Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Falei aqui há uns tempos da minha estratégia para, legalmente, complicar o trabalho (ou mesmo impedir) dos funcionários da EMEL.

 

A estratégia é simples, e está ilustrada na foto que tirei ao meu carro, na altura:

 

 

Verifico agora que esta estratégia levanta um pequeno problema, ao nível do funcionamento do ar condicionado do carro. Há 2 semanas começou a fazer um barulhinho estranho que se foi agravando com o tempo. Anteontem já parecia um avião a querer levantar voo.

 

Como não gosto de andar de avião marquei com a oficina para eles resolverem o problema. Deixei lá o carro ontem de manhã, e o prognóstico preliminar era o motor do ar condicionado que precisava de ser substituído. Disseram-me que provavelmente só me conseguiriam entregar o carro no dia seguinte, uma vez que tinham de encomendar o motor, e que demorava a chegar. Mas, a meio da tarde recebo um SMS a dizer que estava pronto, e que podia ir lá levantar o carro.

 

O relatório do mecânico ia direito ao assunto, sem rodeios nem meias palavras: papéis da emel enfiados no motor da sulfagem (sic).

 

Terei de arranjar outra estratégia de combate à emel que não passe por enfiar seja o que for, seja onde for.

Autoria e outros dados (tags, etc)



15 comentários

Sem imagem de perfil

De KI a 06.02.2009 às 15:42

Qt maldade :)
Imagem de perfil

De pedrocs a 06.02.2009 às 18:07

Desculpa lá, mas...

EPIC FAIL!
Imagem de perfil

De jonasnuts a 06.02.2009 às 19:09

Vai masé tomar banho, se conseguires :)

Sim, do ponto de vista do ar condicionado é um peic fail. Já do ponto de vista das multad a emel, é um so so fail, porque decresceram desde que passei a usar este método :)
Imagem de perfil

De jonasnuts a 06.02.2009 às 19:33

Já a ortografia do meu comentário anterior, essa sim, é um epic fail :)
Imagem de perfil

De pedrocs a 06.02.2009 às 22:33

Ei, eu nem ia dizer nada.

lulz
Sem imagem de perfil

De Eu a 06.02.2009 às 22:15

Que tal usar transportes públicos?
Imagem de perfil

De jonasnuts a 06.02.2009 às 22:44

Adoro essas sugestões.

Deve ser da idade, mas confesso que, tendo a possibilidade (e parece que tenho) de sair de casa com o meu filho, de manhã, e pô-lo na escola em meia hora, em vez de o pôr na escola 1 hora mais tarde, cansado de carregar com a mochila pesada, mais o saco de educação física e a lancheira e a parafernália que os putos precisam nos dias que correm, depois disto, demorar mais uma hora a chegar ao meu local de trabalho para, meia dúzia de horas depois, sair e repetir o processo de forma inversa, chegando a casa mais morta que viva e sem vontade de fazer outra coisa que não fosse atirar-me para a cama e dormir, prefiro, porque posso, usar o carro. Se não pudesse, não usava. Podendo, porque trabalho para isso, uso.
Sem imagem de perfil

De Eu a 06.02.2009 às 23:18

E eu adoro sugerir que se largue o carro...
Claro que há sempre uma boa explicação para tudo; o problema é haver quem argumente só com a conjugação do verbo poder. E aí ouve-se (e vê-se!) "estaciono nas paragens de autocarro porque posso", "paro o carro em segunda fila para não andar mais de 50 metros porque posso", "ando nas faixas BUS porque posso", etc, etc.
Não é o caso, claro. E é mais que legítimo sublinhar, como sublinha, que trabalha para poder andar de carro. Mas, às vezes, o "poder-se" não é a melhor forma de se cumprir com os deveres mínimos de civismo. Só à laia de exemplo, acho uma falta de respeito descomunal um autocarro com 20 ou 50 pessoas estar parado por causa de um carro mal estacionado.
Uma (outra...) pequena provocação, porém: se andassem menos carros em Lisboa, também era melhor para quem tem MESMO de usar o carro, certo?
Obrigado pela resposta e bons estacionamentos!
Imagem de perfil

De jonasnuts a 06.02.2009 às 23:36

Ensinaram-me, quando eu era pequenina, que a minha liberdade acaba onde começa a dos outros, e mais coisa menos coisa, tenho empregue esse lema no meu dia-a-dia.

