Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jonasnuts

Como aumentar a receita

De repente começam a surgir-me MUITAS ideias de como aumentar a receita.

 

Há muita procura para consultoria no âmbito da gestão de redes sociais (ou comunidades), e se não há, devia haver. Nessa matéria posso dizer que sou especialista, sendo uma das pessoas que, em Portugal, há mais tempo trabalha nesta área.

 

Por exemplo, e não me estou a oferecer, o primeiro-ministro está, claramente, necessitado de alguém que o aconselhe nesta matéria.

 

Quem é que, na posse de todas as suas faculdades, faz um anúncio ao país do teor do que foi feito por Pedro Passos Coelho na passada Sexta-feira, e depois vai escrever para o Facebook?

 

A sério..... quem terá sido o génio que lhe recomendou semelhante estratégia?
Terá sido o mesmo assessor que lhe recomendou um divertido fim de noite no concerto do outro, ao som da Nini, e de caminho, a deixar-se fotografar sorridente, saltitante e cantando alegremente?

 

Epá.... muito sinceramente..... se numa coisa básica como é a gestão de um perfil numa rede social a inépcia é tão grande, como é que alguém pode achar que há competências para se gerir um país?

 

 

 

 

 

Redes sociais para políticos

Leio aqui que foi criada uma rede social nacional para políticos.

 

A empresa dona desta rede social diz que "o seu principal objectivo procura promover o encontro entre políticos, políticas e cidadãos".

 

É só a mim que isto soa a imbecilidade?

 

Se os políticos têm necessidade dum espaço para se encontrarem com os cidadãos, eles que venham até ao Facebook, e ao Twitter, que é onde os cidadãos já estão. Porque raio têm de ser os cidadãos a ir até aos políticos? Venham os políticos aos cidadãos. Deixai vir a mim os políticos? :)

 

Para quê criar uma rede social específica para políticos? Funciona por fax, é?

 

Os políticos e as políticas

Quanto mais vejo o que nos rodeia, politicamente falando, mais acho que estamos a ficar cada vez mais parecidos com os Estados Unidos, e não pretendo com isto fazer um elogio.

 

Aquela política de baixaria, e da instrumentalização dos órgãos de comunicação social (nisso os americanos ao menos são mais honestos e dizem logo ao que vão), com intrigas palacianas, com manobras de diversão (e não são das que fazem rir), com puxa cordelinhos aqui e dá trela acolá, com manipulação da informação.

 

Acredito que é para a baixaria e devassa tipicamente americanas que caminhamos, politicamente, a passos largos.

 

E, se querem saber, nem me importaria muito, se tivéssemos o reverso da medalha.

 

Mas não temos. Temos o pior dos dois mundos. Os salamaleques, os exmos senhores deputados, as cortesias, os pontapés por baixo da mesa, as fofocas, os perus inchados, os momentos solenes, os discursos vazios, a demagogia.

 

Mas depois, não temos o Jon Stewart, nem o Bill Maher, nem o Colbert. Não é que falte material, como já vimos, material é mesmo o que não falta. Mas falta sermos um país maior, com mais gente e, por isso, mais livre, sem que ninguém se sentisse ameaçado porque gozou com o senhor que está agora na cadeira do poder, e que tem na mão o sim ou sopas do financiamento do próximo programa.

 

Nesse, como noutros aspectos, temos TANTO a aprender com estados unidos, país com que gozamos com aquele arzinho superior de europeu com pedigree. E eles são tão mais livres. Têm tanto mais e melhor por onde escolher....

O voto em branco

Não Sofia, não és a única que se emociona, e sai de dentro da assembleia de voto com uma dose extra de felicidade, daquela que faz comichão na garganta, e que é inexplicável.

 

Sim, Sofia, também eu não percebo quem se abstém, quem olha pela janela e diz, epá, isto está mesmo bom é para ir para a praia (ou para o campo, ou para o centro comercial, não interessa) e não vale a pena maçar-me com votos, que mais um menos um não faz a diferença.

 

Mas, numa coisa discordamos. Os brancos.

 

Os brancos não estão ao nível de quem não vai lá. Pelo contrário, estão no seu completo oposto.

 

O branco é aquele que não prescinde do direito de votar, é aquele que vai lá, exercer o seu direito. Vai, e vota em branco, é um recado, senhores políticos, não acredito que nenhum de vós tenha os requisitos mínimos para governar o meu país. Não há o mal menor. O mal menor é para decisões mais comezinhas, menos importantes. Para o meu pais, quero o melhor, o menos mau não serve.

