Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jonasnuts

Jonasnuts

Antologia VI de VI

Jonasnuts, 22.11.22

316349156_174405208600756_5366021723897328991_n.jpg

Desde o meu último post (auto-link) até agora, passaram quase dois meses. Passaram também por estes olhinhos que a terra há-de comer (não, que eu quero ser cremada), seis espetáculos de Jorge Palma.

Não há fome que não dê em fartura :-)

Ai, que foram concertos a mais. Não, não foram, pelo contrário. Eu cá por mim, ficava muito satisfeitinha da vida se pudesse repetir a dose com regularidade e frequência. Pronto, uma vez por mês, para o senhor não se cansar. Uma vez por mês e reuníamos todos, algures, para ouvir músicas. A descendência podia aparecer de vez em quando. O gang também podia fazer uma perninha aqui e acolá. E o senhor do acordeão também.

Os concertos não foram todos iguais. Não em termos de repertório, claro, isso já se sabia. Mas em termos de energia.

Tiveram mais ou menos todos a mesma duração (duas horas, mais coisa, menos coisa), excepto o segundo (primeiro do Tivoli), em que o rapaz (já não é rapaz, mas senhor, que usei ali em cima, não me soa bem, e homem não é simpático), em que o rapaz, dizia eu, estava aflito da voz, meio engripado, e deu por encerradas as hostilidades um bocadinho mais cedo. 

Gostei muito de todos, por motivos diferentes. Se tivesse de escolher só um, era o primeiro, claro. Mas isto sou eu, que acho sexy um gajo sozinho com um piano (ou com uma guitarra, mas este é bom é no piano). 

Consegui confirmar que a minha pontaria para músicas favorita continua apurada. São músicas que os gajos fazem, metem num disco, tocam nos primeiros concertos e depois esquecem-se de que existe e nunca mais lhe tocam. Está longe de ser a primeira vez. Tive esperança de ouvir o Negativo ao vivo, mas não aconteceu.

Repetia tudo, claro. Mas há higlights. O primeiro concerto. Os 3 Palmas, num "Eu estou bem" extraordinário. A relação do pai com o mais velho e vice-versa. O Gabriel do acordeão, que não conhecia e de quem fui atrás (artisticamente falando, claro). E o Capitólio, onde não entrava desde os anos 80, quando lá ia andar de patins e aquilo era o Roller, num concerto mais rock, mais alto, muito divertido e emocional, e em que me apercebi da sobriedade subtil e sexy do Alex, um baixo, o instrumento que habitualmente não oiço, mas que ouvi bem, neste concerto.

Foi tudo muito bom.

Já estou a ressacar de Jorge Palma.

Quando é o próximo?

Screenshot 2022-11-22 at 15.24.36.png

A foto de cima é da conta oficial de Jorge Palma, no Instagram.

A de baixo é da Rita Carmo, vi no Expresso.

 

Apareço em ambas :-) 

Antologia

Jonasnuts, 27.09.22

307950161_417542547198041_3201577154358663371_n.jpeg

Ao contrário do que seria de esperar, não vem de muito longe, a minha relação com Jorge Palma.

 

Porque não era bem de intervenção, e por isso não me chegou por via dos meus pais, e não era delicodoce como o Trovante, e por isso não chegou por via individual. E porque eu não percebia. E porque não fui atrás. E porque, quando comecei a poder gostar, não queria ser desiludida num dos "famosos" concertos. 

Mas era inevitável, não é? Aí há uns 15 anos, talvez um bocadinho mais, não sei como, um link, talvez, ouvi a canção Negativo e foi instantâneo. 

 

Procedi como habitualmente, nas minhas obsessões, comprei tudo duma assentada. E passei muito tempo a descobrir tudo. A conhecer tudo. A saborear tudo. Sem aquela coisa do tempo de espera, que me colide com o sistema nervoso. Absorvi Jorge Palma. Por um lado, tive pena que não tivesse clicado mais cedo, por outro, adorei a quase overdose.

Espetáculos ao vivo eram uma dificuldade. Era um querer e não querer. Nunca quis, nem mesmo quando tinha bilhetes à borla (auto-link). Miúfa de sair desiludida.

Até que em 2018, juntou-se a fome à vontade de comer, o útil ao agradável, o sol na eira e a chuva no nabal, e a Asbihp, uma associação que me é cara, crava ao Jorge Palma um concerto solidário, para ajudar a financiar o campo de férias desse ano. Tinha de ser, não é?

Foi. Muito a medo, mas foi. E foi maravilhoso. Um concerto curtinho, com umas condições de som que não eram as ideais, mas muito, muito bom.

Por motivos vários, não consegui voltar a ver Jorge Palma ao vivo (sendo um dos motivos a antecedência com que comprei bilhete para o CCB em novembro de 2021, que, no dia, me esqueci de ir - só me lembrei no dia seguinte, grande cachola). Até ao domingo passado.

