Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



União Ibérica

por jonasnuts, em 18.08.15

União Ibérica é um termo que aprendíamos na escola e que servia para identificar o período (felizmente terminado) durante o qual os Felipes governaram Portugal.

 

É nesses tempos que nasce o ainda hoje muito utilizado, "de Espanha, nem bom vento nem bom casamento."

 

Pode ser verdade, mas é estúpido, e nem sequer creio que seja verdade. É ridículo que 2 países com tanto em comum (é mais o que nos une do que o que nos separa) não colabore mais. E, se há uma área onde podemos (e devemos) colaborar, essa área é o online. Porque é vantajoso, com o benefício de não termos nós que ir lá, nem eles que vir cá.

 

Isto tudo por via duma lei que foi recentemente aprovada em Espanha, país que parece estar num ciclo de franco retrocesso civilizacional (e o franco não é inocente), essa lei, dizia eu, impede uma série de coisas que não deviam ser proibidas. 

 

Coisas básicas como, fotografar agentes da autoridade, independentemente do que esses agentes estejam a fazer, os espanhóis não podem. Manifestarem-se junto ao Congresso ou junto ao Senado. Pois que, não podem. Impedir um despejo. Nada, têm de assistir impávidos e serenos. Montar-se num mastro ou numa estátua, ou em qualquer local mais elevado, por periclitante que seja, népias. Não podem sequer, os desgraçados, protestar silenciosamente, sentados. Tudo isto (e, presumo, mais umas quantas coisas) passaram a ser proibidas desde o dia 1 de Julho.

 

Ora, se não podemos fazer porra nenhuma acerca das manifestações, ou dos despejos, ou do resto, já podemos fazer alguma coisa no que diz respeito às fotografias dos polícias. 

 

Há poucos dias surgiu a notícia de que uma mulher foi multada por publicar no Facebook uma foto de um carro da polícia, estacionado num local de estacionamento exclusivo para deficientes. Não me interessa muito saber o que é que os agentes estavam a fazer, se foram fazer xixi, se foram beber uma jola ou se foram salvar o pai da forca. Interessa-me saber que a mulher devia poder publicar aquela fotografia sem ter qualquer problema, sobretudo sem ter de pagar 800 euros de multa.

E é aí que entra a União Ibérica. Os espanhóis não podem, mas nós podemos. Não é proibido por lei, em Portugal, publicar fotos de polícias nas redes sociais. Pelo menos, ainda.

 

Fica o convite. Malta espanhola, fotografem os vossos polícias à vontade, mandem as fotografias para o lado de cá da fronteira. Nós publicamos. Vocês partilham.

 

What say you?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



21 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.08.2015 às 23:16

Muito bem Jonas. Plenamente de acordo
Sem imagem de perfil

De Fadjaros a 20.08.2015 às 10:59

Totalmente de acordo. Sempre o disse e continuo a dizer, que não percebo o porquê de Portugal e Espanha estarem tão próximos e ao mesmo tempo tão distantes..

O porquê de não haver uma maior cooperação e colaboração entre os dois países é algo que me intriga.
Sem imagem de perfil

De portugues a 20.08.2015 às 11:09

Espanhóis serão sempre espanhóis...
" Salazar"

EXPULSÃO PARA ESPANHA DE IBERISTAS.
Sem imagem de perfil

De Lince Iberico a 20.08.2015 às 11:10

Ridículo é dizer que os Filipes governavam Portugal quando o país era independente de Espanha so apenas partilhava o mesmo Rei. A guerra foi de uma independência dinastica e não governativa ou territorial, se lerem o acordo de Tomar em que os portugueses exigiram certas condições para que Filipe I aceitasse para ser Rei de Portugal verão que uma dessas condições era de que os assuntos e decisões relacionadas com o império português so diziam respeito aos portugueses e não aos espanhóis. Nem sei porque é que Lisboa tem uma praça com nome de Espanha, porque com nome de Lusitânia?
Sem imagem de perfil

De Carlos Pereira a 20.08.2015 às 12:54

Em certo ponto é verdade sim... Teoricamente nos nunca perdemos a independência e continuávamos a ser um pais independente..
E tudo correu bem e todos os acordos foram respeitados durante o reinado de D. Filipe I, mas os dois seguintes foram desrespeitando inúmeras vezes a soberania portuguesa e os acordos assinados, como por exemplo arrastar-nos para uma guerra com Inglaterra, França e Holanda que nos levou 70 % do império, se não fosse provavelmente o 1 de Dezembro a esta hora éramos mais uma província autónoma do reino de Espanha a lutar pela independência como Catalunha, Galiza e País Vasco..
Sem imagem de perfil

