Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Arquivo



O #PL118 na Blogosfera

por jonasnuts, em 19.01.13

 

À semelhança do que foi feito há cerca de uma ano (auto-link), vou tentar reunir aqui todos os links de posts escritos sobre este take 2 da PL118.

 

Se souberem de algo que não esteja aqui, deixem o link no comentário :)

 

28 de Fevereiro

 

Aventar - Ao cuidado da SPA, do To Zé Brito e de mais uns quantos lobbystas

 

21 de Fevereiro

 

Angulosolido - Matar o direito de autor

 

15 de Fevereiro

 

À vontade do freguês - Lóbis

 

Que Treta - Um acidente histórico

 

 

12 de Fevereiro

 

Bitaites - A carga pronta e metida nos contentores

 

Bitaites - A proposta de lei entre aspas

 

10 de Fevereiro

 

Que treta - Treta da semana: o direito do Tim.

 

8 de Fevereiro

 

Aventar - Ó Tim

 

7 de Fevereiro


Que treta - Sim, mas não por isso.


O que é o jantar? - De novo a lei da cópia privada

 

Der Terrorist - Falam os gordos pançudos, de pantufas enterrados no sofá

 

Jonasnuts - Aprender com os erros #pl118 (auto-link)

 

4 de Fevereiro

 

reticencias - PL118 - o regresso

 

Momentos económicos e não só - sobre a cópia digital, no dinheirovivo.pt

 

O Insurgente: Coisas Que Me Deixam Irritado Logo Pela Manhã

 

2 de Fevereiro

 

Tugaleaks - Directora executiva da associação de gestão da Cópia privada está agora no Governo

 

31 de Janeiro

 

À vontade do freguês - Cópia privada: “Recommendations”

 

30 de Janeiro

 

Wonderm00n - Cópia Privada. A taxa dos abutres está de volta! #PL118

 

29 de Janeiro

 

Reflexões - Cópia Privada e Economia Digital

 

Aberto até de madrugada: Nova PL118 propõe Taxas de até 400€ por Terabyte

 

 

Tugaleaks - Proposta “confidencial” sobre a alteração da Cópia Privada acaba leakada na Internet

 

26 de Janeiro

 

ANSOL - Vitorino apresenta recomendações sobre taxas de cópia privada

 

Jonasnuts - Coincidências da Cópia Privada - PL118 (auto-link)

 

24 de Janeiro

 

Paula Simoes' Blog - Resposta ao @pedroprola sobre a nova #pl118

 

23 de Janeiro

 

Tugaleaks - Proposta é “confidencial” e Governo estuda aumentar preço de alguns bens tecnológicos

 

Bruno Miguel - O #pl118 e o rebranding do iPod

 

 

Aventar - E agora à socapa

 

22 de Janeiro


O Provinciano - Taxar os Ipods?

 

Air Diogo - O regresso da Lei da Cópia Privada - #PL118 (parte2)

 

Aberto até de madrugada - O Regresso Secreto da PL118

 

21 de Janeiro

 

Que Treta - Treta da semana (passada): novamente a taxa.

 

Paula Simoes' Blog - A premissa da Cópia Privada – argumentos para rejeitar a nova #PL118

 

O Insurgente - Para que serviu o downgrade do Ministério da Cultura?

 

20 de Janeiro

 

Ouve-se - Governo prepara nova lei da cópia privada

 

Jonasnuts - Lei da Cópia Privada - Revisão da matéria dada #pl118 (auto-link)

 

Jonasnuts - #PL118 - O Conselho Nacional de Cultura (auto-link)

 

19 de Janeiro

 

Jonasnuts: #PL118 - Lá vamos nós outra vez (auto-link)

 

18 de Janeiro

 

Bitaites - O império contra-ataca

 

À vontade do freguês - A saga da Cópia Privada

 

ANSOL - Cópia Privada - Direito ou Exceção?

 

6 de Janeiro



FU-BAR - SPA: “salta” Gov: “quão alto?”


5 de Janeiro

 

O Insurgente - Um péssimo sinal: o regresso da lei da cópia privada

 

Aventar - O império, perdão, a SPA, contra-ataca

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Meu Pipi

por jonasnuts, em 19.08.11

Só os mais antiguinhos compreenderão. Apesar deste blog estar a banhos, há serviços públicos que têm de ser prestados e é nessa perspectiva que faço este post.

