Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jonasnuts

Os links

Tenho visto por aí, e ouvido também, que na Blogosfera nacional há hoje menos actividade linkatória do que havia há uns tempos atrás. Antigamente linkava-se mais, parece ser a opinião geral, embora as opiniões acerca das causas deste fenómeno não sejam consensuais.

O Bitaites diz algo, acerca do links, com que concordo furiosamente:

" O link é um louvor, não uma troca de banners. O link é uma vénia da blogosfera àqueles que admiramos e apreciamos."

Há o link louvor, que é feito para um post que queremos destacar (o que não significa que concordemos com o que lá está escrito).

Há o link louvor para um Blog, porque queremos dizer que gostamos da maioria do que lemos por ali.

Há o link troca de banner de publicidade. Linka-me a mim que eu linko-te a ti. Habitualmente este link banner é tácito e implícito, nunca explícito.

E há o link dos bicos dos pés. Que é um burro do shrek da linkagem, é um "olha para mim, que estou aqui".

Este último é difícil de distinguir dos outros, porque não há maneira de saber se um link está a comunicar admiração por um terceiro ou se está a gritar a sua presença a esse terceiro.

E há o não link. As pessoas que não fazem links ou, numa versão mais moderada, as pessoas que não têm Blogroll (aquela lista de Blogs que são comuns nas barras laterais).

É sobejamente conhecido (e comentado) o facto do Abrupto (http://abrupto.blogspot.com/) não fazer links, o Augusto Seabra (http://letradeforma.blogs.sapo.pt) não faz links, a Bússola (http://bussola.blogs.sapo.pt) não faz links (presumo que por diferentes motivos).
O Nuno Markl (http://havidaemmarkl.blogs.sapo.pt) linka, mas não tem Blogroll.

(e agora, linko esta gente ou nem por isso? Será que me estou a pôr em bicos dos pés?)

O único tipo de link verdadeiramente difícil de identificar é o link dos bicos dos pés. Eu, que sou alta, não preciso de me por em bicos do pés, mas anda por aí tanto blog tão baixinho, tão baixinho, tão baixinho, que são definitivamente obrigados a usar esta estratégia.
Doutra forma, ninguém dava por eles.



Gostaram da forma como linkei sem me pôr em bicos dos pés? :)

Slogans

Nestes dois últimos dias estive num projecto da PT, para a qual fui convidada na qualidade de Blogueira (e não como trabalhadora da PT), que tem como objectivo algo muito louvável. Mudar (para melhor, espera-se) a comunicação da empresa com os seus clientes (ou potenciais clientes). Pegaram então em vários grupos de pessoas, jornalistas, guionistas, professores, clientes, blogueiros, advogados, etc., e propuseram alguns desafios que consistiam em propor novos textos para algumas das comunicações (SMS, mails, cartas, voz, etc.). Tínhamos instruções para pôr tudo em causa, se achássemos que o deveríamos fazer. Foi divertido (e cansativo), e espero que o resultado destes dois dias de trabalho se reflicta, de facto, no aumento da qualidade da comunicação (mais informações aqui).

Um dos desafios passava por criar um slogan, uma frase com que nos pudéssemos despedir do cliente. Cada equipa produziu várias sugestões, umas melhores que outras. Algumas não chegaram à apresentação final e dessas, há duas, minhas, que me parece um desperdício não serem aproveitadas.

Assim, partilho-as convosco, neste meu espaço, já que me parece ser o único cujos critérios editoriais deixam passar tais propostas.

Sem mais delongas, os dois slogans recusados, que nunca verão outra luz que não a deste Blog (os mais novos não perceberão a primeira, os mais velhos não perceberão a segunda):

1 - Assim, se vê, a força da PT 

2 - Mi liga, vai.

É um desperdício, meus senhores, é o que é.

A minha t-shirt

Hoje trago vestida uma t-shirt velhinha, velhinha, velhinha, que comprei em Londres há muitos anos atrás. É azul escura, uma cor que não aprecio por aí além, está muito curta e coçada de tantas vezes a ter usado.

Apesar de não gostar muito de mensagens em t-shirts, esta tem um texto que me cativou no momento em que o li, na montra da loja, algures em Covent Garde.

Work like you don't need the money
Love like you've never been hurt
Dance like no one is watching
And fuck like you're being filmed.

Pesquisar

No twitter


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D