Concordo que o "poder-se" arrogante do "quero, posso e mando, e se quiserem multar, multem que eu pago" não é uma opção.

Eu experimentei há pouco tempo utilizar os transportes públicos no percurso que faço sem o meu filho, o desgaste com que chegava ao trabalho (físico e não só) tornavam-me menos produtiva, muito menos produtiva. A ÚNICA vantagem era financeira e, porque financeiramente posso, desisti. Entre demorar 20 minutos de carro, a ouvir a minha música, a fazer telefonemas com alguma privacidade, com o cheiro do meu carro, sentadinha no meu sítio, e a usufruir da minha condução e a alternativa, 1 hora de autocarro, com 2 transbordos, nem sempre sentada, muitas vezes apertada, sem fazer telefonemas, e etc., etc., etc., prefiro a primeira, porque posso, (financeiramente).

Menos carros? Sim. Menos carros e por isso uma erosão drástica da qualidade de vida? Não (porque posso).
Sem imagem de perfil

De Eu a 06.02.2009 às 23:54

Outro dos grandes problemas é a falta da devida penalização para quem não cumpre essas regras básicas de convivência. Mas isso!...
O seu último parágrafo é exactamente onde quero chegar. Menos carros+mais faixas BUS+mais autocarros=menos trânsito e menos tempo de circulação, para todos!
Mas de que falo eu? Ando o tempo todo - se o "outro" tempo deixa - de bicicleta...
Imagem de perfil

De jonasnuts a 06.02.2009 às 23:59

Também tenho bicicleta, mas só de fim-de-semana. Se já acho perigoso andar no trânsito de Lisboa com carro, com bicicleta seria suicídio. Além de que....penso que o cheiro com que chegaria ao trabalho não seria do agrado de quem trabalha mais perto de mim (já para não falar do meu próprio nariz).
Sem imagem de perfil

De Eu a 07.02.2009 às 00:18

Bom, não ia tão longe a ponto de falar em suicídio (uns dias melhor, outros pior, mas ainda aqui estou) mas lá que convém ter mil olhos, não digo que não. Mas é bem menos perigoso do que o que se pensa. Tal como a questão do odor; é verdade que no Verão... bem, é complicado. Mas uma temperatura amena conjugada com algum hábito (quanto menos se anda, mais se transpira...) pode ser uma boa surpresa. Falo por experiência própria. Mas isto já vai longo e não quero ser chato... Obrigado pelos dois dedos de conversa.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 07.02.2009 às 00:23

Obrigada eu :)

(E os Blogs do SAPO são melhores que os do Blogspot :)

(sorry, não resisti :)
Sem imagem de perfil

De Eu a 07.02.2009 às 00:29

O meu blog seria sempre lamentável, tanto aqui como ali... Quando uma das duas pessoas que visita aquele pasquim por semana me denunciar por porno-qualquer-coisa-chocante-para-não-sei-quem, lembrar-me-ei da recomendação.
Obrigado pela visita!
Imagem de perfil

De pedrocs a 08.02.2009 às 15:21

A conversa vai longa, mas não resisto a acrescentar uns cêntimos proverbiais... nos cinco anos que trabalho em Lisboa fui quase sempre de transportes. Vivo em Almada e ir de carro implica pára-arranca na ponte, diário.

Não sei como há pessoas que conseguem, mas gostava de conseguir suportar isso e ir de carro trabalhar.

É 20 vezes melhor. Já trabalhei no Estoril e em Setúbal e ia de carro... um gajo sai do trabalho, senta-se no carro, fecha a porta e pronto: já está em casa.

Os transportes públicos são chatos, desagradáveis, desconfortáveis, lentos, mal-cheirosos e sem qualquer privacidade.

O que dizer de cadeiras que, quando disponíveis, estão tão juntas, lado a lado, que é impossível duas pessoas se sentarem sem estarem coladas uma à outra?

Eu não posso.

Mas se pudesse, ia trabalhar de carro todos os dias!

Comentar post






Arquivo