma vida), e que, ao partilharem a experiência, e a facilidade com que todo o processo decorre, ajudaram a sensibilizar os que ainda não eram dadores.

 

As grandes dúvidas prendem-se com o processo de recolha, na eventualidade de virmos a ser chamados.

Para já, mesmo depois de inscritos como potenciais dadores, ninguém é obrigado a dar. Pode mudar de ideias mais tarde.

Depois, importa dizer que a probabilidade de se vir a identificar alguém compatível, é muito reduzida. Para muitas pessoas isto é um alívio, para outras um stress. Eu, por exemplo, gostava, verdadeiramente de poder ajudar alguém quem precisasse. Não me interessa quem, adulto, criança, velho, novo, português, estrangeiro, branco, negro, homem, mulher..... indiferente.

É também importante referir que esta inscrição, com a posterior inserção numa base de dados da nossa ficha genética é apenas um primeiro passo na cena da compatibilidade. Caso sejamos identificados como potenciais dadores de uma pessoa em específico, há mais despistes, para se verificar se a compatibilidade é mesmo mesmo mesmo, ou se é só assim-assim. Em última análise, de acordo com o relatório dos que já doaram, faz-se um check-up completo. À borla :)

 

E agora....... o preconceito-mor. "Ai meu deus, nem pensar porque depois se for mesmo preciso doar, enfiam-nos uma agulha gigante na espinha". Esta é a reacção generalizada, por parte dos que não querem inscrever-se. Eu respeito, obviamente, a opção de cada um, mas ao menos que a opção seja baseada em informação correcta. Há 3 métodos de recolha de medula, e cada caso é um caso:

 

 

Células Progenitoras Periféricas:

Colheita feita no sangue periférico, geralmente a partir de uma veia do braço, através de um processo chamado aférese, em que o dador tem de tomar previamente um medicamento que é um factor de crescimento que vai fazer aumentar a produção e circulação de células progenitoras no sangue periférico.

 

Cordão Umbilical

Há outra fonte de células progenitoras que são as células do cordão umbilical. Neste caso, após consentimento prévio da mãe, quando o bebé nasce são colhidas do cordão umbilical. O cordão umbilical tem uma percentagem muito elevada de células progenitoras mas como a quantidade geralmente é pequena, são utilizadas, sobretudo, na transplantação de crianças.

 

Colheita a partir da Medula Óssea:

Células progenitoras colhidas do interior dos ossos pélvicos. Requer geralmente anestesia geral e uma breve hospitalização.

 

As duas pessoas do SAPO que foram dadores, usaram o processo de recolha periférico, portanto, o primeiro da listinha ali de cima. Basicamente o sangue sai de um lado, passa numa máquina que lá tira o que tem a tirar, e é devolvido à procedência. No fundo, uma espécie de sessão de hemodiálise em que tiram mais qualquer coisa ao sangue. Esta é, obviamente, a explicação não técnica :)

 

A acção foi um sucesso. Apareceram 118 pessoas, com 106 a poderem registar-se, tendo as outras sido excluídas por motivos vários (o mais comum é a hérnia discal). De referir a frustração de quem queria inscrever-se como dador e não conseguiu. É uma merda, querermos ajudar, sentimo-nos bem, mas porque há uma hérnia discal, ou porque fizemos um traumatismo craniano em criança, não podemos.

 

Quanto às comparações com a acção de recolha de há 3 anos, são gritantes, as diferenças. Fez-se notar, e muito, aquilo a que chamei de "o efeito Carlos Martins". Eu explico. Há 3 anos, a grande maioria dos inscritos, eram mulheres. E quando eu digo grande maioria, refiro-me a mais de 90%. Há  anos, a acção decorreu muito pouco tempo depois de ter sido noticiado um caso mais mediático (não por causa dos seus intervenientes, mas por causa do seu poder de mobilização nas redes sociais), o caso da Marta. Mas, depois da Marta, aconteceu um caso ainda mais mediático, o do filho do Carlos Martins. Muito recente, muito divulgado, mesmo em órgãos de comunicação social tradicionais. Isso fez com que esta temática abrangesse um público eminentemente masculino, o do futebol. Não terá sido só isso, evidentemente, mas creio que terá contribuído. Espero que o Carlos Martins saiba que esse foi um efeito colateral positivo do drama que viveu. Nesta acção de ontem, inverteu-se a tendência, e apareceram muitos homens.