Em julho foi anunciada a Antologia. Anunciaram, mas não puseram logo os bilhetes à venda. A ticketline há-de ter tido uns KPIs jeitosos, nesse mês, à conta dos meus refresh. Se não fui a primeira a comprar bilhete, terei sido a segunda. E não fui de modas. Comprei logo o passe para os concertos todos. E marquei-os na minha agenda, para não correr riscos.

 

Foi no domingo. No Palácio Baldaya, em Benfica. Foi o espetáculo inicial. Diz o programa que, ao contrários dos restantes concertos (que incidirão sobre 3 álbuns), este era sobre o "Só". Só sobre o "Só".

 

E eu estava à espera de ouvir o "Só", eventualmente mais uma ou outra nos encores (já que o homem não canta a mesma música duas vezes no mesmo dia). Ora....... o "Só" tem 15 músicas. Não chega a 1 hora de álbum. E era para isso que eu estava preparada. Assim como assim, não vai para novo, a coisa dava-se ao ar livre e não estava calor. Digamos que fui surpreendida.

 

Sim, houve "Só", mas não só. Houve também "Luís" Beethoven, e Leonard Cohen, e Léo Ferré, e coisas que escreveu para outros (Carlos do Carmo, numa canção de vida e devida), e coisas que outros escreveram para ele (Carlos Tê, valsa de um homem carente), e coisas menos conhecidas, que escreveu para o teatro, e histórias que foi contando, apesar da óbvia timidez e dos assumidos nervos (como é que alguém que celebra e assinala 50 anos de carreira, ainda tem espaço para nervos. É admirável e terno). Houve quase duas horas de concerto. Sem nunca cansar. Sem nunca me ocorrer pegar no telefone. A plateia ajudou, era família que ali estava, e percebia-se bem. Espero que ele também tenha percebido.

 

Não tendo sido um concerto sem erros, foi um concerto perfeito.

Um homem e um piano. Não há muitas coisas mais sexy do que isto.

 

7 de outubro, lá estarei.

 

Find Wally:

308752352_417540970531532_7588574082102113792_n.jpeg

 

Fotos do Facebook da Junta de Freguesia de Benfica

25 anos de Terràvista

Jonasnuts, 23.03.22

terravista.gif

Faz hoje 25 anos, estava com uma direta, mas o Terràvista tinha sido lançado.

 

Há 25 anos, "5MB de língua portuguesa, grátis, na net"  era o slogan do que foi, para muita gente, o primeiro contacto com a possibilidade de publicar conteúdo próprio, online. 

 

As Homepages foram o primeiro serviço de user generated content em domínio pessoal (ou personalizado, vá). Éramos uma cópia do Geocities, mas com uns pós, os Estaleiros, espalhados pelo país, onde havia equipamento, acesso à internet e know how para ensinar quem quisesse a fazer uma página pessoal e a colocá-la online.

O Terràvista foi o meu primeiro desafio profissional nesta área (meu deus..... um quarto de século, sou jurássica), e permitiu-me aprender muito, fazendo, como gosto, com as mãos na massa.

 

Ainda longe da massificação e das redes sociais, o Terràvista permitiu-me, sobretudo, aprender, errando, sem que ninguém apontasse de imediato o dedo. Fiquei a saber umas coisas de gestão de produto, criação e gestão de serviços, comunidades, customer care, e fiquei, sobretudo, convicta de que tinha finalmente encontrado a minha vocação. Não me enganei.

Foi com o Terràvista que aprendi que o customer care é uma poderosa ferramenta de marketing, de comunicação e de customer delight (que na altura não se chamava assim).

 

Já tive mais filhos profissionais, depois do Terràvista, claro, com os quais também aprendi muito e dos quais tenho algumas saudades (dos meus meninos, claro), mas, por ter sido o primeiro, para mim e para  muita gente o Terràvista terá sempre um espaço especial na minha memória.

 

Foi um projeto que contribuiu de forma decisiva para moldar a minha carreira nesta indústria, e foi o meu primeiro movimento para fora da minha zona de conforto. 

 

Estamos muito longe do tempo em que eram poucas as pessoas com internet, e longe das dificuldades e obstáculos à produção de conteúdos, já não é preciso fazer-se um cursinho de html ou usar o FrontPage, há centenas de serviços que automatizam e simplificam todos os processos técnicos e tecnológicos que estão por trás do que fazemos online, e tem sido um prazer e um privilégio assistir de perto, muitas vezes de dentro, a esta evolução.

 

Há 25 anos eu não sabia o que ia acontecer. Só sabia que ia ser muito bom. Não me enganei.

Quatro de Uma

Jonasnuts, 04.03.22

Há 4 anos trouxe-a comigo. Sem saber que estava a trazer a cadela perfeita. Minha companheira de passeios matinais diários, minha comedora de cocós alheios, os olhos mais doces do mundo, o ladrar de guarda mais sonoro, os mais energéticos banhos de relva, o revirar de olhos mais expressivo, à visão de mais um gato.

Não sei que idade tem, nem quando nasceu, mas celebro a 4 de março, o dia em que veio comigo. Devia ter vindo mais cedo. Devíamos ter vindo mais cedo.

 

Há 4 anos, éramos assim. Estamos ambas cada vez melhor :)

Uma.jpg