Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Carro de senhora

por jonasnuts, em 27.09.13

Ando à procura de um carro. Em segunda mão, claro, que o orçamento não dá para muito. Quero dar o meu smart e gastar pouco ou nada mais.

 

Adoro o meu Smart, carro espectacular, do qual gosto muito mas, para ser sincera....... tenho muitas saudades duma caixa manual. Odeio mudanças automáticas. Enquanto ele teve um carro com mudanças manuais onde eu podia matar as saudades de vez em quando, a coisa levava-se. Mas ele tem agora (há já algum tempo) um carro com mudanças automáticas, e eu deixei de ter onde matar as saudades.

 

Ando portanto em sites de venda de veículos usados.

 

E é aí que me deparo com o que me parece ser uma incongruência.

 

Muitos anunciantes, sobretudo de stands (mas não só), parecem achar que o argumento "carro sempre conduzido por uma senhora", é um bom argumento de venda e promoção do veículo em causa. A coisa melhora um bocadinho, na perspectiva deles, se a senhora for idosa. A sério..... eles dizem isto nos anúncios.

 

Ora.... na minha perspectiva, um carro que pertenceu a uma senhora, sobretudo se for idosa, mas não só,  é um carro onde funciona a primeira e a segunda. Com um bocadinho de sorte, a terceira. Quarta, quinta, sexta e por aí fora, nunca foram usadas. As pastilhas de travão já devem estar todas comidas, e os discos, ou já foram substituídos ou estão em vias de necessitar de substituição. Disco de embraiagem, a mesma coisa. É um carro cheio de esfoladelas. É um carro que vai à revisão quando se acendem luzes (nunca antes) ou, em casos mais extremos, depois da luz acender E começar a fazer barulhos estridentes (pequenos ruídos não contam). É um carro que muda o óleo quando, lá está, acende a luz.

 

Genericamente falando, as mulheres são substancialmente menos cuidadosas com os seus carros do que os homens, e continuando a generalizar, são também piores condutoras. Ou melhor..... os disparates típicos que fazem, irritam-me mais do que os disparates típicos dos homens.

 

As mulheres estão envolvidas em menos acidentes que os homens (e até têm seguros mais baratos por causa disso), mas a estatística que falta (e acho que já escrevi sobre isso antes, mas não tenho pachorra para ir procurar), a estatística que falta, dizia eu, é saber quantas mulheres continuam na sua vidinha de condutoras sem acidentes, tendo provocado acidentes por causa dos seus disparates.

 

Assumindo que qualquer pessoa com dois dedos de testa sabe disto (é fácil, basta andar na estrada), como é que alguém que é profissional da área (vendedor de carros) acha que dizer que o carro pertenceu a uma senhora é um bom argumento de venda?

 

Já vi vários carros, da marca e modelo de que ando à procura, uns particulares, uns em stand. Pergunto sempre, se o condutor anterior era uma mulher ou se era uma homem. Se era uma mulher, o valor que estou disposta a dar por ele cai drasticamente.

 

Sou só eu? Não posso ser só eu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



19 comentários

Sem imagem de perfil

De João Lúcio a 27.09.2013 às 18:04

Brace yourself… :D

A coisa explica-se com a evolução da raça humana e a especialização de cada sexo. Há um livro engraçado sobre isso: http://www.amazon.co.uk/Dont-Listen-Women-Cant-Read/dp/0752846191/
Imagem de perfil

De jonasnuts a 27.09.2013 às 18:18

Não li o livro, mas para este tema, que me interessa de forma particular, lá está, porque sou mulher, encontrei algumas explicações. Se calhar estão relacionadas com as explicações do livro, não sei.

A grande maioria das mulheres conduz porque tem de conduzir. É uma obrigação, é um meio para chegar a um fim. Não têm propriamente prazer em conduzir. É como lavar a loiça. Ninguém gosta, mas é preciso.

Já muitos homens (vá, e algumas mulheres) têm verdadeiro prazer em conduzir, e é algo que fazem não apenas porque tem de ser, mas também porque gostam.

Na minha (nada fundamentada cientificamente) opinião, este factor contribui para que muitas mulheres sejam umas nódoas ao volante ao contrário de muitos homens.