 

Nunca falhei umas eleições. Voto, porque a minha bisavó queria votar e não podia, porque era mulher. Voto, porque a minha mãe e a minha avó queriam votar, e não podiam porque vivíamos em ditadura. Vou, e voto, sempre. Mas não voto no mal menor. Ou bem que há um gajo em que eu acredito, e eu voto com convicção, ou, se é para votar no mal menor, no "rouba mas faz", não lhes concedo o privilégio do meu endosso. E é essa a mensagem do meu voto em branco.

 

Votar no mal menor, é nivelar por baixo. E se estou preparada para fazer isso no que diz respeito a muita coisa (que remédio), não estou preparada para fazer isso no que ao Governo do meu país concerne.

 

 

Aprendam com os políticos brasileiros

Esta é uma mensagem aos senhores políticos, principalmente a alguns candidatos a presidentes de câmara e de juntas de freguesias.

 

Há uns anos valentes, no Brasil, havia um candidato chamado Adhemar de Barros, que queria ser prefeito. Não, não é erro, é mesmo assim que os brasileiros chamam ao presidente da câmara lá do sítio.

 

Ora este senhor Adhemar tinha fama de corrupto. Esperto, chamou um caramelo do marketing para lhe orientar a comunicação e convencer o povo a votar no Adhemar. Este consultor, esperto, olhou para a coisa e disse-lhe, olhe, o senhor da fama de corrupto já não se livra, pelo que mais vale assumir a coisa, e fazê-la jogar a seu favor.

 

E foi assim, que o slogan de candidatura do Adhemar de Barros, nas eleições de 1957 foi: "Adhemar rouba, mas faz".

 

Adhemar ganhou as eleições.

 

Presumo que cá, como lá, haja quem também vá ganhar as eleições, embora dispensando a honestidade do candidato brasileiro.

Proposta eleitoral

Não sei muito bem a quem endereçar esta proposta, se às televisões, se à ERC, se aos candidatos, se aos jornalistas. Olhem, entendam-se uns com os outros.

 

Os debates entre candidatos servem para que meia dúzia de comentadores políticos possam justificar os seus ordenados, e para que alguns mais esgrimam argumentos nos Blogs, mostrando a quem quiser ver que têm jeito, e que se calhar até davam bons comentadores políticos (há excepções, não ando tudo à procura de tacho ou visibilidade).

 

Creio no entanto, que a grande maioria dos eleitores decide em quem vota ou por tradição (sempre votou naquele partido), ou porque gosta mais da cara de A ou de B. Não conheço um eleitor, dos normais, que leia o programa proposto pelos partidos.

 

Posto isto, creio que os senhores (todos os que descrevi no primeiro parágrafo) deviam repensar os debates, e fazer só a coisa no modelo Gato Fedorento, mais oleado.

 

O Esmiuçar os Sufrágios vai ter mais impacto na decisão dos eleitores do que todos os outros programas/debates/frente-a-frente juntos.

 

A ordem dos candidatos não foi a mais feliz (para o programa), já que eles ainda estão à procura de um tom e de um ritmo, e que o Ricardo Araújo Pereira ainda está demasiado preocupado em encontrar o personagem ideal e ainda tem medo de sair do armário e assumir-se como gajo que até joga em igualdade (ou mesmo superioridade) de circunstâncias com as pessoas que está a entrevistar. Mas é capaz de lá chegar, já esteve melhor ontem do que anteontem.

 

Quanto às comparações com o The Daily Show with Jon Stewart, ainda é cedo. O formato é semelhante e, embora o Ricardo Araújo tenha potencial para ser o Jon Stewart português, os outros três não têm hipótese de chegar aos calcanhares do John Oliver, da Samantha Bee ou do Jason Jones.

 

Anyway....a proposta do título do post é esta.....façam mais entrevistas neste tom, e menos das outras. É uma win, win, win situation. Ganha a televisão, ganha o candidato, ganha o público e ganha a política na medida em que muita gente que não se interessaria pelo tema vê a coisa, porque é divertido.

Lá como cá, os políticos têm muito que aprender

Foto daqui.

 

 

Na Bélgica há um sururu blogosférico por causa da empregada de um bar (e blogueira) de Nova Iorque ter sido despedida, alegadamente a pedido do "prejudicado" belga.

 

O prejudicado é o Ministro da Defesa Belga, que numa tarde copos em Nova Iorque cometeu algumas inconfidências (bem como o seu séquito). Foi tudo parar ao Blog.

 

A história toda pode ser lida aqui.

Pesquisar

No twitter


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D