 

Se tem menos de 7 anos na Blogosfera portuguesa (ou mais, mas ando desatento), siga este link, e leia tudo, tudo, tudo.

 

Vem isto a propósito de um post do Carlos Vaz Marques no Facebook. Como é tudo muito melhor do que eu poderia escrever, transcrevo na íntegra (depois de ter pedido autorização, obviamente).

 

"Há muito que não havia notícias dele. O Meu Pipi parece ter perdido a tusa e desapareceu de circulação. Agora, surpreendentemente, mão amiga fez-me chegar a prova de que o Pipi continua vivo e atento. Ao deparar-se na revista The Printed Blog, da empresa Jacaré na Lua, com a utilização de um dos seus textos, terá mantido a troca de correspondência que a seguir se transcreve. Não tive possibilidade de verificar a autenticidade destas mensagens mas o estilo parece não deixar dúvidas: O Meu Pipi anda por aí.

 

 

Exmos. Cabeças de Caralho,  

Posso saber quem é que vos autorizou a publicar um texto meu na vossa revista de merda? Só para eu perceber qual é a peida desrespeitadora dos direitos de autor que o marsapo judicial vai escaqueirar, com o pedagógico objectivo de punir o atrevimento chico-esperto e burlão.  

Sem outro assunto,

Pipi  

 

----------------------------------------------------------------------------

 

Bom dia.  

Meu caro, o que fizemos foi referir o blogue "o meu pipi" numa rubrica que intitulamos de "A Antiguidade é um post", com um dos muitos textos disponíveis em open source na internet. Consideramos que tal procedimento não é passível de qualquer ilegalidade. É a nossa avaliação e de quem nos aconselha jurídicamente.  

Gostaría, ainda assim, de lhe transmitir que este é um projecto que pretende trazer para papel muita da qualidade do que existe na blogosfera, sendo esse blogue em particular uma escolha da Directora da Revista como sendo uma referência e tendo aberto um caminho. É o entendimento dela e o meu, como Publisher da mesma. A nossa intenção foi, obviamente, fazer um elogio ao mesmo, e não a de qualquer tipo de aproveitamento ou burlice (para usar as suas palavras). Não nos foi possível falar consigo a priori, pelo anonimato do mesmo, mas muito gostaríamos de o ter feito.  

É meu desejo que um dia mude a sua opinião, quer sobre nós que a editamos, quer sobre a própria revista.  

Estou ao dispôr para qualquer outra acção ou intenção que deseje prosseguir.  

Melhores cumprimentos,  

Luís Gomes

Jacaré na Lua - Comunicação

 

----------------------------------------------------------------------------

 

"Meu caro"? Mas que tipo de pessoa é que recebe um mail endereçado a cabeças de caralho e responde com "meu caro"? Já vi que temos fanchono. Neste momento, estou com saudades do tempo em que achava que o meu interlocutor era um vigarista. Soubesse eu que se tratava de um rabeta e não me teria incomodado. Para sua ilustração, assinalo os traços mais amaricados do seu estilo, a fim de que futuramente possa moderar essa exuberante panasquice, pelo menos em público. Não tem nada que agradecer.

Primeiro: apresenta-se como Publisher. Desempenhar cargos em estrangeiro é roto. Publique merdas, pá. À homem. Não publishe.

Segundo: tem entendimentos que coincidem com os entendimentos de gajas. Roto.

Terceiro: pretende elogiar um blogue. Roto.

Quarto: deseja que eu mude de opinião sobre si. Extremamente roto.

Quinto: Jacaré na Lua. Julgo que não é preciso dizer nada.

Creio que se trata de um contributo valioso para despaneleirizar a sua existência.

Estimando melhoras,

Pipi"

 

 

Nota pessoal minha: Gosto muito da leitura que o Luís Gomes o "publisher" faz do conceito de Open Source, na frase "com um dos muitos textos disponíveis em open source na internet". Está na Internet? É para roubar. Tudo o que está na internet é open source. Se por acaso o "publisher" por aqui passar, pode serguir este link, para perceber um bocadinho melhor o que é o open source, e já agora, que se instrua um pouco mais, e aprenda sobre o Creative Commons que provavelmente era o que queria dizer, embora o conceito também não se aplique. Tudo isto me parece espectacularmente grave, sobretudo quando se trata de um "publisher" duma publicação chamada "The Printed Blog".Tanta gente tem falado tanto desta revista, e tão bem, que eu estava quase a ultrapassar a minha descrença e incompreensão em relação ao projecto, e a comprar uma. Mas depois disto, e da cena com o Júlio Machado Vaz....... acho que não..

