Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Ver ou não ver, eis a questão

por jonasnuts, em 23.09.08

Este post resulta do Naruto e dos Sigur Rós, e do debate que se gerou nos comentários.

 

O que é que se deixa os putos verem na televisão? Confesso que sou conservadora neste tema. Não gosto de jantar com a banda sonora dos assaltos, e das misérias, e das guerras e das fomes e da pedofilia. Sobretudo não quero que essa seja a banda sonora do jantar do meu filho.

 

Consigo evitar que ele, mais tarde ou mais cedo, saiba das coisas? Não. Mais tarde ou mais cedo ele vai saber. Mas porque é que tem de ser mais cedo? Não estou a tentar tapar o sol com a peneira, acho é que, para alguns temas (principalmente da forma como nos são mostrados pelas nossas televisões), mais tarde é melhor.

 

 

Sei que nem toda a gente pensa assim, mas quando há uns meses, no auge do caso da Maddie, escuto na escola do meu filho uma conversa (que não era para os meus ouvidos), entre duas coleguinhas de sala do meu filho, e dizia uma delas para a outra "ah, esta noite tive um pesadelo terrível que depois até acabou bem. Sonhei com esta história horrível da Maddie, mas depois eu abria a porta de minha casa e encontrava-a".

 

Que raio (pensei eu, mas por outras palavras). O que é tu sabes da Maddie? pergunto-lhe. Sei o que vejo nos telejornais à hora de jantar. Quais telejornais? Os da TVI. Pronto, está explicado (embora no caso da Maddie todas se tenham portado pessimamente).

 

Acho que o meu filho não sabe quem é a Maddie. Espero que não saiba. Pelo menos para já.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Mario Andrade a 23.09.2008 às 11:35

Essa história da Maddie fez com que o meu sobrinho de 5 anos na altura tivesse medo de sair de casa com alguém que não fosse comigo, e mesmo comigo andava sempre de mão dada....

Já com os jornais a falarem de assaltos, mortes, acidentes, etc... não se pode ter um jantar descansado com a televisão ligada.

É nestas alturas que vem mesmo a calhar ter canais fúteis :D
Sem imagem de perfil

De Mario Andrade a 23.09.2008 às 11:36

Já agora, o Naruto é um substituto do Dragon Ball.

Acredito que vai ter o mesmo destino que o Dragon Ball vai é demorar mais um cadinho
Imagem de perfil

De pedrocs a 23.09.2008 às 12:29

Notícias na TV portuguesa, nem eu vejo!

Aliás, ninguém devia ver essa bosta fumegante que são os "nossos" telejornais.
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 23.09.2008 às 18:59

não convinha o miúdo saber (pela mãe) a lição a tirar da historia da maddie? não deveria ele saber que não deve dar confiança a estranhos e etc? que melhor pretexto que este (real) para que ele entenda como uma coisa simples se pode tornar muito grave?
excluindo os telejornais e programas de conteúdo sexual afinal o que pode ver o puto? novelas? tardes da julia?
mas lá está, o que sei eu...
Imagem de perfil

De jonasnuts a 23.09.2008 às 21:03

Não preciso de usar a Maddie para explicar essas questões ao meu filho que está, contextualizadamente, informado e formado acerca desses temas.
O puto vê Braniac, vê filmes de DVDs, vê National Geographic, vê myth busters, vê desenhos animados.

Não vê wrestling, nem morangos, nem novelas, nem telediscos, nem televisão livremente, a não ser que esteja um adulto ao lado.
Sem imagem de perfil

De Pela vida dentro a 27.09.2008 às 15:21

Logo nas primeiras linhas do post, ocorre-me dizer: desliga a televisão ao jantar, aqui em casa é uma regra que temos, pois senão ninguém conversa :-)
Em relação ao verdadeiro assunto do post: não tenho filhos, mas consigo imaginar o dilema, já que para o menino entender o que se passou ou poderá ter passado com a Maddie, tem de tomar conhecimento da violência que o ser humano é capaz.
Quando era miúda, lembro-me bem da minha mãe proibir falar com estranhos e eu realmente tinha medo. Mas o facto é que não sabia bem de quê que tinha medo: era do "homem mau". E "homem mau" para mim, era no máximo aquele homem misterioso de que todos tinhamos medo no Tom Sawyer!!

Comentar post






Arquivo