Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Prefiro-vos corrompidos, a amorfos

por jonasnuts, em 26.01.12

E finalmente, a lista.

 

Percorre-se a lista de nomes que a SPA disponibilizou, de onde constam, alegadamente, pessoas que apoiam o PL118. Alegadamente porque há ali nomes de pessoas com quem nem sequer falaram sobre o tema, adiante, não é disso que se trata aqui.

 

Alguns nomes, exclui-se os nomes do pessoal que faz parte da Direcção da SPA, evidentemente, e a seguir excluem-se os desconhecidos, muitos, e depois excluem-se os artistas que conhecemos, mas cujo trabalho não nos diz nada, e vamos reduzindo a lista, até chegar ao nosso coração.

 

Pessoas que são da casa. Há muitos anos. Que nos acompanharam e a quem nós acompanhámos, sempre. E esses, por mais que saibamos que a lista é falaciosa, tendenciosa, manipuladora, mentirosa, e por mais que saibamos que o texto que a encima é genialmente obscuro, há nomes, dizia eu, que dói, ver associados a semelhante coisa.

 

Cada um escolhe os nomes que lhe doem mais, a minha selecção, é a minha memória, da minha vida.

 

E começo pelo Tordo, o pai, não o filho. Sabes, Fernando, assim, pelo primeiro nome, e por tu, será que posso? Não estou a dizer Menino Fernando, ainda te estás marimbando? Parece que sim, que te estás marimbando, para o facto de teres o teu nome associado a um comunicado que defende um projecto de lei que visa penalizar muitos, para benefício, injusto, de poucos. Nada tenho contra quem quer ser remunerado pelo seu trabalho, antes pelo contrário, mas este projecto de lei defende que tu recebas pelo MEU trabalho, por aquilo que EU produzo. Adeus tristeza? Nope, não posso dizer adeus à tristeza, e ainda bem, que a minha mãe, aos primeiros acordes dessa música, lava-se em lágrimas. Sim, eu sou filha dessa. Sabias que foi contigo que aprendi aquilo que a escola insistia à força para me meter na cabeça, sem sucesso? Sim, é verdade. Muito antes de as conhecer, aprendi-lhes o nome, contigo. As ilhas. Custa-me, ver-te associado a esta corja manipuladora que desinforma, que desprotege, mas custa-me muito mais ver-te calado. Resignado. Tornaste-te num menino Vá-Vá?

 

Estou a seguir a ordem alfabética. Segue-se o Gil. Motivos diferentes me levam ao Gil, mais adolescentes. O Trovante foi a primeira banda de que era só eu a gostar, sem heranças familiares. Foram a minha saída de casa. As meninas gostavam do Represas, eu gostava do Gil. Não era pela melena, nem pelo balanço do ombro. Para mim, Gil, tu eras o artista. Se calhar estava enganada, é possível, mas era por isso. E agora (e noutras alturas, para ser sincera) vejo-te a defenderes, nem que seja pelo silêncio, uma coisa em que não quero acreditar que acreditas. E os silêncios, Gil, são, como qualquer músico sabe, muito importantes e esclarecedores. Silêncio sim, mas inocente?

 

Next. O menos conhecido. Não interessa. Faz parte da MINHA lista. João Monge. Muitos poderão não reconhecer o nome, mas eu conheci-o, com o Trovante. Vem-me o fel à boca, as tripas ao coração ver o João Monge associado a esta movimento, calado. A primeira pessoa que me fez pegar na porcaria dum livrinho do CD para ver quem é que era o dono daquelas palavras. Vi o nome. Vejo-o agora, mas no sítio errado. Assim o quis a desdita, mas desta vez, sem abraço.