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dar

por jonasnuts, em 10.11.10

 

Gosto de dar, mas não dou a qualquer pessoa. Gosto de, quando dou, saber que estou a dar a quem precisa.

 

Não gosto de dar dinheiro, principalmente porque o dinheiro nunca se sabe muito bem para onde é que vai, e tirando a AMI e pouco mais, não dou dinheiro.

 

Dou regularmente os brinquedos do meu filho e os livros e a roupa (que estejam em condições de ser dados, evidentemente, não dou lixo). Mas estas dádivas, por importantes que sejam, não correspondem necessariamente ao que os miúdos querem.

 

 

No ano passado descobri os Anjinhos. E gostei da ideia. Ajuda muito o facto de "conhecer" e confiar na pessoa que está a promover esta iniciativa (há-de haver mais, mas eu conheço-a a ela). Sim, é uma acção do Exército de Salvação. Sim, chamam-se anjinhos às crianças. Sim, deve ser uma coisa católica e tal. Mas, o conceito agrada-me, porque as crianças têm um nome, uma idade, e um pedido específico.

 

Crianças que não têm presentes de Natal e que pedem aquilo que gostavam de ter (e de caminho também levam com um fato de treino). Quando compramos as coisas sabemos que estamos a comprar exactamente aquilo que aquela criança deseja e que não terá, se não formos nós. São crianças sem presentes de Natal. Tudo isto, misturado com a imagem de excesso de presentes lá em casa, que todos os anos tentamos, debalde, reduzir (este ano é que é, andamos a dizer ao tempo), faz com que eu queira aderir, de novo, a esta acção.

 

No ano passado fi-lo já muito em cima da hora (e atrasei-me e tudo) e "apadrinhei" 4 ou 5 anjinhos. Este ano está mais difícil, acho que não consigo chegar a tantos (e este "tantos" parece tão pouco, face à minha vontade), mas já angariei o meu filho para o processo (eu compro o fato de treino, ele paga o presente), e vou angariar mais pessoal (família e meninos do SAPO). Até já recomendei a coisa via Facebook, imagine-se, eu que quase nunca facebuco, e que acho que nunca usei as recomendações daquela coisa.

 

Enfim, está tudo explicado aqui, ou aqui.

 

Garanto que quando entregamos os presentes, sabendo que eles vão ser, de facto, dados a quem os pediu, nos sentimos muito bem. Este é o presente que vou oferecer a mim própria neste Natal. É, ao contrário do que parece, um presente egoísta.

 

 

(Os mais desconfiados podem ver aqui algumas fotos referentes à acção do ano passado)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Burrice blogosférica

por jonasnuts, em 20.01.10

Este blog é pessoal e generalista. Não é, definitivamente, um blog político. Mas eu acompanho a blogosfera política (e as outras, já agora), e espantam-me os erros de principiante que cometem algumas pessoas que já deviam saber mais.

 

A blogosfera é debate e opinião. Não debate só quem quer, há casos em que debate quem pode, e quem vai à guerra dá e leva. Mas, para haver debate e troca (mesmo que seja de pancadaria), tem de haver respeito. Não se trocam argumentos com pessoas que não respeitamos. Pelo menos de forma persistente.

 

Estranho muito uma certa blogosfera que se insurge com determinado blog, ou personagem, e que insulta, e que tenta negar, e que desvaloriza e que, ao fazer isto tudo, está pura e simplesmente a amplificar, a difundir e a divulgar o tal blog ou personagem.

 

Isto é generalista, embora eu me tenha inspirado num tema (re)corrente da blogosfera política. É um erro persistente, e eu estranho que pessoas inteligentes caiam nessa armadilha.

 

Há um personagem blogosférico (e não só) de que não gosto, não respeito nem intelectualmente nem de qualquer outra forma. Sei-o uma pessoa desonesta, sem palavra, que escreve (e fala) ao sabor dos seus interesses muito pessoais. Enfim, uma nódoa.

