Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]









Related Posts Plugin for Blogs

Tu e você

por jonasnuts, em 19.12.09

O meu post sobre os erros de ortografia da Olá tinha uma pequena observação sobre o tratamento na segunda pessoa que parece ter suscitado mais debate que a questão ortográfica.

 

Para que conste, trato por tu toda a gente com quem tenho alguma intimidade, e vice-versa. A minha mãe, o meu filhos, os meus avós, os meus colegas de trabalho. E essa é uma das primeiras perguntas que faço a quem chega ao meu círculo. Hoje em dia, faço a pergunta mais por causa dos outros do que por minha causa, a miudagem chega ao SAPO e vêem alguém mais velho (sou mais velha que a média, no SAPO), e tratam na terceira pessoa. E eu ponho logo a coisa em pratos limpos: "já nos tratávamos por tu, não?. Ao princípio custa-lhes um bocadinho, mas depois a coisa entranha-se.

 

Isto é, a título pessoal, prefiro o tratamento por tu.

 

Mas, se estou a falar em nome da empresa para que trabalho, o tratamento é sempre na terceira pessoa (sem usar o horrível você), independentemente da idade do meu interlocutor.

 

Não percebo esta mania de se tratarem as pessoas mais novas por tu, se os mais velhos tratamos com salamaleques.

 

Ah, porque é um serviço mais jovem, ou para crianças, e por isso tratamos por tu. Distingam as coisas pá. Tratar na terceira pessoa não significa serem formais. Não percebo um serviço que trata os utilizadores por tu, no site, mas depois responde aos mails com o tratamento na terceira pessoa e com aquelas expressões mais formais como "Estimado cliente" e "apresentamos os nossos melhores cumprimentos".

 

Há serviços que optam pelo tratamento por tu, e depois levam essa opção em conta em toda a comunicação, não concordo, mas ao menos são coerentes. Por exemplo, a Yorn, se ligamos para o call centre, perguntam-nos "estás boa?" ou "qual é o teu número?", tratam por tu, e os mails também. Menos mal.

 

Pessoalmente, acho que a comunicação com utilizadores/clientes tem sempre de ser feito na terceira pessoa, sem usar a palavra "você" e os textos têm de ser assexuados. Prefiro o erro "Bem-vindo", do que o "Bem-vindo(a)". É difícil escrever textos sem identificar o sexo do leitor mas, com prática e alguma imaginação, consegue-se :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Blogs empresariais, o que (não) fazer

por jonasnuts, em 18.12.09

É com muita (demasiada?) frequência que me chegam questões sobre a necessidade ou relevância de se criar um Blog duma empresa ou de um serviço. E, a julgar pela quantidade de vezes que me colocam esta pergunta, há aqui meia dúzia de coisas que eu julgava (ó ingénua) que eram de senso comum, mas que afinal parece que não são.

 

Assim este post é a minha contribuição para os responsáveis das empresas que estão vai não vai para criar um blog (ou uma qualquer presença online que ultrapasse o estatuto de site institucional).

 

1 - Se não sabe para que é que precisa de um blog, é porque não precisa dele. Não precisa de o criar.

 

2 - Se apenas pretende despejar para o Blog os comunicados de imprensa, não precisa de Blog.

 

3 - Se pretende colocar no Blog a mesma informação que disponibiliza no site, não precisa de Blog.

 

4 - Se pretende que a gestão do Blog seja feita por alguém que vai contratar para o efeito, e que não percebe nada acerca do funcionamento da empresa, não crie o Blog.

 

5 - Se pretende escrever posts em que começa por "estimado cliente" e termina assinando "melhores cumprimentos", não precisa de Blog. Use o mail.

 

6 - Se não pretende responder a comentários (ou sequer tê-los abertos), não crie o Blog.

 

7 - Se não tem pedal para ouvir o que os seus clientes têm para dizer (as coisas boas mas, sobretudo as coisas más), não crie um Blog.

 

8 - Se vai dar a gestão do Blog ao seu sobrinho, que anda no 11º ano, e que até tem jeito para computadores, não crie o Blog.

 

9 - Se não se importa muito com a correcção ortográfica com que os posts são escritos, não crie o Blog.

 

10 - Se pretende actualizar o Blog apenas uma vez por ano, não crie o Blog.

 

 

Pronto. Fica despachado o post de serviço público do mês.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A conversa

por jonasnuts, em 11.04.08
Para quem não foi e está interessado, aqui fica o vídeo da edição deste ano das Conversas Unicer, sem a intervenção do Bruno Giusani (?).


