Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jonasnuts

Jonasnuts

Há 40 anos

Jonasnuts, 29.10.09

Como anda tudo a celebrar o nascimento da Internet há precisamente 40 anos (embora haja mais datas de celebração, como manda a tradição de qualquer bom projecto tecnológico), e anda tudo a copiar descaradamente o mesmo artigo, eu abstenho-me de traduções, e linko para os conteúdos originais.

 

Pela parte que me toca, há precisamente 40 anos, eu tinha mais em que pensar, sem saber que havia alguém, naquele momento, a viabilizar o meu futuro profissional.

 

Com a minha avó Zita, em Dezembro de 1969, no cinema Roma.

 

Cara Internet, parabéns, e bem-vinda aos 40. É uma idade do caraças :)

 

Antigamente é que era bom

Jonasnuts, 28.10.09

Ainda por causa do meu post sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

 

Há um argumento que é usado amiúde neste e noutros contextos, em que dizem, ah, mas na Grécia Antiga não sei o quê, ou ah, mas já no tempo dos nossos avós não sei que mais.

 

E eu, respeitadora das culturas populares, do empirismo, da sabedoria dos mais velhos, penso que isso é tudo muito bonito e há, certamente, muitas coisas que devem ser respeitadas, mas também há outra coisa chamada evolução.

 

O que os senhores na Grécia Antiga faziam ou deixavam de fazer é muito importante, do ponto de vista histórico, e do ponto de vista da evolução da Humanidade e do pensamento e deve ser considerado nessa perspectiva. Porque há 2.500 anos, os mesmo senhores não tinham casa-de-banho, e eu não vejo ninguém a mandar tirar a retrete de casa, só porque na Grécia antiga não havia autoclismos.

 

Eu, pessoalmente, gosto de pensar que, desde o tempo do Sócrates (ou outro, não é esse) e do Aristóteles, nós já aprendemos mais qualquer coisinha, enfim, que já evoluímos.

 

Em alguns casos, parece que não, que há gente que continua a pensar como há 2500 anos. E, se pensar dessa forma era muito à frente naquela época, pensar da mesma forma 2.500 anos depois, enfim, já não é à frente, é atrás. E atrás é precisamente o que estes senhores não gostam.

Legislação particular para casamento entre pessoas do mesmo sexo

Jonasnuts, 28.10.09

Há quem defenda que não deve existir o direito ao casamento para pessoas do mesmo sexo. Casamento é entre pessoas de sexo diferente. Se duas pessoas do mesmo sexo querem casar, que se invente um novo modelo, que não se lhe chame casamento, que se chame outra coisa qualquer. Já ouvi até dizer que a lei não discrimina, apenas impõe limites (duh? discriminar é isso mesmo, impor limites).

 

Seja como for, para essas pessoas, se por acaso aqui vierem, e porque às vezes uma uma imagem vale mais do que mil palavras, na minha opinião a vossa proposta é esta:

 


 

 

Halloween

Jonasnuts, 27.10.09

O halloween é uma tradição americana, levada pelos Irlandeses mas com origens celtas (há quem defenda outras), e tem-se transformado ao longo dos anos.

 

Não é, definitivamente, uma tradição portuguesa. O nosso equivalente será o Pão por Deus, que é comum fora de Lisboa, mas de que nunca ouvi falar até ter vivido na província.

 

Ora....Halloween tem muito mais glamour que pão por Deus. Há as abóboras, há os monstros, as coisas nojentas, os doces, as máscaras....é todo um imaginário infantil habitualmente associado ao carnaval, em repetição. Para quem, como eu, detesta o carnaval, a hipótese de repetição é um suplício.

 

Tenho resistido, ao longo dos anos, às várias investidas da miudagem, e sou categórica. Máscaras é no carnaval, e não vai ninguém pedir doces à casa de ninguém que isso é perigoso e o vizinho do 9º é uma besta.

 

Até que este ano, fruto de várias convergências extra-familiares, mas familiares, a festa de anos de um dos putos, calha a ser no dia 31. E o que é que ele escolheu fazer? Uma festa de Halloween, pois claro. Pronto....nada a fazer, tenho mesmo de entrar no espírito e organizar a coisa.

 

Alguém sabe onde é que se encontram ferramentas para esculpir abóboras à maneira? Nos Estados Unidos há disso ao pontapé, mas já não vou a tempo de encomendar isso da Amazon.

 

Mais dicas Halloweenescas são bem-vindas.

Pág. 1/7