Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Arquivo



É raro, mas acontece.

Hoje é um desses dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para quem gosta de baixo

por jonasnuts, em 24.07.09

Está a começar no Jardim Marquês de Pombal, em Oeiras o concerto do Stanley Clarke, do Marcus Miller e do Victor Wooten.

 

É onde eu estou neste momento.

 

Não porque goste especialmente de baixo, na realidade, a maior parte das vezes nem o consigo distinguir no meio dos outros instrumentos, mas porque gosto dele.

 

Links e espaçamento de texto mais tarde, que o browser do meu telemóvel não suporta não sei o quê e eu não sei fazer links directos no html.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eu vou, mas devagarinho

por jonasnuts, em 06.06.08

Sou uma comodista. A verdade é que há poucos artistas que me levam a sair de casa para os ir ver. E, quando isso acontece, gosto de vê-los comodamente. Na Aula Magna é nos doutorais, no Coliseu é nas cadeiras de orquestra, enfim..... gosto pouco de ajuntamentos, pisadelas, encontrões, gente que fala alto, cabeças à minha frente e demais idiossincrasias dos grandes concertos tipo tudo ao molho e fé em Deus.

 

Posto isto, hoje vou ao Rock in Rio.

 

 

Não fui eu que escolhi o dia, eu por mim nem lá punha os calcanhares, tendo em conta o parágrafo inicial deste post, mas sempre me vou treinando para quando tiver de levar o meu puto, num dos próximos eventos.

 

Ontem vi o cartaz, e nestas coisas, são apenas referidos os cabeças do dito cujo. Ok, faz sentido, são tantos os palcos e os grupos e os artistas, que se falassem de todos, não chegava o espaço.

 

Então, na comunicação do festival, os cabeças de cartaz, para hoje são:

 

Linkin Park

The Offspring

Muse

Kaiser Chiefs

Orishas

 

Acho muito bem, e devem ser todos muito bons e muito animados e muito profissionais e muito apreciados mas para mim, meus senhores, os cabeças de cartaz, seja onde for que actuem, são os Clã (mas este Clã também é muito bom)

 

(Há-de entrar aqui uma foto, se o autor der permissão).

 

Quem já os viu ao vivo, saberá do que falo. Quem anda não os viu ao vivo, que não perca a oportunidade.

 

Às 19h50, não estarei a ver os tais dos Orishas no palco principal. Vou estar a ver Clã no tal do Sunset. E quando acabar Clã, se calhar ainda me socorro do iPod :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bobby McFerrin - Ontem no Coliseu

por jonasnuts, em 13.05.08

Sou fanzoca (fica o disclaimer). Há muito tempo, mas principalmente desde que me deram a conhecer o Hush, aí há uns 15 anos.

 

Ontem era um concerto obrigatório. Lá fomos, finalmente, ver um concerto de um gajo de quem eu gosto (normalmente vamos ver concertos de gajos de quem ele gosta mais do que eu).

 

A minha irmã arranjou bilhetes de borla. E vejam só como a minha família me conhece bem, ela e os amigos ficaram numa fila, e depois dois bilhetitos para mim, afastada do grupo. Conhece-me bem, a minha irmã. São poucas as pessoas que aguentam um espectáculo ao meu lado (mando calar quem fala, e coisas assim).

 

Fomos mais cedo, o que contraria a tradição de chegarmos sempre em cima da hora. Saímos do parque de estacionamento e dirigimo-nos lentamente para o Coliseu. Ele fazia glu-glu-glu ao meu lado (a imitar Boby McFerrin), e de repente sai-me um Oh! da boca para fora. Um grupo de 3 homens caminhava no sentido oposto..... cruzámo-nos. O do meio era o Bobby McFerrin. Portanto, a menos de uma hora de começar o espectáculo, o gajo andava ali a passear. Conjecturámos. Iria beber umas cervejolas para aquecer a voz? Ia para o Metro tentar fazer uns trocos? Não sei onde ia, mas foi muito esquisito cruzar-me com o gajo que ia ver actuar dali a pouco.

 

O concerto começou alguns minutos depois da hora marcada. Uma cadeira em palco. Entra o gajo, com a mesma roupa com que o tinha visto passar há menos de uma hora. Calças de ganga e t-shirt. Muito bom. Nada de atavios nem de folestrias, estamos ali é por causa da música, e não por causa do guarda-roupa.

 

Glu-glu-glu chinca-chinca-chinca, e passam-se as 3 primeiras músicas e, apesar dos agradecimentos efusivos, nem bom dia nem boa tarde nem boa noite. Nada de parlapié com o público. O meu nariz estava a ficar torcido.

 

Mas eis que começa a coisa...... a parte em que ele nos conduz, e consegue que um Coliseu quase cheio faça e cante exactamente o que ele quer, quando quer. E o resultado final é bom, muito bom, pelo menos soa bem.  E vem para o meio do público, e canta com algumas pessoas do público. Teria sido giro se tivesse subido um bocadinho mais e tivesse posto o microfone à frente da Maria João, a do Jazz, que por lá estava, mais tarde fez o gosto ao dedo, quando subiram uma catrefada deles para o palco (eram para ser 12, mas depois acabaram por ser mais).