Gostei muito de ver o esforço que algumas pessoas fizeram, para superar as suas dificuldades (deve haver uma mística qualquer com as agulhas e a com a recolha de sangue para análises - que é o que aquilo é), e mesmo estando, claramente, à rasca, quiseram passar pelo processo, porque querem ajudar.

 

Correu muito bem, e já está prometida outra, para quando houver mais pré-candidatos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Caro Al Gore

por jonasnuts, em 17.06.12

Noutro dia estive a ver o seu "documentário": Uma verdade inconveniente. Tarde, bem sei, já o começou a promover há muito tempo, e são também já muitos os prémios que ganhou com a coisa.

 

Fui ver o documentário porque acredito no aquecimento global. E, repare, o senhor não foi a única pessoa, ou sequer a primeira, cuja opinião recolhi. Portanto, quando fui ver o seu "documentário", já era uma convertida à causa.

 

Sou toda pela ciência, e pelos factos, e o método científico usa uma metodologia que me atrai. Mas, do método científico, faz parte o espírito crítico. Basicamente, tente não emprenhar pelos ouvidos,. E sou preconceituosa, o que diz muito sobre as contradições que em mim habitam. O preconceito não encaixa no espírito científico. Mas eu não sou uma cientista, posso dar-me a estes pequenos luxos. Já o senhor, não sendo um cientista, gosta de subir aos palcos para receber prémios como se de um cientista se tratasse, e não um mero porta-voz de terceiros. Nada contra quem faz de hub entre a comunidade científica e o resto do mundo, mas quem é porta voz também não pode emprenhar pelos ouvidos.

 

E esta história do preconceito vem a propósito duma idiossincrasia minha. Por exemplo, a revista da DECO proteste faz uns artigos em que avalia produtos e serviços. Se a avaliação que faz de produtos que eu conheço é má, deixando de lado aspectos importantes e integrando outros de menor importância, isso faz com que eu não confie na informação que a mesma revista imprime, acerca de produtos que eu não conheço.

 

Outro exemplo, se uma pessoa dá erros de ortografia, persistentes, eu tendo a desvalorizar aquilo que ela diz.

 

Manias.

 

E é isso que me leva a escrever-lhe esta cartinha. Ali por volta dos 28m30s do seu "documentário", o senhor descreve os efeitos da onda de calor que assolou a Europa em 2003. Nomeadamente, o número de mortos por essa Europa fora. E eu vejo ali o nome do meu país. Portugal. O problema é que à frente do nome do meu país, está assinalado o número de mortes durante essa onde de calor de 2003. Treze mil mortos (13.000).

 

Ora.... eu vivo em Portugal. Sempre vivi. No Verão de 2003 eu estava em Portugal. A bem dizer, não me lembro se fez calor ou se fez frio. Mas, do que me lembro com clareza, é de que NÃO morreram 13.000 pessoas.

 

O seu "documentário" para mim, acabou ali. Não lhe prestei mais atenção, e tudo o que tinha ouvido naquela primeira meia hora foi apagado do meu cérebro. Porque não é com aldrabices que se sustenta um argumento. E se aldrabou com aquilo, o que é que me garante que não tenha aldrabado com o resto? Lá está, o preconceito. Só houve uma coisa que não se varreu da minha memória, o erro, grosseiro. Para o associar a si (prevenindo futuras gravidezes auriculares) e para escrever este post.

 

Um porta-voz valida os factos, antes de os divulgar. Ok, não tem pedal para validar as coisas todas? Peça a uma equipa independente que lhe valide os factos. Bem sei que Portugal é um país pequenino, a que ninguém liga nenhuma, mas, por isso mesmo, por sermos pequeninos, é que a morte de 13.000 pessoas NUNCA passaria despercebida, daria notícias e notícias e notícias.