Não é bem serem umas nódoas, é cometerem erros e terem um tipo de condução que colide mais com o meu sistema nervoso do que a condução típica de um homem. Vai na volta e o defeito é meu :)
Sem imagem de perfil

De João Lúcio a 27.09.2013 às 18:26

Não é bem por aí embora possa haver uma relação não-directa. Lê que vale a pena.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 27.09.2013 às 18:35

Não saiu em Kindle, ainda :/
Sem imagem de perfil

De Marco Baptista a 27.09.2013 às 20:22

O livro é viciante para quem gosta de factos "científicos" que generalizam o comportamento humano.
Muito bom. Tenho mais um da mesma colecção.
Sem imagem de perfil

De p D s a 30.09.2013 às 16:56

eu não li o livro, mas tou capaz de acrscentar ao debate um factor que para mim tem muito a ver.

Resulta de uma analise empirica, mas que a meu ver se expande a uma dimensão universal. Passo a explicar:

- teria eu cerca de 7/8 anos, rapazito normal, naturalmente mimetizava e "replicava" as atitudes, interesses e actividades que observava no meu Pai (o padrão) e dos "outros pais" (os pares). Assim desde pequeno, mesmo não entendendo muito bem qual a sua função, eu já sabia que existiam 3 pedais nos carros. E que um deles se chamava "embraiagem".

- Ai por volta dos 12/13 anos, já andavam eu com a rapaziada da escola nos salões de jogos, onde os rapazes mais populares eram aqueles que dominavam o videojogo, de carros, chamado "OutRun".

- Mais tarde, ai já no final da adolescencia, no meu PC, batia records nas pistas de rallye do "Collin Macccrae", onde escolhia pneus, e podia até afinar as suspensões.

Ora, em termos gerais , com maior ou menor incidencia, facto é que nós, rapazes, somos desde muito cedo confrontandos, ensinados, estimulados, bombardeados com informação sobre Aotomoveis, como funcionam, etc, etc, etc.

Só por isto (se mais não houvesse, e estou certo que mais haverá mais) tendencialmente os rapazes, chegam á idade de conduzir com uma noção e conhecimento sobre automoveis e condução muito mais vasta que as raparigas.

Em simultaneo, e analogamente, por exemplo eu tenho dificuldade em encontrar algum amigo homem, mesmo sendo ás do volante, que consiga entender á primeira os "procedimentos de arranque da maquina de lavar roupa"!
Inclusivamente temos regra geral muita difiuldade em entender os "aditivos" e "tipo de combustivel" (deteregente/amaciador/etcs) com que se abastece essas mesmas maquinas "infernais" :o)

Ressalva: embora possa parecer um comentário "machista" ...isto é apenas apreciação de algo que tenho observado e me parece relevante nesta tematica. Não tenho qualquer duvida que ambos os sexos conseguem conduzir bem e depressa...assim como cominar as maquinas de lavar. A diferença é digamos que "estrutural" onde é facto que uns e outros são estimulados de formas e em ttematicas diferentes.
Sem imagem de perfil

De antonio diogo a 27.09.2013 às 20:00

e depois tem estes : http://www.automoveis.pt/rides/mini_cooper/232195/# ,
uma fraude das antigas .
o nº de telemóvel é do meu sócio e eu posso assegurar que não tem carro nenhum à venda . aliás , o nº de telemóvel está a ser usado em vários anúncios desse site .
Imagem de perfil

De Paulo Pinto a 27.09.2013 às 23:32

glup! ainda bem que foi uma mulher a escrever isto; fosse um gajo e vinham já aí as acusações de machismo latino e coiso. esqueceste-te de uma: as gajas que são de cuidado extremo na limpeza e na higiene... da casa, já do carro, pode criar cogumelos nos tapetes e pó às camadas, mixórdia pastosa nos vidros que não faz mal nenhum. E dão cabo das escovas, porque nada de ir lavar os vidros à mão, é mija-mija para cima com limpa-vidrtos a guinchar até os vidros passarem de opacos a translúcidos. (nem falo da "muda de pneus").
Imagem de perfil

De jonasnuts a 27.09.2013 às 23:35

Verdade. Mas eu sou consistente. Não sou extremista das limpezas em casa e também não sou extremista das limpezas com o carro. Aliás, não percebo o ritual da lavagem do carro :-)
Imagem de perfil

De Paulo Pinto a 27.09.2013 às 23:38

yep. já na Antiguidade se sabia valorizar as virtudes da temperança.
Sem imagem de perfil

De João A. a 27.09.2013 às 23:44

Devem ter todos lido aquele livro do Asterix, onde o vendedor impingia uma espécie de quadriga (só que não tinha 4 cavalos) ao Asterix e Obelix com o argumento de que tinha pertencido a uma senhora que praticamente nunca a tinha usado. Algum tempo depois começa a chover e o cavalo preto desbota e fica branco :)
Sem imagem de perfil

De snowgaze a 28.09.2013 às 10:53

Não concordo nada contigo em relação à condução das mulheres, mas não quero ir por aí.

