Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jonasnuts

Jonasnuts

A proposta paintball

Jonasnuts, 04.11.07
Eu defendo esta proposta há algum tempo, mas acho que ainda não consegui convencer ninguém.

O que mais me custa é o facto de cada vez mais ser confrontada com a utilidade desta minha proposta. Hoje foi mais uma dessas ocasiões.

A5, sentido Cascais - Lisboa, 13h40, mais coisa menos coisa. Acidente na subida para Linda-a-velha. Tudo parado. Lá vamos nós, na faixa da direita. Havia um senhor a pé (sim, a pé na auto-estrada), que nos ultrapassou calmamente. Íamos devagar, portanto.

Um bocadinho antes de chegarmos à zona do acidente, encontramos à nossa direita a via que vem não sei de onde, com a respectiva faixa de aceleração, para que os carros possam entrar na A5.

Então o que é que alguns "automobilistas" decidem fazer? Engatar a marcha atrás, e ir, em marcha atrás pela via de onde deveriam apenas sair carros. E reparem, não foi um ou dois, enquanto pude ver, foi uma bela meia dúzia.

Um dos caramelos, que por acaso era uma caramela, num Smart com uma cadeira de criança esborrachada no porta bagagens, fez isso mesmo à nossa frente. Apitadela, olha para nós, faz um ar de "não se metam onde não são chamados" e tunga, lá vai ela, em marcha atrás, metendo pela via de onde poderia surgir um carro a uma velocidade razoável (uma vez que se prepararia para entrar numa auto-estrada).

Ela não ia muito depressa, e fez a manobra mesmo nas nossas barbas. A espingarda de paintball teria dado TANTO jeito.

Quer dizer, se os senhores "automobilistas" quiserem pegar nos seus carrinhos, colocarem-se em fila à beira de um penhasco e avançar, não tenho nada contra. Estão no seu direito, e não magoam terceiros.

Sempre que vejo uma calinada destas penso a mesma coisa. Há bestas em quem eu tenho de confiar todos os dias a minha vida e a do meu filho e, se os conhecesse, não lhes confiaria sequer, a minha roupa suja.

Ter uma espingarda de paintball e disparar contra o carro duma caramela destas é crime? E, se for crime, qual é a pena? Valerá a pena?

O impacto da comunicação social no quotidiano lisboeta

Jonasnuts, 29.10.07
Não sei se será assim nas outras cidades, mas em Lisboa é o que constato.

Com o advento (adoro esta palavra) dos jornalinhos grátis, já não chegava os distribuidores (sempre gente muito bem apessoada) colocarem-se nos pontos estratégicos de entrada e saída de transportes públicos. Não. Eles querem ir mais longe, quer chegar à classe A, AB e C, e por isso, colocam-se estrategicamente nos semáforos. E toca de distribuir os jornalinhos pelos carros que estão parados.

Acho muito bem, não teria nada contra, não fosse o facto dos carros ficarem, muitas vezes, à espera que chegue o ardina improvisado. E ficam parados mesmo que já possam andar. Tendo em conta que há sítios onde há ardinas de 3 jornais diferentes, e que os carrinhos ficam à espera que lhes chegue aquela preciosa (e nada redundante) fonte de informação, o impacto é grande. No trânsito, no meu estado de espírito, e na minha buzina.

Toscos.

O trânsito de Lisboa

Jonasnuts, 26.10.07
O trânsito de Lisboa é, habitualmente caótico, especialmente em horas de ponta, mas não é obrigatório. Já apanhei bichas (eu cá não sou de eufemismos), bichas (e repito) a horas perfeitamente insuspeitas, e já apanhei abertas em horas de ponta. Mas é cada vez mais raro.

Presumo que todos estão de acordo acerca do factor stress que o trânsito de Lisboa provoca nos cidadãos que são obrigados, todos os dias, a fazer a sua vidinha de sai de casa, põe criança na escola, vai para o trabalho, vai buscar o puto à escola e vai para casa.

Não sei das outras pessoas, mas eu tenho horários. Mais importante, o meu puto tem horários. Os horários do meu puto são mais importantes que os meus. Quero que ele seja uma pessoa pontual, e respeitadora do tempo dos outros, e dos seus compromissos. É com muito orgulho que ele me mostra o boletim de avaliação periódica a dizer "aluno assíduo e muito pontual". Eu também fico orgulhosa, porque sei o esforço que me exige, levantar-me com as galinhas, para ele estar, a horas, na escola. Odeio levantar-me cedo. Sempre odiei. Mas esforço-me por passar a mensagem certa, que nesta coisa de filhos, não há como as acções. Funcionam muito melhor do que o paleio.

