Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




subscrever feeds


Arquivo



Na vanguarda do atraso

por jonasnuts, em 22.11.17

A Comissão das Liberdades Cívicas rejeita a proposta do Governo Português que recomendava a censura de conteúdos na Internet.

 

Obviamente. Qualquer pessoa com dois dedos de testa perceberia que esta proposta era indefensável. 

 

Portugal tem andado, ultimamente, na vanguarda do atraso, no que a direitos digitais diz respeito. 

 

O que é estranho, porque, publicamente, temos um Governo que parece acarinhar esta indústria.

 

Olhe-se para a Websummit e para o dinheiro que se investiu (reparem, não digo "gastou" digo "investiu"), mais as operações públicas de charme com a presença de vários elementos do governo e, até, do Primeiro-Ministro.

 

Olhe-se também para o aproveitamento que tem sido feito do Brexit, e da piscadela de olho que Portugal tem feito a muitas tecnológicas que estão à procura de alternativas. 

 

Reparem, acho isto muito bem. O problema é que não podem querer sol na eira e chuva no nabal. 

 

Não podem querer atrair esta malta e depois aprovar (ou recomendar) leis que são contrárias à indústria. 

Não podem querer ser uma coisa em público e outra em privado.

 

O que me leva à questão......... quem é que aconselha o Governo nesta matéria? 

Porque é que o Ministro da Cultura, quem é quem leva estes temas do direito de autor, está tão inflexível numa posição tão obsoleta? Quem é que o senhor Ministro anda a ouvir?

 

E porque é que isto é tudo feito sem um debate público? Este é o tipo de matéria que não se resolve com conversetas de damage control feitas por sms.

 

Não havendo responsáveis por aconselhar o Governo em matéria de estratégia digital, não haverá ninguém responsável por aconselhar o Governo em matéria estratégia política?

 

É que estes são temas em que o activismo é muito e de rápida propagação. Estes são temas que custam votos.

 

O direito de autor não é sexy e há sempre a alternativa do choradinho do "coitadinhos dos artistas", mas a censura é, lamentavelmente, muito sexy. A falta de respeito pelas liberdades civis, é muito sexy.

 

E meia dúzia de activistas com poder de influência são facilmente instrumentalizados e amplificados por uma oposição interessada em roubar votos.

 

Just sayin'

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

No rescaldo do debate

por jonasnuts, em 25.05.16

Fui convidada a participar, no passado dia 16 de Maio, num debate promovido pelo Bloco de Esquerda, sobre o tema "Pirataria e censura digital".

 

O tema pareceu-me interessante, tenho falado bastante sobre a coisa, havia pluralidade de opinião (não estava só um dos lados) e pareceu-me coisa séria e com potencial de interesse. Decidi aceitar o convite, porque sou assim, uma ingénua disfarçada de fundamentalista, e os meus valores democráticos teimam em vir à tona, depois de um período de desilusão decorrente da experiência anterior. 

 

E lá fui eu.

 

Devo dizer que a capacidade de mobilização da malta da indústria é assinalável. Já tinha dado por isso quando fui ao Prós e Contras e, mais uma vez, na Casa Amarela da Assembleia da República, essa capacidade revelou-se. Ou isso ou andam sempre em manada.

 

Eu gosto de debates. A sério que gosto. Mas debates onde se debata. E onde se ande à batatada. Batatada no bom sentido do termo, onde haja diálogo, e onde se esgrimam argumentos.

 

Também gosto das coisas equilibradas. Por isso estranhei que, na mesa, estivesse o deputado Pedro Filipe Soares, e 4 pessoas. Teria lógica que, havendo 4 lugares, dois fossem ocupados por pessoas a favor do memorando de entendimento, e outros dois por pessoas contra o memorando de entendimento.

 

Mas não....... Estavam 3 pessoas contra o memorando (eu incluída) e uma pessoa a favor do memorando. Chamei a atenção para isso, ao deputado Pedro Filipe Soares, que desvalorizou.

 

O modelo escolhido para o "debate" em causa (com aspas) não proporcionava.....debate. Era por rondas. Cada um falava 5 minutos. Sem direito a contraditório imediato, sem diálogo. Boring.

