Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jonasnuts

Jonasnuts

Resposta ao Bitaites

Jonasnuts, 09.10.09

Isto era um comentário a este post que, quando dei por ele, já era quase maior que o post, pelo que deixou de ser comentário, e passei-o para aqui:

 

Epá.....mas as mulheres não conduzem pior, de facto, quem conduz muito pior são as galinhas anémonas. Qualquer pessoa que conduza regularmente sabe disso.

O problema Marco é que estás a confundir as mulheres com as galinhas anémonas. As mulheres conduzem bem, não precisam de companhia para ir à casa de banho, não passam, sistematicamente, horas nas compras (sem comprar nada), não são viciadas em revistas cor de rosa, nem suspiram por encontrar um gajo que as sustente para que possam deixar o emprego. Essas são as galinhas anémonas. As mulheres têm namorados, maridos ou gajos, as galinhas anémonas têm esposos. Percebes a diferença?

Tenho a certeza de que, se pensares bem em alguns gajos, também não te identificas com eles. Nós somos é mais honestas, e assumimos que, dentro do género, há muitas nuances. O facto de eu partilhar (salvo seja) uma vagina com um enorme grupo de pessoas (e isto remete também para um dos teus posts anteriores), não é significativo.

 

Tenho a certeza de que não te identificas com vários tipos de homens, uma vez que a única coisa que têm em comum é a pila (cada um com a sua, espera-se). Não acredito que haja cumplicidade pelo simples facto de todos terem um pirilau (palavra da preferência da minha mãe).

 

Então, um gajo vota PNR, é racista, xenófobo, dá porrada na mulher, não gosta de ler, conduz como um javardo e fala de forma consistente com a condução, é chico esperto e fura as bichas (salvo seja) só ouve martelos, de preferência aos berros, tem o carro todo shunado mas......porque tem um penduricalho parecido com o teu (mais coisa menos coisa são todos parecidos, não é?) há uma cumplicidade? Bonding?

 

Não me lixes.

 

Nós, mulheres (e sim, estou a incluir-me neste grupo de forma muito despudorada) somos mais inteligentes. Sabemos que não é uma anatomia em comum que determina, por omissão,  as cumplicidades. Na realidade, é o cérebro que determina a existência, ou não, desse bonding. E claro, as galinhas anémonas não têm cérebro, o que dificulta a tarefa.

 

O cérebro, e ser-se do Benfica, claro.


E poupem-me as piadinhas do cérebro versus ser-se do Benfica, que é demasiado óbvio, e eu gosto de humor inteligente.

Clix fibra

Jonasnuts, 08.10.09

Há minutos toca um dos fixos cá de casa (o que é raro, normalmente é engano, estudos de mercado, ou tentativa de vender qualquer coisa. Neste caso, era esta última).

 

 

Desta vez atendo eu:

- Estou?

- Boa noite, é de casa do Senhor Eduardo Fulano de Tal?

- É sim senhora.

- É a esposa?

- Não, não é a esposa, é a namorada.

Resposta pronta da menina do Clix:

- Quem sabe se um dia não virá a ser esposa!

 

Lindo! Gostei da presença de espírito. Era simpática, pelo que não a fiz perder tempo e disse-lhe logo:

 

- Trabalhamos ambos na PT.

 

Agradeceu muito, nem perguntou mais nada, e despedimo-nos.

 

Adorei a resposta. Mesmo que numa pequena frase tenha traduzido a pobre realidade das coisas, elas desejam muito ser esposas.

 

 

Pausa

Jonasnuts, 07.10.09

Normalmente uns dias antes de acabarem as férias, eu já penso na alegria de regressar ao trabalho. Recarreguei energias, motivei-me, tive ideias e quero pôr tudo em prática ou, pelo menos, debater com a equipa.

 

É SEMPRE assim. Já era assim antes de trabalhar nesta área de negócio.

 

Deveria dizer que sempre foi assim, até este ano. Tive 3 semanas de férias em Agosto e tinha ficado mais 3 semanas. Não tinha vontade de voltar.

 

E agora, que já cá estou há mais de 1 mês, as férias parecem longe, longe, longe. Dou por mim sem vontade de fazer as coisas do costume.

 

Se fosse rica tirava uma licença sabática. Mas seria uma sabática parcial, sabem? Daquelas em que trabalhamos mas fazemos apenas aquela parte do nosso trabalho de que gostamos, e deixamos as papeladas, as merdices e os konakris por fazer. Quero deixar de ler Blogs por obrigação, e quero concentrar-me nos poucos que leio por prazer.

 

Precisamente por perceber que preciso duma pausa, mas também por saber que não a posso ter (as merdices e os konakris não se fazem sozinhos, e na equipa, eu não impinjo konakris a ninguém), decidi juntar as coisas. Fazer uma pausa enquanto faço um konakri.

 

Não é algo que me agrade, este konakri passa por estudar uma puta duma lei, que está naquela linguagem que parece ser feita de propósito para não ser percebida pelas pessoas normais. Aliás, eu acho que o curso de direito é isso mesmo, um curso de língua estrangeira.

