Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jonasnuts

Jonasnuts

Balanços - mas para a frente

Jonasnuts, 31.12.09

Esta é a altura do ano em que toda a gente desata a escrever balanços e tops sobre o ano que hoje termina, e a desejar bom ano novo. Não é a minha onda. Balanço-me, mas para a frente.

 

Há bocado, pela janela da minha cozinha, olhei por acaso e tinha-se formado um arco-íris completo, de uma ponta à outra. Daqueles, em que dá para ver mesmo as cores, e contá-las para ter a certeza de que são 7. Eram.

 

2010 vai ser um grande ano.

Filmes pipoca

Jonasnuts, 30.12.09

Já aqui disse muitas vezes que sou picuinhas quando vou ao cinema (não tenho pachorra para ir à procura dos links, mas são bastantes). Pronto, eu reconheço, sou não me toques que me desafinas.

 

Gosto de silêncio, quando vejo um filme. Não gosto de ouvir o bichanar persistente, ou o barulho dos celofanes das embalagens.

 

Seja por causa da idade seja por causa de ir a muitos filmes com crianças, os meus padrões têm descido, vertiginosamente. A sério, quem me viu e quem me vê.

 

Mas porra, para a gaja com aspecto de tia, que viu o Avatar hoje (portanto, ontem, a sessão das 20h50), no Oeiras Parque, na fila D, bem podia pôr as maneiras a condizer com a vestimenta exterior e, ao menos (já só peço isso).....

 

....comer a merda das pipocas com a boca fechada, não?

Saldos

Jonasnuts, 29.12.09

Afinal o meu dia das trocas não foi a 26, foi ontem.

 

Uma passagem pela Loja do Gato Preto em que o pedido do livro de reclamações desbloqueou uma situação que parecia incontornável 2 minutos antes e mais tarde o Corte Inglês.

 

Pequena pausa para explicação. Eu não sou dos saldos. Eu não sei as datas dos saldos, eu não ligo nenhuma aos saldos. Se passo por eles e são interessantes, óptimo, mas não ando com a data marcada na agenda, e não estou à porta dos centros comerciais à espera que a coisa se inicie.

 

Mas parece que sou só eu. Fui ontem, ao engano, claro, ao Corte Inglês trocar um presente do puto que estava estragado e nunca tinha visto aquilo tão cheio. Mas é que estava cheio mesmo. Claro, no regresso às aulas, o piso do material escolar está à pinha, mas no resto dos pisos anda-se bem. No Natal, o piso dos brinquedos está atascado, mas de resto, está-se à vontade.

 

Ontem, não havia um espacinho desocupado.

 

Caraças, esta gente não trabalha?

Perpetuar as tradições

Jonasnuts, 28.12.09

Há poucas coisas que quero deixar ao meu filho. Ele é inteligente e esperto, e as coisas materiais há-de consegui-las por ele (se estiver à minha espera está lixado), mas há algumas directivas existenciais que qualquer pai ou mãe têm de saber passar à descendência.

 

A minha lista é curta, e parte dela já está cumprida. O puto é benfiquista, ferrenho, e há-de sê-lo sempre.

 

Outra das coisas também está a ter uma implantação de sucesso. Mas há que reforçar a ideia, de tempos a tempos.

 

Assim, o programa para a próxima hora e tal, num momento de bonding materno-filial, é este:

 

E depois do Natal

Jonasnuts, 26.12.09

Não, não estamos ainda nas preparações para o dia 31.

 

Quero dedicar este post a esse dia, tão importante, e que ninguém louva, ninguém refere, todos esquecem.

 

Uma data importante, entre 25 e 31 de Dezembro.

 

Esta é a minha homenagem a esse grande dia, o 26 de Dezembro, também conhecido por dia da troca.

 

Se acham que as lojas estão atascadas a 24, experimentem a 26. Saiam do Corte Inglês (secção roupa e secção brinquedos) e da loja do Gato Preto.

 

Muito agradecida.

As tradições de Natal

Jonasnuts, 23.12.09

Todas as famílias que eu conheço têm tradições próprias de Natal. Seja na cozinha à volta dos tachos, a preparar os doces, seja nas técnicas de acender a lareira, seja na montagem do presépio/árvore de Natal, nesta época, as famílias tendem a criar tradições dentro da tradição.

 

As tradições precisam de ser repetidas, para que se tornem dignas do nome Tradição. Quando duas famílias se juntam, é preciso que se faça um merge das tradições. Numa família em que um dos membros é especialmente esquisito no que toca à comida, é preciso cuidado, e tentativa e erro, nós por cá até já tivemos a lasagna de Natal. Quando se junta uma família que come cabrito com uma que come bacalhau, está o caldo entornado. Pior ainda quando se junta à festa mais um braço da família que elege o marisco.

 

Este ano, parece que não ia haver cabrito. Temos pena, mas apesar de ser quase a única a comer cabrito, não prescindo. Comprei meio cabrito e está ali na vinha de alhos. Por falar nisso, acho que tenho de lá meter umas folhitas de louro. Na volta ainda telefono à minha mãe.

 

Seja como for, estava aqui a tentar lembrar-me das minhas tradições de Natal, aquelas que quero transmitir ao meu filho, e uma coisa são as que se transmitem verbalmente, outra coisa são as que se transmitem pelos actos.

 

Assim, histórias de tradições familiares não lhe tenho contado muitas, mas nos actos, aí sim, as tradições de Natal passam de geração em geração, reforçadas.

 

Na minha família, para que o Natal seja Natal, a árvore monta-se aí dia 22 ou 23, e não há Natal de jeito se a 24 não for preciso comprar presentes. Oeiras Parque, amanhã de manhã. Lá estarei, eu e o meu filho.

 

Sim, porque as tradições são para manter.

(E para que a tradição seja mesmo, mesmo, mesmo apurada, a árvore desmonta-se lá pela Páscoa)

Pág. 1/4