Os horários do meu filho são os mais importantes do mundo.

Como é que eu explico ao meu filho que, por causa de uns senhores que não conhecemos de lado nenhum, milhares de pessoas vão chegar atrasadas aos seus trabalhos, aos seus compromissos, às suas aulas?

E depois o mesmo, ao fim do dia. Quantos pais chegaram tarde para ir buscar os seus filhos à escola? Quantos pais chegaram a casa em cima da hora de jantar, com uma enorme dose de stress, já sem paciência para os banhos, as brincadeiras, o jantar?

Porque é que aqueles senhores, em plena hora de ponta, têm auto-estradas inteiras, fechadas para poderem passar?

O que é que aqueles senhores são mais do que nós?

Não vou cair na piada fácil do filho da Putin. Porque o Putin não tem culpa nenhuma. A responsabilidade passa por quem aceitou as condições que o pessoal da segurança do Putin impôs. Ou então arranjavam uma pensão modesta em Mafra, e espetavam com o gajo por lá. Sei lá, qualquer coisa ali perto, que não obrigasse a deslocações de vários Km, à hora de ponta da manhã e à hora de ponta do fim do dia.

Deve ser qualquer coisa relacionada com a mania das grandezas, de pobrezinho mora longe. Fechaste a praça vermelha para eu poder fazer jogging para a fotografia? Ok, eu fecho várias vias de comunicação, centrais, de acesso à capital do meu país, para tu poderes ir ali a Mafra. Diz que tem uns pastelinhos muito bons.


Imagem da A5 hoje, às 9h00 da manhã, com um contingente policial a impedir a entrada de carros, no sentido Lisboa - Cascais.

Aquel gente toda que se vê de pé, para além dos polícias, são motards, desmontados, em amena cavaqueira.

Claro que o trânsito no sentido contrário atascava por causa dos palermas dos curiosos. Mas isso fica para outro post.

Hélderes

Jonasnuts, 21.10.07
Há 15 dias, na A17, a estrear a A17, por sinal.
Íamos na faixa da esquerda, a passar uma carrinha Audi. De repente, imediatamente antes de passarmos a carrinha, esta assinala pisca para a esquerda e começa, sem razão aparente, a chegar-se para a faixa onde íamos. Atalhou caminho, voltou à sua faixa, assinalando o facto com o pisca da direita.

Quando passámos por eles, olhei-os com insistência.

Como eram? - Perguntou ele.
Eram uns Hélderes - Respondi eu.
Vamos fugir desses gajos, que são um perigo - Acrescenta ele.

Fugimos.

10 Km mais tarde, os Hélderes param na berma, saem do carro, colocam o chapéu típico da farda da polícia de trânsito, e sacam-nos €300. Disponibilizam vários métodos de pagamento. Cheque, multibanco, visa.

Uns modernaços, estes evangelizadores.

Tenho pressa - Os limites de velocidade

Jonasnuts, 21.07.07
Eu tenho pressa.

Eu tenho sempre muita pressa, mesmo que não tenha pressa.

Passear num centro comercial, que é coisa que eu não faço, mas vamos lá usar um grande suponhamos (dito à futebolista), se eu fizesse os tais passeios nos centros comerciais, seria a passos largos, estugados, saiam da frente que eu quero passar.

A mesma coisa se aplica a muitas outras coisas (não todas) da minha vida. Conduzir, conduzo com pressa, mesmo que esteja adiantada. Escrevo depressa, leio depressa, falo depressa e como depressa. E gosto de pensar que penso depressa. Mesmo que não tenha pressa. Tenho, portanto, uma monumental falta de paciência.

Mas isto tudo para chegar a algo que me ocorreu hoje de manhã, quando conduzia o carro a caminho do trabalho, apressada, sem estar atrasada (não tinha ninguém à minha espera).

Se toda a gente cumprisse os limites máximos de velocidade permitidos por lei (aquela coisa dos 50 Km/hora dentro das localidades), nunca ninguém chegaria a tempo e horas a sítio nenhum, perder-se-ia um tempo infinito que se pode usar noutras coisas, e a produtividade caía a a pique.