 

Sempre que havia um início de troca de galhardetes o deputado acalmava a hostes, pondo cobro ao potencial de animação.

 

E pronto, foi isto até ao fim.

 

Não se disse ali nada que não pudesse saber-se consultando os blogs dos intervenientes, ou os sites oficiais das entidades que representavam.

 

Tudo muito estéril.

 

No final, a cereja no topo do bolo, e a demonstração de que, de facto, o Bloco de Esquerda é muito hábil na gestão/manipulação cirúrgica da opinião pública.

 

Na intervenção de conclusão do debate, o deputado Pedro Filipe Soares, encerra tentando agradar a todos.

 

"Há direitos que não estão a ser salvaguardados com esta legislação e com este memorando", diz, agradando a quem está contra o memorando, mas "admite que poderá não ser uma tarefa à qual o partido possa dedicar-se no curto prazo", refere mais à frente, dando a mensagem que a indústria quer ouvir, não se preocupem que não vamos fazer nada.

 

Portanto, estamos contra, mas não vamos fazer nada.

 

Gregos e Troianos. Burros e Ciganos. Cravos e Ferraduras.

 

Entretanto serviu para criar buzz, e piscadelas de olhos no twitter.....

 

fogodevista.jpg

Notícias no Tek, aqui e aqui. Notícia e áudio do "debate", aqui.

 

Não serviu para quase nada, este "debate". E digo quase porque, pela parte que me toca, serviu para confirmar que não sirvo para a política (este tipo de política) e serviu para me vacinar durante mais uns tempos. A ver quanto tempo dura o luto, desta vez.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hoje é dia de debate

por jonasnuts, em 16.05.16

Hoje é dia de ir ao Parlamento.

 

AUDICAO-PUBLICA-PIRATAS.JPG.jpg

Calcei-me em honra do título do debate. 

 

iPhone - Photo 2016-05-16 10_16_19.jpeg (3024×4032).jpg

 

Apareçam às 15h00, na Casa Amarela da Assembleia da República. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Internet livre, por agora

por jonasnuts, em 06.05.09

Parece que houve drama, suspense, manobras de diversão e intrigas umas mais palacianas que outras.

 

De acordo com o Tek, a proposta não passou.

 

A verdade é que eu não consegui perceber muito bem o que é que aconteceu à tal da proposta que ia hoje a votos no parlamento europeu, pelo menos a partir do texto do Miguel Portas. Aquilo é de tal forma confuso que eu acho que é propositadamente burocrático e complicado para que os cidadãos comuns não percebam.

 

Seja como for, parece que, pelo menos por uns tempos, a coisa está travada.

 

Seja como for, é preciso que nos mantenhamos atentos, que estes gajos, se nos apanham distraídos, borram a pintura.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Internet sob controlo

por jonasnuts, em 05.05.09

Já falei disso aqui, na semana passada. Discute-se hoje e vota-se amanhã, na comissão europeia, aquilo que se optou por chamar o pacote das telecomunicações que propõe, entre outras coisas, que as empresas de telecomunicações possam actuar como polícias da Internet. Se este pacote for aprovado, qualquer ISP (Internet Service Provider - Fornecedor do Serviço de Internet) pode vasculhar nos conteúdos que produzimos, consultamos, e decidir o que é que temos o direito a ver ou não.

 

A ser aprovado, será o fim da Internet como a conhecemos. Será a Internet dos feudos, e dos privilegiados, onde uns poucos mandam e muitos obedecem porque não têm alternativa.

 

Será o fim da Internet livre, como a conhecemos. Se, pelo absurdo que esta proposta representa, nos fiarmos na virgem, podemos acordar na quinta-feira com o nosso mundo virado ao contrário. Eu também acho que a proposta é tão imbecil, que não há forma de qualquer pessoa minimamente inteligente aprovar esta coisa. No entanto, a experiência ensinou-me que há muitos imbecis em muitos lados, especialmente nos sítios onde deveriam ser proibidos.