Acham que lhe dou, sequer, um hit para as estatísticas? Acham que contribuo sequer com uma visita para os seus KPIs? Acham que leio o que ele escreve? Para quê? Se não o respeito, porque raio vou ouvir o que ele tem para dizer? Para o contradizer? Não vale a pena, o próprio mete habitualmente os pés pelas mãos, cumprindo competentemente o papel de se contradizer (é a chamada versatilidade vira casacas).

 

Faço o que melhor se pode fazer a este tipo de gente, ignoro-o. Ele não existe.

 

Não percebo a incapacidade da blogosfera, de ignorar as pessoas que não respeita e, pelo contrário, lhes dá mais visibilidade e lhes cria mais forma e consistência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cara Blogosfera

por jonasnuts, em 19.01.10

Quando consumo conteúdos blogosféricos, não procuro notícias. Se eu quiser saber quem é que ganhou os globos de ouro, vou ao site dos globos de ouro. Se eu quiser saber qual foi a magnitude do sismo no Haiti, vou à procura do site da entidade que mede essas merdas.

 

Nos Blogs eu quero opinião. Mesmo que seja lúdica. Ou que me dê a conhecer coisas que a comunicação social tradicional deixa passar.

 

É verdade, eu não uso a comunicação social tradicional para estar informada, uso os Blogs. Mas se estes me começam a dar exactamente o mesmo que os outros....deixam de me ter como consumidora, da mesma forma que os outros deixaram de me ter como leitora, espectadora, ouvinte, etc.

 

Muito agradecida.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Há precisamente um ano

por jonasnuts, em 17.10.09

Há precisamente 1 ano passei um fim-de-semana Blogosférico algo agitado.

 

De repente, na 6ª feira, uma série de factos concorreram para que, subitamente, grandes alterações em equipas de Blogs me caíssem em cima, salvo seja, fazendo com que o meu telemóvel e mail ficassem congestionados com pedidos, instruções, sugestões, retoques, registos, designs, detalhes, esclarecimentos, fofoquices, pessoal a querer saber quem é que se tinha despedido quem é que tinha sido despedido....e eu calada, a trabalhar para que as coisas ficassem prontas a tempo e horas, e a gosto.

 

Há 1 ano, nascia o Blog Jugular, e o Corta-Fitas tinha uma pequena crise (que mais tarde se veio a revelar ser de crescimento). Equilíbrio político, portanto.

 

Foi um fim-de-semana agitado.

 

Este ano, precisamente na mesma data, precisamente numa 6ª feira (passava já da meia noite, portanto tecnicamente foi na 6ª), também recebi um mail.

 

Que grande fim-de-semana :)  (que se vai estender, na limadela de arestas, pelo início da semana, que eu há coisas que não sei fazer e preciso do resto da equipa :)

 

Digamos que está a ser um fim-de-semana ventoso, mas muito produtivo :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Casados, mini-saias, cocós e outros mimos

por jonasnuts, em 27.09.09

Isto quem anda na Blogosfera às vezes dá nisto.

 

Já no tempo do IRC (não é o imposto, e só os mais antiguinhos é que percebem) era a mesma coisa. Mesmo depois de saber os nomes verdadeiros das pessoas, continuava a tratá-las pelo nick. Na Blogosfera é a mesma coisa. Mais coisa menos coisa, vai-se sabendo o nome real da pessoa que escreve no Blog.

 

Mas eu, não sei porquê, continuo a identificá-las pelo nome do Blog. A Sofia, se me telefone e me diz que é a Sofia, eu tenho de procurar na base de dados mental entre as várias Sofias, mas na realidade, Controversa Maresia há só uma.

 

Quem está de fora não percebe.

 

Na sexta-feira uma conversa surreal, com um casal amigo. Vão ao Mundo das Mulheres? Porreiro, vão conhecer a mini-saia e a cocó (cocó é o diminutivo carinhoso com que identifico a autora do Cocó na Fralda).

 

Às vezes gostava de ter dado outro nome a este Blog, ser a Jonas do Jonasnuts é um bocadinho narcisita demais, mas pronto, foi o que saiu na altura, que eu nem sequer queria ter Blog e só por causa do Vida de Casado (lá está, o Luís Luz), é que iniciei esta chafarica.