Portanto, senhores do governo, não nos multem se andarmos mais depressa, não só porque eu tenho pressa, mas porque andar depressa é bom para a economia.

Esta história da pressa sem pressa e do stress auto-induzido ainda há-de render mais um post, quando eu tiver tempo para pensar nisto.

Trânsito inexplicável

Jonasnuts, 26.04.07
Ora bem, estamos em dia de pouco trânsito. Muitas foram as pessoas que aproveitaram o feriado para uns dias de férias.

Isso notou-se a vários níveis:
1 - À hora do almoço, havia mesas livres, na área de restauração do centro comercial onde costumo almoçar (normalmente estão todas ocupadas e anda uma série de gente de tabuleiro na mão, com ar de pacóvio, à procura de mesa).

2 - O número de pessoas a menos, na empresa, via-se bem. Bastantes lugares vazios.

3 - O número de mails que recebi na minha caixa de correio foi cerca de metade do habitual.

4 - O número de comentários aos vários Blogs em que participo foi menos de metade do habitual.

Portanto, está provado que estes dias são de pausa, são de ficar em casa, são de descanso e de férias.

Nesse caso, alguém me explica o que é que esta gente, que está toda de férias, veio fazer para a Fontes Pereira de Melo às 18h30 da tarde? Não era por causa do túnel, que estava praticamente vazio. Era uma manifestação? Era um flash mob?

Não tenho memória de tanto tempo (quase 30 minutos) para entrar no Saldanha e desembocar no Marquês.

Retomando a temática habitual deste Blog

Jonasnuts, 04.04.07
Se os veículos particulares, ao circularem nas faixas reservadas aos transportes públicos, estão a cometer uma infracção, porque é que o contrário não é verdade?

Porque é que raio os /&%(/)&%$ dos taxistas podem circular nas "nossas" faixas à vontade?

Porque, enquanto eu, utilizadora dos transportes públicos de grande porte, consigo tolerar um autocarro na "minha " faixa (só e quando há uma mudança de direcção que o justifique), já não percebo porque raio os taxistas têm livre trânsito para andarem de um lado para o outro sem justificação visível.

Solução para os problemas de trânsito

Jonasnuts, 20.01.06
Eu tenho a solução.
A sério.
Tenho a certeza absoluta de que resultaria, embora dependa de vários factores de difícil gestão.

Então aqui vai:

Constituam-se várias equipas de duas pessoas. Um condutor e um pendura (de preferência o pendura tem pontaria).

Estas equipas têm de ser constituídas por pessoas idóneas e justas (eu sou desde já voluntária).

O condutor limita-se a conduzir, tal como habitualmente, pelo percurso pré-definido, em hora de ponta, embora possa também funcionar como olheiro consultor.

 O pendura, tem uma espingarda de paintball e a janela aberta - no Inverno é mais complicado.

Tem também carta branca para atirar um splash cor-de-rosa fluorescente para qualquer carro que transgrida (quer esteja parado em 2ª fila quer a transgressão seja feito em movimento).

Os polícias apenas teriam de encontrar os carros com splash e aplicar-lhes multas no valor mínimo de €100.

Caso o carro tivesse 2 Splashs, passaria a € 200, e etc, etc, etc. O número de tiros variaria consoante a gravidade da infracção.

Numa primeira fase, seria este o plano. Numa segunda fase poderia passar a abranger peões (como alvos, não como atiradores).

Pessoas que atravessam fora das passadeiras, pessoas que atravessam nas passadeiras mas na diagonal, ou que atravessam demasiado lentamente, coisas assim.

Garanto que em 15 dias o volume de trânsito nas artérias onde fosse activado este plano, diminuiria drasticamente.

Esta coisa ocorreu-me há bastante tempo, mas a sua eficácia e exequibilidade tem vindo a ser confirmada diariamente, nas minhas viagens como pendura.

Eu sou voluntária, alguém quer lançar um abaixo assinado?

Saudade

Jonasnuts, 07.05.05
arquiparque1.jpg Todos os dias de manhã, especialmente se decido levar o carro, e se opto pela A5, sou atingida por uma saudade profunda.

Curiosamente isto acontece mais ou menos sempre à mesma hora. Por volta das nove, mais coisa menos coisa.

Habitualmente, a essa hora, estou a passar por Miraflores.

Ai! Que saudades.