 

Estando tão próximas as eleições para a comissão europeia, sugiro que vejam como votaram os deputados dos vários partidos, e não se esqueçam desse voto, quando chegar a vossa vez de votar.

 

Mais informações sobre este pacote das telecomunicações, aqui.

 

Aqui têm uma ideia sobre as votações de deputados portugueses na proposta inicial (a coisa é negra)j.

 

E aqui, algumas sugestões para fazer chegar aos representantes a sua opinião.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O futuro da Internet discute-se a 5 de Maio

por jonasnuts, em 28.04.09

Já disse aqui várias vezes que não leio jornais, nem sou consumidora de notícias nos órgãos de comunicação social tradicionais. Talvez seja por isso que me tenha escapado algum barulho que certamente estes órgão de comunicação social mais tradicionais têm, obviamente, feito acerca deste tema. Deve ter havido imensos artigos de opinião, que pessoas conscientes e ciosas das liberdades de expressão (próprias e alheias) têm feito veicular acerca deste assunto.

 

Falha minha, certamente.

 

Chamo a vossa atenção para a votação que irá decorrer no Parlamento Europeu, no próximo dia 5 de Maio.

 

Pelos títulos das propostas, parece estar tudo bem, e parece que os direitos dos consumidores (nós) até estão a ser defendidos.

 

No entanto, sempre que vejo regulação, regulamentação e internet, na mesma frase, eu vou atrás. Não sei porquê, mas desconfio sempre. Deve ser da idade. Mais para mais, os senhores parece que estão com pressa em aprovar isto antes das eleições. E reguladores, regulamentos, Internet e pressa deixam-me ainda mais pulgas atrás da orelha.

 

Então parece que se estas novas propostas forem aprovadas, a Internet, como a conhecemos, pode estar a acabar. Sim, isto pode ser o princípio do fim. Se estas propostas forem aprovadas,  os ISP (Internet Service Providers - Fornecedores do Serviço de Internet) passarão a estar legalmente habilitados a limitar o número de sites a que podemos aceder, e a dizer-nos se estamos ou não autorizados a utilizar determinados serviços. Eles decidem por nós. Estará disfarçado de "Opções dos consumidores", parecendo, portanto, uma benesse, mas na realidade, isto permitirá aos fornecedores de acesso a venderem pacotes de internet como vendem os pacotes de televisão, com um número limitado de opções às quais poderemos aceder.

 

 

Eles escolhem os conteúdos e os serviços a que podemos aceder.

 

 

Os grandes não terão grandes problemas, mas os pequeninos, os Blogs, as pequenas empresas, os que estão fora do lobby, esses, não sobreviverão. E isto será apenas o princípio.

 

Deixaremos de ter uma Internet Livre, será a Internet pré-escolhida por terceiros. Com a liberdade que esses todos poderosos decidirem dar-nos. Uma liberdade assim-assim.

 

Portanto, se por acaso passar aqui algum candidato ao parlamento europeu, esta era uma pergunta para a qual eu gostaria de resposta. Como é que votaria estas propostas? O meu voto depende disso.

 

Quanto aos demais leitores, podem passar por sítios onde isto está mais bem explicado e documentado. Aqui por exemplo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Este disclaimer começa a tornar-se um hábito no início dos posts, mas é importante fazê-lo. Este é o meu Blog pessoal, aqui são expressas única e exclusivamente as minhas opiniões pessoas que não reflectem necessariamente (e provavelmente não reflectem de todo) as opiniões dos que me rodeiam, da empresa onde trabalho, etc.


Diz-nos o Priberam que higienizar é:
 
tornar higiénico;
aplicar a higiene a;
sanear.
E vem isto a propósito de quê?

A propósito de uma discussão que é recorrente. Acompanha-me desde que ando nestas coisas da Internet, há mais de 15 anos.

Sempre que um serviço começa a ter alguma popularidade junto dos utilizadores, e passe a alojar conteúdos de muita diversidade, levantam-se de imediato as vozes da higienização. É preciso manter o serviço completamente higiénico. Em nome da moral e dos bons costumes, é preciso assegurar que as maminhas e os rabos (e mais que haja) sejam excluídos, saneados, filtrados e censurados.