 

Recomendo vivamente que faça o seu trabalhinho de casa, numa próxima oportunidade. Não por mim, que dificilmente me voltará a conquistar. Mas, eventualmente, por outros, e já agora, a bem da verdade, da ciência e dos argumentos de que é porta-voz.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dar (divulguem por favor)

por jonasnuts, em 16.06.12

Depois do enorme sucesso duma acção de recolha de dadores de medula de que já falei aqui, ficou a vontade de repetir a dose. Afinal de contas, a tal acção já tinha 3 anos, estava na altura de insistir.

 

Contactámos o CEDACE, sempre impecável, e descobrimos que havia mais, na PT, quem tivesse a mesma ideia. The more the merrier.

 

A Fundação PT estava a preparar, exactamente para a mesma altura, uma acção de recolha, mas desta feita, aberta a todos. Excelente.

 

Assim, no próximo dia 19 de Junho (terça-feira), quem quiser inscrever-se como dador de medula, pode fazê-lo, bastando para o efeito que passe no Fórum Picoas, entre as 10h00 e as 15h00, e tem uma equipa do CEDACE à disposição. Vai haver sinalética, para indicar exactamente onde é, mas ficam já a saber que é no Salão Nobre do Fórum Picoas. Estão todos convidados.

 

Inscrever-se como dador de medula não custa nada. Consiste em preencher um formulário, e recolher uma amostra de sangue. Não é no momento do registo que se recolhe a medula. O sangue é analisado e arquivado, e fica disponível numa base de dados que é consultada por todos os que precisam, quando andam à procura de dadores compatíveis. Só havendo uma pessoa compatível necessitada de uma doação é que somos contactados para doar mesmo a medula.

 

Há alguns factores de exclusão, mas a equipa do CEDACE faz essa selecção no momento da recolha da amostra de sangue.

Ainda assim, ficam a saber que pode participar quem:
 - Tenha entre 18 e 45 anos.

 - Seja saudável.

 - Tenha pelo menos 50Kg.

 - Não tenha recebido uma transfusão de sangue desde 1980.

 

Se houver alguma dúvida, perguntem, que eu, não sendo especialista na matéria, tentarei responder.

 

Tenho 2 colegas que, na sequência da acção de recolha de há 3 anos, se tornaram efectivamente doadores. A descrição que me fazem da sensação de saberem que contribuíram para salvar a vida duma pessoa (que não conhecem nem sabem quem é) é extraordinária. Faz-me ter pena de, apesar de estar registado há muitos anos, nunca ter sido chamada.

 

Deve ser uma sensação do caraças. Saber que se contribuiu para salvar a vida duma pessoa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os que acompanham este Blog com mais regularidade sabem que me impus um desafio de monta. Sendo uma leitora quase compulsiva, um dos desgostos que tenho é que o meu filho de quase 14 anos não goste de ler.

 

Depois de anos de tentativas, seguindo uma estratégia de deixa lá ver se encontro alguma coisa que lhe caia no goto e lhe plante o bichinho, decidi mudar de estratégia, e agora vou investir na estratégia da obrigatoriedade.

 

Vai ser obrigado a ler, no mínimo, uma hora por dia. Tenho tentado esmerar-me na escolha dos livros que o vou obrigar a ler. Mais vale que sejam coisas que lhe possam agradar. Pedi ajuda, aqui no Blog, e uma das sugestões que me chegou pareceu-me muito interessante, O Diário Secreto de Adrian Mole. Tendo em conta que o puto gostou do Diário de um Banana, o Adrian Mole pareceu-me um passo no sentido certo.

 

Toca de ir à procura do livro. Para comprar, evidentemente. Várias livrarias depois, a resposta é sempre a mesma: "Quem vendia isso era a Difel, que foi à falência, agora só se for num alfarrabista, embora não seja livro de alfarrabista".

 

E agora? Mais uma vez, eu quero comprar um livro, deve ser da minha pontaria, mas parece que quero sempre comprar livros que não há à venda.