 

José Mário Branco. Porventura o mais doloroso. Habituei-me a ouvi-lo, de pequenina. As outras miúdas cantavam José Cid e a rosa que eu te dei, eu cantava José Mário Branco, porque obviamente, a cantiga é uma arma. E naquelas idades, gosta-se de armas. Nesta idade em que me encontro agora, também se gosta de armas, mas de outras. Quando eu chegar à idade do José Mário Branco, talvez já tenha desistido das armas. Tu, José Mário, parece que desististe. Ou fartaste-te de apontar à burguesia e transferiste-te para o lado de lá? É o que parece dar a entender, o teu silêncio. E se os teus silêncios são poderosos! Sempre foram. Há uns anos, tive um programa de rádio. Nada de extraordinário mas, lá está, era meu. Não que eu fosse grande radialista, mas a rádio gostava de mim. Eu tinha muitos CDs, percebes? Um dos programas foi sobre ti, e eu queria muito, passar o FMI. Mas na capa do CD dizia, alto e bom som, que tu não querias que passasse na rádio. Cheguei a levar o CD para o programa, que era em directo, ainda por cima. Mas não passei o FMI. As canções eram tuas, e se tu não querias que as passassem na rádio, eu não desobedeceria. E mesmo longe da ribalta, ver-te e pegar no Camané e a transformá-lo num cantor maior, ele, que estava habituado a fados menores, foi surpreendentemente bom. E agora, o teu silêncio sabe-me a demasiado, calçaste as pantufas para não perder o lugar?

 

Damos um salto. Passamos ao Sérgio. Sabes, Godinho, cruzámo-nos há pouco tempo, e a interacção não foi propriamente brilhante. Deixa, de certeza que não te lembras, nem sequer é importante. Foi a primeira vez em mais de 40 anos que nos encontrámos. Minto. A primeira vez, sem contar com concertos, evidentemente, foi num concerto sui generis, que deste a convite da comissão de trabalhadores da Lever. Também não te deves lembrar, que em 75, o que não faltava eram festarolas de comissões de trabalhadores. Mas a tua filha estava em palco, contigo, não tinhas tido onde a deixar, e ela cantava o maré alta como se estivesse a cantar o giroflé giroflá. E eu com ela. E agora isto. Um silêncio ensurdecedor. Não me digas que nunca sentiste uma força a crescer-te nos dedos e uma raiva a nascer-te nos dentes, não me digas que não me compreendes. Porque eu dá-me ideia que sim, que compreendes.Compreendes como me sinto, neste preciso momento.

 

Não tenho mais ninguém naquela lista. Aprendo que até na morte pode haver felicidade. Nunca saberei se o Adriano e o Zeca ali teriam o seu nome. Sou livre de pensar que não. Sonhar já paga imposto?

 

O que me chateia, mais profundamente que tudo, não é que não digam que estão contra. É que não falem. Venham. Saiam à rua, digam de vossa justiça, seja ela qual for.

 

Porque, verdadeiramente fan, prefiro saber-vos corrompidos, a saber-vos amorfos.

Autoria e outros dados (tags, etc)



19 comentários

Sem imagem de perfil

De Phil a 26.01.2012 às 23:50

Genial! ;)

Excelente post.
Sem imagem de perfil

De BRS a 26.01.2012 às 23:59

http://i.imgur.com/4RU0Y.jpg

from

http://twitter.com/onemanclapping
Sem imagem de perfil

De DJ Puto_P a 27.01.2012 às 00:12

Vale a pena ver, ler e parar para reflectir...

http://i.imgur.com/4RU0Y.jpg
Imagem de perfil

De jonasnuts a 27.01.2012 às 00:18

Tenho carradas de reacções dessas, em privado...... em público, ninguém está disponível.

É curta a trela pela qual a spa passeia os seus associados.
Sem imagem de perfil

De rafael a 27.01.2012 às 01:21

vinha mesmo partilhar essa imagem. se isso for verdade é um abuso! e estão a ir contra aquilo que andam a pregar.
Sem imagem de perfil

De AB a 27.01.2012 às 00:18

Daqui a uns dias vou ver um autor (escritor) que consta na lista de alegados apoiantes do pl118. Vai ser tudo muito florido, são coisas de escola da filhoca, os livros fazem parte da disciplina, e embora os miúdos não tenham que os comprar, pois a escola empresta, quem quiser comprar terá o exemplar autografado pelo autor.
Estas coisas deixam-me assim meio nem sei como. Eu não gosto do que está a acontecer, como é que vou falar a uma pessoa que teóricamente apoia algo que eu oponho?
A miúda não tem culpa, mas já lhe dei a entender que não tenho vontade nenhuma de comprar o livro nem de ir ao autógrafo. Podia saír-me alguma asneira, tipo "Se eu não pretendo ganhar com o teu trabalho, porque queres ganhar com o meu?".
É difícil...
Imagem de perfil