No Terràvista, o ministro mandou tirar a ficha da tomada (sic) porque o serviço não era suficientemente higiénico de acordo com os seus padrões (na realidade não era suficientemente higiénico para os padrões (?) do Tal & Qual, mas ia dar ao mesmo).

Tenho uma vaga ideia de, no tempo da outra senhora, haver uma comissão de higienização. Só passava o que era higiénico. Se formos mais longe ainda, à época da 2ª guerra mundial, também havia quem quisesse higienizar, mas levavam ainda mais longe o conceito.

E isso leva-nos a uma questão importante. Quem é que define o que é higiénico e não é? Eu já tive essa missão, em vários serviços online e, garanto, não é fácil. O que é higiénico para mim não é higiénico para a pessoa do lado.

Na minha opinião, cada um deve escolher o que quer ver. Não deve haver comissões de filtragem ou de lápis azuis a escolher o que é que os outros podem ver. Não se deve ir pela negativa, pela exclusão. Destaquem-se os conteúdos que têm qualidade, mas permitam-se todos os conteúdos (legais).  Dêem às pessoas o direito de escolherem o que querem e o que não querem ver.

Em última análise, se há menores envolvidos, devem ser os pais, os professores e os encarregados de educação a fazer esse filtro. O meu filho pode ver maminhas, não sei se o filho da vizinha poderá ver maminhas. A responsabilidade da educação dos menores pertence, em primeiro lugar, à sua família. Eu não delego as minhas responsabilidades em terceiros.

Faço parte da equipa que gere os Blogs do SAPO. Desde que lançámos esta nova plataforma, apagámos (apaguei) um blog. Era um Blog com conteúdos ilegais, que ofendiam a constituição portuguesa. Mas mesmo nesse caso, que era gritante, tive dúvidas. Acabei por apagá-lo, mas ainda hoje tenho dúvidas. Se fosse hoje voltava a fazê-lo, voltava a apagar o Blog? Não sei. Na altura (e ainda hoje) várias vozes se levantaram. Uns apoiaram, outros condenaram.

Acredito que não me cabe a mim (nem a nenhuma pessoa) o papel de seleccionar o que os outros devem poder dizer,  o que os outros devem poder ver.

Tenho sempre muitas suspeitas e reservas acerca de pessoas que apoiam a higienização.  Normalmente são pessoas que acham que sabem mais que os outros, que se acham superiores e detentores da razão. Eu acredito mais no discernimento pessoal, na liberdade de escolha e na liberdade de expressão. Foi isso que os meus pais me transmitiram, é isso que transmito ao meu filho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Great Wall of Chine

por jonasnuts, em 09.06.07
UPDATE: Até pode ser que o vosso site esteja bloqueado, para quem o visita a partir da China, mas não é através do site que abaixo indico que o vão descobrir. Depois de algumas experiências e de alguns comentários, especialmente o da Ana, cheguei à conclusão de que afinal o meu Blog (bem como outros blogs alojados no SAPO) conseguem ser vistos perfeitamente. Portanto, este post já não faz sentido, eu é que tenho manias, e não gosto de apagar posts.

----------------------------------------------------------------------

Em tempos tive aqui no Blog uns anúncios do Google. Não estava à espera que desse dinheiro, era uma mera experiência.

Quando o Google avançou para o mercado chinês, pondo de lado o seu lema "do good", ou, pelo menos fechando aos "good" que os outros deixam de fazer, retirei de imediato os anúncios Google do meu Blog, e deixei de usar qualquer serviço que lhes pudesse dar directamente dinheiro, e fiz um post acerca do assunto.

Será eventualmente por causa desse post que o meu Blog, sim, este inofensivo Blog, está bloqueado censurado, e não pode ser visto por quem quer que queira vê-lo a partir da China.




E o vosso? Descubram, aqui.

UPDATE: Se querem descobrir se o vosso blog se consegue ver a partir da China, a melhor opção é visitar a China ou perguntar a alguém que lá esteja :)








Autoria e outros dados (tags, etc)





subscrever feeds


Arquivo