 

Eu quero comprar. Não tenho resposta por parte do mercado editorial português (mais uma vez). Restam-me duas opções. Ou compro em inglês (não sei se o inglês do puto chega para o Adrian Mole) ou pirateio.

 

Eu não gosto de piratear. Ainda não desisti. Vou continuar à procura. Mas, caramba senhores da APEL, em vez de gastarem dinheiro com estudos alegadamente idiotas mais valia protegerem os vossos associados, ensinando-os a disponibilizar PARA VENDA aquilo que as pessoas procuram. Senão ficam sem argumentos para falar contra a cópia privada e contra a pirataria (que são coisas diferentes). Se vocês não tratam de fornecer uma alternativa legal, querem que a malta deixe de ler ou passe a ler em inglês?

 

Se eu for obrigada a piratear o livro, eu aviso, aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Faz hoje, precisamente hoje, 30 anos que estreou o ET. Vi a estreia, no cinema.

Revi muitas vezes, a última há bem pouco tempo, que estava a dar quando iniciei uma sessão de zapping.

 

Não gostei das alterações politicamente correctas que assinalaram a celebração dos 20 anos, em que os cigarros e as armas foram higienicamente substituídos por não sei o quê e por walkie talkies.

 

Mas é um filme que, por muitas vezes que o veja, consegue sempre emocionar-me.

 

30 anos, caraças.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eu passo todos os dias na Fontes Pereira de Melo. Várias vezes. De carro, a pé, para cima e para baixo.

 

Portanto, sou exposta (ou é-me exposta) publicidade afixada, amiúde.

 

Há um edifício abandonado (enfim, pelo menos é esse o aspecto que tem), cuja fachada tem sido palco de vários desastres publicitários. Falei do primeiro aqui. Neste caso de há quase 1 ano, o problema devia-se ao facto dos criativos (e dos produtores e dos accounts e dos clientes) não terem pensado um bocadinho, nem visitado o local onde iam expor um anúncio com largos metros de altura e comprimento. E a coisa manteve-se durante meses.

 

Foi com alegria que há uns tempos vi desaparecer o (aparente) erro de ortografia que me incomodava várias vezes ao dia.

 

Depois de uns tempos com uma tela branca..... linda...... de repente uma nova campanha. E mais uma vez, os senhores publicitários (mais o departamento de marketing do cliente ou lá quem é que raio aprova aquelas coisas) erraram. E desta vez nem sequer era preciso terem pensado...... bastava que tivessem visitado o local (ou pedido fotos, que era o que eu fazia nos meus tempos de publicitária).

 

 

É a chamada publicidade verde ou ecológica, em que a importância da árvore, simbolizando a mãe Natureza, adquire uma importância e um protagonismo enormes, face à importância da mensagem que o anúncio pretende transmitir.

 

E, neste caso, a coisa era de simples resolução.

 

 

Simples, não?

Não tem de quê.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ajuda recebeu-se

por jonasnuts, em 10.06.12

Muito feedback imediato, quer aqui, quer no twitter quer o facebook. E isto durante um jogo do europeu, a um Domingo. Nada mau.

 

A matéria do 9º ano, em linhas gerais e sem muito bullshit pode ser encontrada aqui:

Geografia (obrigada Sarah)

Física/Química

Francês

História

Inglês

Português

Matemática

 

Também estão disponíveis as matérias para outros anos. É aqui.

 

Isto vai dar muito trabalhinho, e cheira-me que há disciplinas mais fáceis que outras, mas quando chegar à minha lista final de recursos para cada disciplina, eu coloco aqui. Pode ser que dê jeito a mais alguém.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ajuda, precisa-se

por jonasnuts, em 10.06.12

Na tentativa (gorada ao longo dos anos) de não ter o puto a arrastar o cu pelas paredes durante 3 meses, do sofá para o computador, com breves passagens pela casa de banho, entre o computador, a televisão e as consolas, decidi criar-lhe um calendário de trabalho para férias.