Sem me alongar muito, só queria dizer, por experiência própria, que penso que a razão para o anúncio de carros que pertenceram a senhoras idosas se prende com o facto de que muitas vezes esses carros têm menos quilometragem. Até podem ter a primeira e a segunda todas lixadas (um test drive resolve essa questão), mas a tendência é serem carros menos usados, guardados em garagens, e com as revisões religiosamente em dia, e como tal, provavelmente em melhor estado.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 28.09.2013 às 11:10

Eu moro num bairo onde a média de idades, agora que começam a chegar pessoas mais novas, deve ser o 110 anos.

Eu vejo os carros dos velhotes e das velhotas......

E, um carro que anda pouco (portanto, que tem poucos Km), pode não ser exactamente uma boa compra :)
Sem imagem de perfil

De AB a 29.09.2013 às 01:20

Mas porquê essa discriminação? Eu também não gostava de mudanças automáticas. Até ter mudanças automáticas. O caso é que a caixa automática é menos preguiçosa que nós (se formos a descer uma rua em 3ª ficamos por ali porque o cruzamento já está perto, e a caixa automática não se importa de meter até a 6ª e reduzir de novo). E mete mudanças em milissegundos, ou seja, vai sempre engrenada. E ao passo que as primeiras caixas automáticas tinham para aí 3 velocidades e o objectivo era imitar as manuais, hoje têm até 9 mudanças, e aproveitam melhor o motor (quem teria pachorra para fazer isso manualmente?).
Quanto às estatísticas sobre a condução das senhoras estou desactualizado - a última que li dizia que as mulheres têm mais acidentes que os homens, mas são menos graves e menos onerosos para as seguradoras.
O facto de ser dum homem ou duma mulher...conheço homens que também andam até partir e depois atam com arames e é até partir os arames. Eu gosto de cuidar do carro como extensão lógica de cuidar da casa, dos computadores, etc. Aspiro quando tem de ser aspirado, lavo quando tem de ser lavado, e ponho cera de vez em quando por causa das cagadelas dos pássaros e porque os mosquitos esborrachados saem melhor : )
Sem imagem de perfil

De Pedro Aniceto a 30.09.2013 às 17:54

http://caoepulgas.blogspot.pt/2006/03/o-barquinho.html
Sem imagem de perfil

De Helder Carvalho a 30.09.2013 às 18:13

Se puderes vai a um leilão de carros, consegues negócios brutais, carros mais baratos 5000/6000€ que nos stands de usados
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 03.10.2013 às 09:24

Sim, mas muitos chegam das rent a car destruidos (na parte mecanica) devido aos N condutores em pouco tempo.
Sem imagem de perfil

De Patrícia a 31.12.2013 às 17:35

bem, eu comprei um carro que era de uma velhota que não se adaptou... mas tinha menos de 1000 km (com 700 feitos pelo vendedor) e menos de 4 meses, por isso acho que não conta.

Infelizmente concordo com os posts, com os comentários, etc, etc mas gostava de dizer que adoro conduzir. Sempre gostei. Muita viagem longa fiz sozinha e isso nunca me incomodou.

E é verdade que o meu carro não é o mais limpo que por aí há, mas o do meu marido (ou o meu, depois de passar pelas mãos dele) é pior e somos ambos cuidadosos com as revisões. Aliás, sou até demasiado picuinhas com a mudança de óleo...

E fico feliz por saber que não sou a única que detesta mudanças automaticas. Felizmente nenhum dos nossos carros as tem :)



Sem imagem de perfil

De carros baratos a 28.03.2015 às 22:08

Bem, nem todas as mulheres conduzem mal. Mas acho que as mulheres deviam sempre ter carros com caixa automática, assim os problemas de motor e embraiagem ficavam salvaguardados.

Comentar post






Arquivo