Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




subscrever feeds


Arquivo



Dos gelados

por jonasnuts, em 29.03.09

Eu acho que o sabor dos gelados da nossa infância é como os cozinhados das nossas avós. Andamos sempre à procura deles, e nunca os encontramos. Gosto muito de gelados. Mas há mais ou menos 15 anos que não como um gelado que me encha as medidas.

 

 

Durante anos a fio, no passeio do costume, com o avô César, parávamos sempre no mesmo sítio, e ele me dava uma nota de 20 escudos e ficava à porta, enquanto eu entrava sozinha, numa geladaria onde eu era quase sempre a única cliente. Era uma geladaria em tons dos anos 50, um verde água meio deslavado, iluminada q.b., uns balcões em vidro, enormes, e os gelados guardados debaixo dumas tampas metálicas com umas pegas pretas. O senhor que vendia os gelados vestia um avental branco, e já me conhecia, claro. Mas atendia-me sempre com o mesmo ar profissional, o que vai desejar hoje? Como se o pedido não fosse sempre o mesmo. Boa tarde, queria um cone de dois sabores, caramelo e café. Pagava com a nota, recebia o troco (sim, havia troco) que devolvia ao meu avô, enquanto piscava os olhos que tinham saído da penumbra da geladaria.

 

Depois completávamos a volta, enquanto eu comia o cone, o melhor caramelo e o melhor café que alguma vez comi na vida. Tenho andado à procura deles. Sem sucesso.

 

Muito depois de me tornar adulta, ainda passava por lá, para comer um cone, caramelo e café, já pago do meu bolso. Não tinha a mesma piada, faltava-me o meu avô, mas tinha o mesmo sabor. Os meus amigos queriam ir ao Surf, mais moderna, mais na moda, mas eu sempre preferi aquela (apesar de ter comido muitos gelado no Surf, ao princípio, quando os gelados de baunilha com cobertura de chocolate eram feitos no momento, e o chantilly era único, meio salgado)

 

Há 10 anos (mais coisa menos coisa) a loja fechou. É um Celeiro, comia dietética. Que coisa mais anacrónica. Nunca lá entrei, nunca lá entrarei. Pindéricos.

 

 

Continuo à procura daqueles sabores, caramelo e café. Não encontro. Faz-me falta o meu avô, também. Como, mas não me convencem. Gosto do Haggen Dazz de doce de leite, e pouco mais. Há uns tempo falaram-me do Concha Nata, em Alvalade. Não conhecia. Tive esperanças que por ser relativamente perto da outra pudesse ter herdado qualquer coisa. Nada, com as recomendações que me tinham feito, fiquei a olhar para aquele mar de molho de morango, com sabor a remédio, isto é que é o famoso Concha Nata? Já vos dizia onde é que podiam enfiar o Concha Nata.

 

A geladaria chamava-se Roma, apesar de estar na João XXI. Nunca haverá outra igual. Ou se calhar há, eu é que já não tenho 7 anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)





subscrever feeds


Arquivo