Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Arquivo



Esta história das veemência de opinião dos que dizem defender a família tem-me feito alguma confusão. Eu percebo que haja formas diferentes de pensar e de sentir as coisas, mas não compreendia a veemência e até o desespero com que muitas pessoas defendiam a exclusividade de direitos a uma certa casta, a deles, claro.

 

A resposta não me bateu de repente, foi uma coisa que foi crescendo, e que se passou comigo há uns anos. Eu explico.

 

Grávida de muitos meses mudei-me para a província. Fica a 40Km de Lisboa, mas é Portugal profundo na mesma. Ora, aquela malta, estava fartinha de conhecer mães solteiras (que era o meu caso). Não lhes fazia confusão nenhuma que eu estivesse grávida, sendo solteira, o que lhes fazia muita confusão, era eu não ser coitadinha. Mãe solteira sim, mãe solteira por opção já não percebiam. A minha opção tirava-lhes a oportunidade de poderem ter pena de mim, na sua superioridade moral. Não era a gravidez que lhes colidia com o sistema, era a opção.

 

Nesta história das "famílias a sério", eu acho que é isso que se passa. Foi retirada a esta gente a possibilidade de se sentirem superiormente morais, porque os outros, que antigamente eram coitadinhos, agora já não são e, heresia, até querem os mesmos direitos e deveres. Então, se querem os mesmos direitos e deveres, nós já não podemos ser superiores. Vai-se-nos o último reduto de superioridade, o moral (que o financeiro e o social já foram há muito tempo).

 

E é isto que lhes estamos a tirar, ao não sermos coitadinhos, ao não pedirmos desculpa por sermos mães solteiras, pais solteiros, com orientação sexual a, b ou c, estamos a tirar-lhes a possibilidade de se sentirem superiores, moralmente superiores. É o último bastião.

 

Daí a veemência. Coitaditos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Primeiro vi o tema referido aqui. Depois o reforço, ali.
É uma ferramenta, o Copyscape, que afirma encontrar plágios de conteúdos. Basta inserir o endereço do Blog, e o sistema encontra possíveis plágios.

Mais por curiosidade do que por outra coisa, decido introduzir o endereço do meu Blog (e de outros, já agora, para ver no que dava).

Recebo imensos resultados, todos legítimos, já que na área dos amigos dos Blogs do SAPO, são mostrados os posts precisamente dos amigos. Portanto, os meus posts são mostrados, com link, evidentemente, na página de perfil de todas as pessoas que me adicionaram como amiga, nos Blogs do SAPO. Isso não é plágio. Existe um link, e os posts estão assinados.

Mas, no meio de tanto link de falsos positivos, encontrei um link estranho.

Associação Futebol Popular de Barcelos.

Que raio está aqui a fazer isto?
Fui ver.

Aparentemente, um post meu, mais precisamente este, esteve disponível no site daquela associação.

Sem link, sem assinatura, sem nenhuma referência à fonte.

Nem sequer era um aproveitamento parcial. Era o meu post, com todas as vírgulas, todos os pontos. Até a imagem era a mesma.

Pelo sim pelo não, saquei uma imagem, just in case, e toca de enviar um mail aos senhores, a perguntar o que se passava.

Respondem alguns dias mais tarde, solicitando-me mais precisão em relação à minha questão. Sim senhor, fui mais precisa. Enviei a imagem que tinha guardado. Mais precisa que isso era impossível. No dia seguinte, de um endereço diferente, pedem-me o reenvio da imagem, e referem que "Não esquecer que estão a usar tecnologia Sapo. Conhecem bem aquilo que subscrevem. É que o grátis tem as suas manhas, vindo de serviços PT, nunca se sabe o que estamos a usar."

Estão nitidamente com o discurso errado e, acima de tudo, a fazê-lo à pessoa errada. Tiveram azar, coitados.

Logo na segunda mensagem começam a descartar qualquer responsabilidade própria, e a colocar a culpa no SAPO e na PT. É habitual, o SAPO e a PT têm costas largas, são sempre os culpados de tudo e mais alguma coisa, mesmo que não tenham qualquer responsabilidade, como é o caso.

Respondo, reenviando a imagem, como pedido, e avançando desde logo que não percebi muito bem o que é que tinham querido dizer com aquela coisa do "grátis tem as suas manhas".

Chega hoje um mail, a dizer que se trata de um "feed de rss que busca na Internet quem escreveu sobre esse assunto (neste caso "futebol mundial")."

Expliquei que sabia o que era um feed de RSS, e que estes normalmente tinham um link, e que isso não acontecia no site em causa. Fui explicando que por acaso até conhecia bem o serviço de Blogs do SAPO.

Na resposta, mal educada e arrogante, perguntam-me se sei o que é o Google RSS Reader, web reader. Ok, pérolas a porcos, já percebi.

Agradeço o tempo dispensado, afirmando que considerei as respostas extraordinariamente esclarecedoras (suspeitando na hora que não iriam compreender a ironia).

Moral da história? O SAPO e a PT têm costas largas, e se eu não percebesse nada de internet, nem de Blogs, nem de SAPO nem de PT, teria aceite a explicação que me deram, eles faziam figura de importantes, e eu de ursa, e a culpa era do SAPO.

Quando refiro que colocarei um post no meu Blog, referindo o tema, respondem, pedindo que deixe um espaço de debate. E que se calhar até podia usar o espaço deles (queriam, não queriam? ;) E para convidar rádios e TVs.

Os meninos, para além de plagiar, também sabem como é que se arranja publicidade à borla. Só é pena que não saibam fazer as coisas como deve ser.

Espaço de debate, aqui nos comentários deste post. E já gozam.

Autoria e outros dados (tags, etc)






Arquivo