De lince iberico a 21.08.2015 às 14:41

Por isso que surgiu a guerra para expulsar os espanhóis foi quando o terceiro filipe tentou absorver Portugal e torna lo numa província de Espanha por isso que devemos dizer que nunca fizemos parte de Espanha porque fizemos guerra antes disso acontecer.
Sem imagem de perfil

De Galo a 20.08.2015 às 12:17

Percebo se o caminho for a existencia de uma verdadeira união europeia.
Sem imagem de perfil

De hugo a 20.08.2015 às 15:50

Boa!
Sem imagem de perfil

De Fernando Castro a 20.08.2015 às 16:59

Os super "democratas", descendentes da Falange franquista, vão, suavemente, impondo regras, como esta lei Mordaza. Aqui, os lacaios da Merkel vêm tentando só que ainda não têm a força suficiente (nem terão), apesar das canalhices que vêm fazendo, com a conivência dos serventuários da comunicação social às ordens do grande capital. Ambos os povos saberemos dar o pontapé nos respectivos trazeiros dessa canalha.
Sem imagem de perfil

De AntonioFilipe a 20.08.2015 às 18:01

Também a Espanha está muito próxima da França, tal como está de Portugal e não me parece que de algum daqueles lados haja alguém a querer a unificação
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.08.2015 às 20:47

Pergunto-me se realmente acha que temos muito em comum com Espanha... essa é a opinião de alguém que vive em Portugal e o que conhece de Espanha é o que vê quando atravessa a fronteira para vir passar férias. Os espanhóis não nos tratam como iguais... tratam-nos como inferiores. E esta é a opinião de quem vive em Espanha à 7 anos e conhece in-loco a realidade das coisas.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 20.08.2015 às 22:51

Sim, acho que temos muito em comum com os espanhóis, a começar na óbvia questão da geografia, e da língua, embora nesse aspecto, a coisa seja unidireccional, nós entendo-los a eles, eles não nos entendem a nos.

Nunca vivi em Espanha. Mas já fui a Espanha várias vezes (sobretudo Barcelona), já trabalhei com empresas espanholas e dou-me com alguns espanhóis (que vivem em Espanha).

Nunca senti que me tratassem mal ou que sequer lhes passasse pela cabeça fazê-lo.

A sua experiência é diferente da minha.
Sem imagem de perfil

De lince ibérico a 21.08.2015 às 14:39

Mas olhe que também ha mtas semelhanças entre Espanha e França, agora semelhanças connosco é mais entre nós e a Galiza que o resto. Sou a favor de uma união ibérica mas para o lado português assim como foi acordado entre d.joao ii e isabela de Espanha que sse algum dia as duas nações unissem que seria sob trono e brasão português mas para isso tinhamos que ser uma monarquia.
Sem imagem de perfil

De José Agostinho a 20.08.2015 às 21:55

Caro Jonasnuts, já que fala em União Ibérica e o tema vai directo a "nuestros hermanos" porquê terminou a sua escrita com uma frase em Inglês "what say you" e não em Castelhano? Hagamos la union empezando por escribir en su idioma y/o entonces en PORTUGUÊS.
Não é uma crítica, é só a minha opinião.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 20.08.2015 às 22:49

Caro José Agostinho, aparentemente, nem em português nos entendemos, visto que achou que eu era do sexo masculino, tratando-me por Caro Jonas. Não sou um ele, sou uma ela.

Se fosse leitor aqui da chafarica, saberia que uso, por vezes, termos em inglês. É assim que eu escrevo. Não lhe levo a mal, não ser leitor da chafarica, aliás, pelo contrário, só lhe fica bem, sobretudo se tudo o que o que escrevi lhe suscita é uma questão semântica.

Os espanhóis que eu conheço, falam e lêem português, e também não terão dificuldades com o "what say you" do remate :)
Sem imagem de perfil

De José Agostinho a 21.08.2015 às 15:03

Peço desculpa pela confusão masculino/feminino. Em verdade foi a primeira vez que acedi ao blog e logo após o envio do comentário é que fui ver quem era o autor, neste caso a autora. Agradeço as suas palavras.
Saudações cordiais
José

Comentar post


Pág. 1/2






Arquivo