De jonasnuts a 27.01.2012 às 00:26

Os autores estão reféns das migalhas, mas ao menos nós, só somos reféns dos nossos filhos :)

Caga no #pl118, a tua filha é mais importante :)
Sem imagem de perfil

De António Manuel Dias a 27.01.2012 às 12:52

A não ser que, precisamente por ela ser o mais importante, se use o caso para lhe começar a fazer compreender que devemos assinar por baixo das nossas opiniões, que os actos devem corresponder às palavras. A não ser que ainda não tenha idade para isso.
Sem imagem de perfil

De Tiago Pinto a 27.01.2012 às 00:20

Porra!, obrigado por isto. Obrigado por traduzires em palavras escritas o que, provavelmente, muita gente pensa.
Não sei o que dizer mais. Até dizer que concordo é desnecessário.

Obrigado, Jonas!
Sem imagem de perfil

De Ruben Monteiro a 27.01.2012 às 02:10

Muito, mas muito obrigado pelas suas palavras que traduzem exatamente a angústia que sinto neste momento! Espero que não se importe que partilhe com os meus amigos. Mais uma vez, muito obrigado!
Sem imagem de perfil

De Carlos a 27.01.2012 às 11:49

Acabo de comentar o seguinte na página da SPA no Facebook.... Quero ver se tenho resposta! :)

"Sobre o PL 118, tenho uma dúvida. Adoro fotografia e como tal, tiro bastantes. Visto que sou autor das próprias e que até adoro partilhar com os outros (aumenta-me o ego de autor), como faço para me inscrever como autor? Afinal de contas, os meus amigos e outros, têm as minhas fotos também nos seus PCs... É que também quero receber parte da nova taxa. (este comentário respeita as vossas regras). Agora dignem-se a responder! Obrigado"
Sem imagem de perfil

De AF a 27.01.2012 às 11:54

Em contrapartida, há os que realmente se revêem nestas sacanices ...

http://mindboosternoori.blogspot.com/2012/01/e-um-jogo-carta-ao-adolfo-luxuria.html

O Adolfo, meu deus! O advogado canibal!
Bem, ao menos assim não restam dúvidas.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 27.01.2012 às 12:01

Eu por acaso acho que o Adolfo deixou mais por dizer do que disse, mas é como dizes.... ao menos disse de sua justiça.

Corrimpido, mas não amorfo :)
Sem imagem de perfil

De Carlos a 27.01.2012 às 14:00

É realmente de lamentar aquilo que se ouve destes políticos. Dei-me ao trabalho de ouvir a gravação do debate que está em:
http://www.parlamento.pt/ActividadeParlamentar/Paginas/DetalheIniciativa.aspx?BID=36617

Bem...aquilo é uma cambada de cromos...e No fim...bem, no fim, nota-se o intenso trabalho!!!! É ouvir até ao fim e tomar uns calmantes para não desatar à porrada aos políticos!
Sem imagem de perfil

De Zé Metralha a 27.01.2012 às 20:07

Fantástico e genial artigo de opinião! Da primeira à última letra, a todos os por cento de acordo! Eu também quero receber os meus direitos de autor, caso essa canalha aprove esse famigerado PL118, de todas as obras pessoais que tenho gravadas em HD's, pen's, SD's, cd's, dvd's ou outros suportes digitais ou analógicos! Tenho esse direito uma vez que passarão a existir chulos a receber dinheiro que me pertence por direito próprio! Quanto aos nomes da lista, o Pinho Vargas já escreveu no Facebook que não assinou nada (já foi retirado da lista ao que parece)! E quantos mais "não" assinaram? Embora este quintal muito mal frequentado não seja propriamente um Estado de Direito e muito menos uma "democracia", até onde irá o avacalhamento do regime?

Comentar post


Pág. 1/2






Arquivo