 

Mas, a mim, o que me partiu toda foi que o filho da mãe puta repetiu ali a cena de Leipzig. Ele fez os glu-glu-glu do Ave Maria de Bach, enquanto nós cantávamos (?) a melodia que no original é tocada pelo violoncelo do Yo-Yo Ma. Ali ao pé de mim só eu e uma senhora que estava atrás de mim é que sabíamos a coisa (eu não sei a letra, mas sei as voltinhas todas), mas o som da sala a cantar com ele um dos meus temas favoritos de todo o sempre foi arrasador.

 

Curioso, como nestas alturas nos lembramos de pessoas que não conhecemos. Lembrei-me do autor deste Blog. Teria ficado tão surpreendido como eu, pelo facto das pessoas conhecerem bem a melodia do Ave Maria? É que não se tratava de um concerto de música clássica. Ok, este é um dos temas universais, que ultrapassa o género a que pertence, e esta versão está no álbum mais vendido de Bobby McFerrin, mas mesmo assim.

 

Defeitos? (esta é especial para ti maninha). Só o facto de não haver merchandising. Compramos sempre t-shirts dos concertos a que vamos. São mais as vezes que há que as que não há. Não consegui de Jane Monheit, nem de Tindersticks (mandei vir depois) nem de Nitin Sawhney (mas essas nem oferecidas que se fossem tão más como o concerto, nem para esfregar o chão).

 

Ontem não havia. Assim de repente, é o defeito de que me lembro. (Há online, já estou a tratar do assunto).

 

Não foi perfeito, prefiro sempre ambientes mais pequenos, e estar lá à frente (não me estou a queixar maninha, agradeço muito os bilhetes), e aquele início meio frio deixou-me ansiosa, mas gostei muito. Se houvesse outro espectáculo hoje, e conseguisse arrastar o meu namorado comigo (dúvidas, muitas dúvidas, uma vez chegou), ia outra vez :)

 

Para os que não conhecem a cena de Leipzig, fica o vídeo. Não foi assim, ontem (não chove no Coliseu), mas foi parecido, e foi muito bom.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nick Cave ontem, no Coliseu de Lisboa

por jonasnuts, em 22.04.08
Antes de mais, não sou fã de Nick Cave. Gosto de algumas coisas, mas não sou a fã que sabe as músicas todas de cor, das várias fases, das várias facetas. Isso, é ele. Eu é por afinidade, e andei a treinar, e a ouvir intensamente Nick Cave na última semana. Mas ia entusiasmada para ouvir o concerto, para ver se era melhor que o de há uns anos também no Coliseu, a que também fui.

Chegámos em cima das 21h00, que era a hora de início da banda de apoio. Muita gente. O meu esquizitómetro atingiu níveis mais altos do que no concerto dos Editors. Mas a mim, os esquizitóides não me fazem confusão, até animam o ambiente, distraem a vista.

Lá comprámos as t-shirts da praxe, porque, havendo, compramos sempre merchandising. São óptimas recordações dos espectáculos por onde andámos mesmo quando já não servem a não ser para dormir.

Não conhecia a banda de apoio, e não fiquei a conhecer. Não percebo as pessoas que vão para um espectáculo pôr a escrita em dia e falar, alto, como se não houvesse amanhã. Atrás de nós estavam umas galinhas que não se calaram, aos berros, durante todo o concerto da banda de apoio. Não me parece que a tal da banda fosse grande coisa, mas mal por mal era preferível aos cacarejos das meninas. Quando foram à casa de banho foi um alívio, embora os namorados se tivessem esforçado por fazer igual barulheira. Não conseguiram. Não há como duas mulheres para cacarejar irritantemente.

Quando se aproxima a hora do espectáculo, começa a encher mais, o Coliseu. Começam os empurrões, as pisadelas e as cotoveladas. Ok, faz parte, a massa que é o público aninha-se e acomoda-se para passar a próxima hora e meia a ouvir um gajo de quem todos gostam. Só não percebo aquela onde do "dá-me licença" e em vez de passar ocupa o lugar onde eu estava e de onde saí para lhe dar a licença. Olhe, desculpe, eu estava aí. Licença, é para passar, não é para ocupar o espaço onde eu estava. Mas ok, é uma técnica, há mais e mais intrusivas.

Quase no início do concerto propriamente dito, o lugar das galinhas é ocupado por um grupo de sessentões, a reviver o passado da crise de meia idade de há 20 anos, a fingir que são cool, e que estão na onda, e que ainda estão para as curvas e que na tentativa vã de transmitirem esta mensagem, pisam, acotovelam e encostam-se a tudo e a todos. Estive vai não vai para lhes sugerir um concerto dos D'zrt, onde fariam mais sucesso, provavelmente. É tão giro ver avôs a acompanhar as netas.

Entra o Nick com as sementes, e o público ovaciona. É normal. É mais normal ainda no público português que ovaciona por tudo e por nada. Não somos nada parcos no que às nossas palmas diz respeito.

