Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Porque não há limites para a estupidez humana

Sempre gostei de apoio a cliente. E não digo isto ironicamente. Sempre gostei de ajudar os outros. Partilhar coisas que sei. E sempre stressei muito com o apoio a cliente dos "meus" serviços. Apesar de não ser a minha área, faço apoio a cliente com frequência, quer por mail, quer em Blogs quer por telefone. Acho que nos aproxima dos utilizadores dos nossos serviços. Percebemos melhor a dificuldade das pessoas. Ajuda-nos a melhorar.

 

Pronto, está feito o disclaimer.

 

Agora a parte sumarenta tem a ver com o grau de estupidez humana (há outra?) com que somos confrontados sempre que estamos numa posição de contacto directo com o público. Seja atrás de um balcão, do outro lado do monitor, ou na ponta do fio do telefone. É extraordinário o poder da estupidez humana. A coisa corre bem em muitos casos, mas há aquela percentagem minúscula de contactos que nos fazem perder a fé (a pouca que temos, já agora) na Humanidade.

 

Por outro lado, são também esses contactos com pessoas mais idiotas que nos fazem rir, e é desses que nos lembramos, passados uns tempos.

 

Isto tudo a propósito de um site que conheci apenas ontem, via Twitter do Bitaites.

 

Há muito tempo que não me ria tanto com um site. Mais para mais, descrevendo sobretudo casos americanos, pelo que a coisa escala (América, capaz do melhor e do pior).

 

Recomendo vivamente, e chama-se Not always right.

1 comentário

Comentar post

Pesquisar

No twitter


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D