 

Vou-me dedicar a tentar perceber a lei porque, cheira-me, que isto é mais uma daquelas que passa de fininho e ninguém dá por ela, até que alguém decide fazê-la cumprir e depois cai o Carmo e Trindade.

 

Portanto, o meu konakri de hoje vai ser dedicado ao DL nº 7/2004, de 7 de Janeiro, mas cuja versão consolidada está vigente desde Maio de 2009 DL nº 62/2009 de 10 de Março (altera o DL nº 7/2004, de 7 de Janeiro, lei do comércio electrónico) - só a porra do título dá-me para meia hora de descodificação.

 

Sim, eu sei, não é agradável, mas para além de precisar desta tradução para trabalhar, cheira-me que, no fim, dá um post daqueles achincalhadeiros.

Caros senhores políticos de Oeiras

Jonasnuts, 04.10.09

O que não falta é comunicação sobre as vossas acções. Se forem do Team Isaltino, até recebi uma revistinha da cidade de Oeiras, com capa luxuosa, para me informar dessas e doutras demarches do senhor. Mas, para todas as forças políticas há publicidade por todos os lados.

 

Portanto, se eu quiser assistir a um comício, não falta informação acerca do onde, do quem e do como (já do porquê, nem por isso, mas não vem agora ao caso).

 

Tudo isto para informar que dispenso os cortejos de dezenas de carros ajaezados, que buzinam como se houvesse fogo, enquanto circulam por um bairro RESIDENCIAL num fim de dia de Domingo. Informo que não se trata de um bairro por onde tenham de passar para ir a qualquer lado, não, são 3 ruas, com trânsito em ambos os sentidos, todas elas becos sem saída, pelo que, a vossa operação de hoje às 19h30 foi propositada, passando diligentemente pelas 3 ruas do bairro, em alegre e ruidosa buzinadela. Já vos disse onde é que podem meter as buzinas?

 

Obrigada, mas não obrigada.

 

E já agora, apesar de saber que a legalidade das coisas não é tema valorizado no concelho, recomendo que consultem o código da estrada e vejam em que circunstâncias é que podem buzinar.

 

Aqui de cima não vi de que cor eram as bandeira, mas as buzinas eram potentes sim senhor, e não é importante saber a cor das bandeirinhas que isto serve para todos.

 

Desamparem-me a loja, caraças, que já nem em casa consigo estar descansada.

Eu vou resolver o problema de trânsito de Lisboa

Jonasnuts, 03.10.09

É a promessa de alguns candidatos à presidência da câmara da capital.

 

É mentira.

 

Nenhum presidente da câmara de Lisboa pode resolver o problema do trânsito de Lisboa.

 

Terá de falar com o presidente da Câmara de Oeiras, com o presidente da Câmara de Cascais, com o presidente da Câmara de Sintra, com o presidente da Câmara da Amadora, já perceberam onde quero chegar, certo? E depois de se porem todos de acordo, têm de ir todos juntos falar com o Governo. Mas isto de se juntarem presidentes de Câmara de "cores" diferentes já é uma impossibilidade, e ainda por cima irem falar com o Governo, que terá uma "cor" diferente da de alguns deles, enquadra-se na categoria dos mitos, neste caso, urbanos.

 

E não me venham com a treta da melhoria dos transportes públicos, e da criação de ciclovias. Em relação ao primeiro,  não pode passar só por isso. Têm de se criar parques de estacionamento nas zonas limítrofes, têm de se criar disparidade de horários, têm de se deslocalizar as empresas para fora de Lisboa, e tem de se melhorar a oferta de habitação em Lisboa. E em relação ao segundo, o maradona explicou tudo num post que já apagou e que eu tive a genialidade de preservar para a posteridade.

 

Não é criar mais entradas em Lisboa, é criar condições para que as pessoas não tenham de ir morar para fora de Lisboa. Casas más, velhas, caras, com a única vantagem de serem em Lisboa, e com o velho a ser classificado de pitoresco em forma de argumento de vendas. Ah, eu moro num bairro típico de Lisboa. Ya, e das duas uma, ou és rico e basicamente reconstruíste a casa para ela não cair com um vendaval e de caminho fizeste a mesma coisa às do lado, pelo sim pelo não, ou és um teso, e está tudo pintadinho e bonito, mas leva com uma rajada de vento mais forte e esburaca-se, e a instalação eléctrica é do tempo da maria cachucha, e as canalizações ainda são no bom velho chumbo, que é para trabalhar para a saúde. Em alternativa, pode-se sempre ir morar para uma casa construída de raiz há relativamente pouco tempo, em Lisboa, mas nesse caso, siga este link e boa sorte.

 

Não é aumentar o parque da carris, é pôr o actual parque a cumprir a porra do horário e, de preferência, alargá-lo, e a ir a sítios onde não vai.

 

É tornar a coisa viável e razoável.. Enquanto nas minhas contas do final do mês, sair ela por ela levar o carro ou não levar, eu vou levá-lo. É mais rápido, é mais confortável, é mais simples.