 

Não pretendo dar-lhe aulas, nem quero que estude por manuais escolares. Mas há algumas actividades já identificadas que pretendem corrigir problemas específicos. Vai, é desta que vai, melhorar substancialmente a caligrafia, que eu não sei como é que os professores conseguem entender aquilo. Vai ler, que se lixa. Já desisti do meu plano de tentar pôr-lhe livros à frente, na esperança de que haja um que acenda o rastilho, e o gosto pegue. O rastilho está húmido desde que nasceu. Vai à força. Sugestões aceitam-se...... E cópias e composições, para ver se melhora as competências na expressão escrita.

 

Também vai bater com os costados na Khan Academy que se lixa. A bases da matemática, que anda a perder há anos, vai recuperá-las ali.

 

Outra coisa que funciona bem são os documentários. Marcha quase tudo. E é uma forma interessante de adquirir conhecimentos.

 

E é aqui que entra a parte da ajuda. Eu não sei qual é a matéria do 9º ano. Alguém com putos no 9º ano (ou que tenha feito o 9º ano há pouco tempo), me sabe dizer quais são as matérias de Ciências da Natureza, História, Físico Química, Geografia, etc.... para que eu ande à cata de documentários de jeito sobre essas matérias? Não quero que as estude, para isso serve o ano lectivo, quero tome contacto com elas num ambiente não lectivo e, sobretudo, duma forma mais atraente, sem a necessidade de memorizar as coisas, porque não vai ter testes. Só vai ter de debater sobre aquilo que viu (e que eu vi também, senão não consigo debater a coisa).

 

Não precisam de ser documentários...... dá-me ideia que há filmes de ficção que ilustram bem uma determinada época ou temática.

 

Não podem ser coisas do tipo fichas pré-feitas, com exercícios com a matéria do ano passado. Sempre achei essas fichas uma real seca pelo que presumo que sejam uma seca também para ele.

 

Se o gajo memoriza factos de astronomia à conta dos documentários que papa, porque não fazê-lo para outras matérias?

 

Para quem anda à procura do mesmo, mas para o 7º ano, há no Aventar um bom ponto de partida, com muita papinha já feita. Mas para o 9º ainda não. No fim da minha recolha, listo aqui os resultados, pode ser que haja mais quem queira proteger as paredes de casa :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

A jardineira que há em mim

por jonasnuts, em 09.06.12

É verdade, tenho uma jardineira em mim. A cabra teima em manifestar-se apenas quando vivo em apartamentos, e esconde-se quando vivo em 1000m2 de quinta à disposição.

 

Uma vez que, de momento, vivo num apartamento que nem varandas abertas tem, a sacaninha manifesta-se forte e feio. Deleito-me com jardins, terraços, quintinhas, canteiros e ando muito atenta a tudo quanto são estratégias para ser uma boa urban gardener. Debalde (adoro esta palavra).

 

Enquanto não me abalanço a uma coisa de maior monta, como aquela vi aqui, e que implica competências que eu acho que não tenho (nomeadamente de persuasão, que isto de viver as dois tem dessas coisas), fico-me pela plantação de ervas aromáticas. Não há cá daquela coisa de comprar as ervas já crescidas, num vaso de supermercado, mas também não vou ao ponto de andar a comprar as sementes aqui e os vasos ali. O Ikea disponibiliza o meio termo.

 

De modos que plantei 6 vasinhos (o sistema da terra prensada é fabuloso), confesso que não sei muito bem com quê já que reconheço apenas alguns dos nomes. Não sei se vai dar alguma coisa, porque ignoro qual é a época certa de plantação das ervas cujo nome desconheço, e não me macei em ir procurar. Há-de correr bem.

 

Hei-de registar aqui os progressos do trabalho desta tarde. Para já, estão assim.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

FUN.

por jonasnuts, em 05.06.12

Estes gajos estão na berra. É bom, por um lado, por outro é uma seca, porque vamos ouvir isto até à exaustão.

 

Gosto do timbre deste gajo, faz-me lembrar Jon Anderson (que a maioria conhece por causa do Jon & Vangelis, de que eu gosto muito, mas não conheço mais ninguém que partilhe deste meu gosto, a não ser a minha mãe).

 

 

Mais sobre a banda, aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


Pág. 1/2





subscrever feeds


Arquivo