Autoria e outros dados (tags, etc)

Ainda os Blogs e as Empresas

por jonasnuts, em 11.04.08
Há uns tempos valentes tive oportunidade de assistir a uma palestra do Enrique Dans, no Porto. Também ele se debruçava sobre a questão dos Blogs empresariais, tendo por base uma apresentação que não hesitou em partilhar com todos. O documento, per se, é muito bom, e, descontando a contabilidade, continua actual, mas, verdadeiramente interessante e entusiasmante, foi a apresentação propriamente dita, do próprio Enrique. Animada, divertida, cativante e, acima de tudo, pertinente.


Have fun.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Blogs de empresas

por jonasnuts, em 10.04.08
Depois da conversa desta tarde e, principalmente, depois da conversa depois de chegar a casa, cheguei a uma conclusão, sobre os Blogs de empresas.

Não há Blogs de empresas. Por trás de um Blog, há sempre uma pessoa, ou um grupo de pessoas. E não me venham falar do Blog do Jonathan Schwartz o CEO da SUN, porque o Blog não é da Sun, é do Jonathan, que por acaso é o CEO da Sun, e que fala na primeira pessoa. A SUN disponibiliza uma plataforma, e incentiva os seus colaboradores a produzirem conteúdos para os seus Blogs. Não há ali um único Blog de empresa. Há um conjunto de Blogs, de colaboradores de uma empresa, aos quais é dada visbilidade, na homepage do site da Sun.

E o caso do Robert Scoble também é, desde o início, um Blog de uma pessoa que, por acaso, quando inicia o Blog, trabalha na Microsoft.

Portanto, as empresas, em abstracto, não podem ter um Blog. Podem e sobretudo devem, estar atentas ao que se diz nos Blogs, e responder. E aqui coloca-se a questão principal. Responder como, onde, quem? Se a resposta não tiver um nome, uma identificação, uma pessoa por trás, e se se tratar de uma resposta assinada pela "equipa de apoio a cliente" ou pelo departamento de marketing" tem pouca ou nenhuma eficácia. Em alguns casos pode mesmo ser contraproducente.

E estamos assim em terrenos pantanosos. Blogs pessoais, de colaboradores das empresas que dão voz às empresas? Qual é a empresa que quer colocar nas mãos dos seus colaboradores a responsabilidade de comunicar, em nome da empresa, na Blogosfera?

Principalmente se for uma empresa muito grande, está lixada. Com f de cama.

E assim sem querer, respondo a uma pergunta que eu própria coloquei aqui, há uns tempos. Quanto vale uma camisola vestida? Neste caso, vale muito.

É porque é destes colaboradores, de camisola vestida, que as empresas precisam, se querem entrar como deve ser, na Blogosfera. Sem subterfúgios, sem graxa, sem papas na língua se for caso disso. E com liberdade para o fazerem.

Essa é a verdadeira questão. Como é que as empresas promovem os Blogs enquanto ferramenta de comunicação, e potenciam a utilização desta nova forma de comunicação com os seus clientes e potenciais clientes, abrindo mão dos velhos hábitos de comunicação centralizada?

Simples. Só têm de comunicar bem, dentro de portas. Manter os colaboradores satisfeitos e motivados. E reconhecer o valor acrescido que esses colaboradores representam para a empresa.

Pois.... afinal não é simples.

Autoria e outros dados (tags, etc)

É melhor que nada

por jonasnuts, em 27.09.07
O título deste post é uma frase em que tenho tropeçado com mais frequência do que a desejável, desde que entrei no mercado de trabalho, há quase 20 anos.

Nas várias áreas em que tenho trabalhado (produção de eventos, publicidade, internet), é invariável o argumento "é melhor isso do que nada", quando surge uma dificuldade, ou quando aparece um obstáculo aparentemente intransponível.

Foi, desde sempre, uma frase que me fez confusão. Pode, em casos pontuais, fazer algum sentido, mas é na excepção, e não na regra. Contentamo-nos demasiadas vezes com o "é melhor que nada" e de tão habituados, já nem questionamos.

Mas, na realidade, muitas vezes é melhor não termos nada do que disponibilizarmos um produto/serviço pobre, que não acrescenta absolutamente nada ao que a concorrência já faz há anos, que não inova e que é "pobrezinho mora longe".

Uma coisa é lançar um serviço em Beta, para potenciar feedback dos utilizadores, ou organizar um focus group à volta de um novo produto que ainda precisa de ser limado.

Mas quando lançamos, é bom que faça, pelo menos, o que a concorrência já faz, de preferência melhor ou mais rapidamente. É bom que vá de encontro às necessidades e às expectativas do target a que se dirige, é bom que sirva para mais do que encher chouriços e acrescentar ao portfollio de produtos/serviços.

Às vezes, não ter nada é substancialmente melhor do que ter um produto de merda.

E um destes dias vou debruçar-me sobre o "é o que há".

Autoria e outros dados (tags, etc)