 

Se eu for buscar o meu filho de transportes, demoro, no mínimo, uma hora a chegar onde ele está. Mais outro tanto até chegar a casa.

 

Se fizer a mesma coisa, de carro, demoro, à mesma hora, 40 minutos.

 

Portanto.....qualquer candidato que tenha como promessa de campanha, resolver o trânsito de Lisboa, mente.

Caros senhores da Emel

Jonasnuts, 03.10.09

Adoro o vosso novo slogan "Há 15 anos que a EMEL trabalha para que ninguém estacione a sua vida” (é irónico, percebem?), mas permitam-me um pequeno esclarecimento.

 

Quem me estaciona a vida não são os condutores que não pagam o papelucho. Esses estão estacionados em lugares que não chateiam. Apenas o estão a fazer à borla, e isso não me estaciona a vida. Pode estacionar a vossa, mas não estaciona a minha.

 

Quem me estaciona a vida são os cabrões que estacionam na faixa de rodagem, transformando vias de duas faixas em vias de faixa única.

 

E eu, que por acaso frequento ali a zona da Fontes Pereira de Melo, fartei-me de ter multas por não pagar a merda do papelucho, mas não vos vejo com o mesmo empenho a multar os carros que estão estacionados atrás da PT, na praça José Fontana, que fodem (não há mesmo outra palavra e eu não gosto de asteriscos) o trânsito todo.

 

Portanto, não me venham com tretas. Vocês não andam atrás de quem estaciona mal. Vocês andam atrás de quem não paga o papelucho.

 

E se me disserem ah, mas isso não é da nossa competência, isso é da competência da polícia de trânsito (ou psp, ou polícia municipal, ou outros quaisquer), então mudem de slogan, que isso é publicidade enganosa.

 

Bem sei que se trata duma campanha para ver se limpam a vossa imagem, mas a imagem não se branqueia com campanhas, branqueia-se com seriedade e competência (e simpatia, já agora) no serviço que prestam. O vosso serviço é o de venda de papeluchos, não é o de melhorar o estacionamento em Lisboa.

 

Ah, e os vossos papeluchos são obscenamente caros.

Ir à praça

Jonasnuts, 03.10.09

Bem sei que falei aqui da praça há pouco tempo, mas não resisto.

 

Saí de casa de manhã, com sítio e hora para estar às 9h15. Lá deixei a encomenda e fui para a praça.

 

Continuam a chamar-me menina. Arranjam-me a carne como eu quero, dizem-me "esse alho francês não, que não é muito tenro, mas a minha colega ali do lado tem um muito bom, vá lá", "feijão encarnado não, que isto é tudo feijão novo, e do encarnado só tinha do velho. O encarnado é o último a sair, não podia pôr aqui feijão encarnado velho, misturado com o feijão novo.".

 

E flores, frescas, à minha escolha, sem ser daqueles arranjos horrorosos dos supermercados. E baratas. E senhoras simpáticas. Leve antes estas que são mais baratas e duram mais.

 

A D. Rosa, com quem desabafei.....isto é tão melhor que ir ao Continente disse-me, mas olhe menina, que isto não dura muito. 90% das nossas clientes são velhinhas. Pessoas da sua geração é raro ver por aqui, só mesmo as que vinham de pequeninas, com as mães. Hoje em dia não há tempo para ir à praça. E as pessoas julgam que poupam, mas não poupam. Pelo mesmo preço, aqui, têm mais qualidade.

 

Enfim, deu-me uma de dona de casa e comprei coisas para a sopa, e comprei peixe fresco, e ovas (eles odeiam, e ainda não sabem que vão ter de levar com as ovas, que eu adoro), e comprei polvo, e galinha daquela com ovos lá dentro, para fazer canja (é a troca com as ovas, que eu odeio canja e eles adoram), e marmelos para fazer marmelada e ver se é este ano que a porra da geleia sai bem que no ano passado ficou horrível, e tomate xuxa para ver se consigo chegar aos calcanhares do doce de tomate da minha avó.

 

E comprei as minhas flores favoritas. E não, contra todas as expectativas, eu, que adoro dormir, não preferia ter passado a manhã na cama.

 


A câmara do Nokia E71 é uma cagada, é verdade.

Anne Frank

Jonasnuts, 03.10.09

Ora aí está um livro que toda a gente devia ler. O Diário de Anne Frank. Devia fazer parte do plano nacional de leitura. Devia ser obrigatório. Fosse em Língua Portuguesa fosse em História. Os miúdos deviam passar pela história. Para que ninguém se possa esquecer. A memória é importante, e os livros são uma parte importante da memória.

 

A 22 de Julho de 1941 as pessoas que viviam na casa ao lado da de Anne Frank casavam-se, e, coisa rara para a altura, filmaram a saída de casa. Anne Frank estava à janela, para ver a coisa, e foi filmada. É o único registo deste tipo que existe, de Anne Frank. Não seria nada de especial, não fosse o resto da História.

 

 

 

 

Para comprar o livro, é aqui.