O concerto começa bem. Estou a gostar. Parece haver um desentendimento entre o Nick e os pedais da guitarra, mas pronto. Aquela luz direitinha aos meus olhos e que volta não volta me encandeia também podia estar melhor, mas ok, são detalhes, menores. Se a assistência que me rodeia não consegue cortar-me a boa onda, não são meras minudências técnicas que o vão fazer.

O gajo canta bem. O que é raro, num concerto de Nick Cave. Normalmente nos concertos são fífias atrás de fífias, mas a empatia, a encenação, o poder cénico a força do personagem em palco funcionam, contrabalançam e ultrapassam. Se o querem ouvir cantar afinado, comprem o disco. Se o querem ver, mais à mise-en-scène, vão ver ao vivo. Mas desta vez não. Estava a cantar lindamente. A coisa prometia.

Até mais ou menos à quarta música, a coisa correu muito bem. Depois disso entrou ali num marasmo descendente. Os pedais continuaram a dar problemas e houve mesmo um que levou um chuto que o fez voar para trás do palco. As duas baterias não funcionaram grande coisa e houve mesmo algumas músicas em que os músicos estavam cada um para seu lado. O próprio Cave reconheceu a coisa, no final de uma das músicas, em que disse que aquela, eles ainda tinham de aprender a tocar.

Umas pausas estranhas entre músicas que faziam perder o ritmo, e que não eram aproveitadas pela banda eram sobejamente aproveitadas pelo caramelo que estava ao meu lado, a quem alguém, um dia disse que "motherfucker" era um enorme elogio e que, com base nessa informação, se esforçava por elogiar a banda, frequentemente. Tinha uma paranóia qualquer com o Barbas, por quem também chamava muito.

O fumo era mais que muito, muitos cigarros, mas não só. Não era tão boa como a dos Editors.

Saímos antes do fim.

Decidimos (mais uma vez) que não nos voltamos a meter no meio do maralhal. Devemos ser nós que somos esquisitos. O resto do pessoal gosta de porrada, cotoveladas, asnos a berrar aos ouvidos, pisadelas e afins. Eu nunca gostei, não era agora que ia começar a gostar. Meus ricos doutorais, minhas ricas cadeirinhas de orquestra.


Fica o vídeo de um dos melhores momentos. Depois daquela, foi sempre a descer.



Link do vídeo, aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Editors, o vídeo

por jonasnuts, em 03.04.08
Para quem vai ver ao Porto, hoje, aqui fica um aperitivo. Espero que tenham melhor sorte que nós, que o som aqui pela Mouraria estava uma cagada.

Ah, e fiquem atentos ao piano, o vocalista sobe-lhe para cima algumas vezes, e há umas vezes mais periclitantes do que outras. Ontem, numa das subidas, quase descia ele e o piano ao mesmo tempo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Editors, as fotos

por jonasnuts, em 03.04.08
Agora mais descansada. Continua a fazer-me confusão que as pessoas conversem, enquanto os senhores cantam. Havia um grupinho à minha frente que não se calou todo o santo concerto. Como a música toca alto, tinham de berrar, berrando, colidiam-me com o sistema nervoso. Estive vai não vai para lhes perguntar se não queriam pedir aos Editors para tocarem um bocadinho mais baixo, para eles poderem conversar mais à vontade mas isto de ir com ele aos concertos faz com que eu não possa atravessar-me com uma cena que pode descambar em discussão. Se tivesse ido sozinha, podendo assumir completa responsabilidade pelas consequências, a coisa teria sido diferente.

Não se podia fumar, avisavam à entrada. Muita gente com problemas de visão, não conseguiram ler os avisos e fumaram na mesma. Na maior parte dos casos, não se tratava de tabaco. E era da boa, a julgar pelo cheiro.

E pronto, para o próximo concerto levo menos peso, menos malas, menos casacos.

As fotos, que ele tirou, em slideshow aqui em baixo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Editors

por jonasnuts, em 03.04.08
Sabemos que assistimos a um bom concerto quando saímos a querer saber mais sobre a banda, e queremos conhecer melhor a sua música.

Fui ver os Editors por causa dele, mas já fui ver outros concertos por causa dele de que não gostei nada. E este foi muito bom. Gosto de bandas que dão o litro. Eles deram o litro, e são bons no que fazem, até eu percebo isso.

Fotos, talvez amanhã.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não há fome que não dê em fartura

por jonasnuts, em 10.03.08
Já não me lembro do último espectáculo que vi ao vivo.
Em Abril vingo-me.

2 de Abril - The Editors


11, 12 e 13 de Abril - Grande Prémio de Portugal




21 de Abril - Nick Cave & The Bad Seeds




Abril sempre foi um bom mês :)
Cortesia e desejos dele, eu é mais pela osmose.

Autoria e outros dados (tags, etc)

The Police - o vídeo possível

por jonasnuts, em 27.09.07
Deu isto, que as câmaras que nós levámos não deram para grandes folestrias.


Para quem estiver no leitor de feed, o link é este.

Autoria e outros dados (tags, etc)






Arquivo