 

Isto às vezes dá em situações idiotas. Se a mesma pessoa escreve em 2 Blogs diferentes, ela é, para mim, duas pessoas. Foi por isso que andei uns tempos valentes a falar com a autora de um dos Blogs da minha vida (noutro post debruço-me sobre este tema, tentando não cair), sem saber que ela, era ela. Só passado muito tempo é que me caiu a ficha. Tu és a Cat do Blog coiso e tal (sem link porque é para ser sem link)? Sou, pensei que sabias. Burra, não sabia de nada eu, que divido as coisas por Blogs, e não por autores.

 

Sou boa para ler Blogs de esquizofrénicos.


P.S.: E antes que me apareçam aqui a dar na cabeça por causa do comentário à esquizofrenia, sim, eu sei que é uma doença mental, grave e controlável com medicação na maioria dos casos, e que caracterizá-la desta forma pode parecer desrespeitoso, mas não é.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os nomes das coisas

por jonasnuts, em 21.07.09

Os nomes parecem ter uma enorme importância para as pessoas. Parece que há uns nomes melhores que outros. Mais respeitáveis. Mais sonantes.

 

Blogosfericamente falando, dizem as más línguas que, Blog que é Blog tem de ter 2 nomes.

 

Isso faz com que este Blog se encaixe na Classe C (ou mesmo D) da Blogosfera. Para se ser Classe A (não é o carro, é a separação dos targets por níveis de rendimento), precisa de ter dois nomes. Há excepções, mas a maioria da realeza Blogosférica, principalmente a mais antiguinha, tem 2 nomes.

 

Seja como for, de regresso aos nomes próprios. Existe sempre uma enorme curiosidade em saber quem se esconde por trás de um pseudónimo. Como se o uso de pseudónimo implicasse logo um segredo, ou algo menos próprio, é assim um bocadinho devasso, e, como se sabe, as pessoas gostam sempre de um bocadinho de devassa. Muita não, mas um bocadinho, para apimentar o marasmo do dia-a-dia.

 

E andam atrás. Andava tudo roxo para saber quem é O Meu Pipi (alguns ainda andam). Antes da Ana de Amsterdam ter publicado o seu nome, andava tudo numa de quem é ela, quem é ela, o Jumento é outro que tal, toda a gente quer saber quem é o Jumento, e agora, o mais recente mistério Blogosférico é o Senhor Palomar.

 

Costumo ser bem informada, nestas coisas Blogosféricas, deformação profissional claro, pelo que é com frequência que recebo telefonemas a perguntar coisas daqui e dali, quem é que se vai mudar, o que é que aconteceu naquele fim-de-semana, se ele foi despedido ou se saiu pelo seu pé. Enfim, as tricas Blogosféricas. Ontem, só ontem, recebi 4 contactos (por diferentes meios, curiosamente) de pessoas a perguntarem-me, olha lá ó Jonas, quem é este Senhor Palomar?

 

Não percebem a minha resposta. O Senhor Palomar é o autor do Blog Senhor Palomar. Sim, está bem, mas quem é ele? É o Senhor Palomar. Está bem, mas como é que ele se chama? Palomar, presumo que o senhor seja um aditivo, mais do que nome próprio. Vá lá pá, deixa-te de merdas, quem é ele?

 

E eles não percebem. E eu não percebo.

 

Curiosamente, escrevi um mail ao Senhor Palomar, ontem, antes do dilúvio de contactos detectivescos. Soubesse eu o que sei agora, abstinha-me, que o senhor deve ter a caixa de correio muito cheia de pessoas a querer tirar nabos da púcara.

 

E eu não percebo esta ânsia de se querer saber os nomes por trás dos nicks. É para quê? Para poderem dizer que sempre tinham suspeitado de que tinha de ser fulano ou sicrano? Para saber, depois de arquivarem e catalogarem a pessoa, se podem gostar ou se devem odiar?

 

 

Custa-lhes muito escrever Senhor Palomar?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Este vai ser compridinho.

 

Sempre gostei de me vestir à vontade. Calças de ganga, ténis, t-shirt ou sweat-shirt, e está a andar (a roupa interior não é relevante para o tema).

 

Acredito vivamente que a forma como a pessoa se veste não determina a sua competência, mas acredito em igual medida que os portugueses não pensam da mesma maneira. Se pensassem da mesma forma, a gravata teria sido abolida há muito, e este é só um dos exemplos de coisas que vestimos por causa das convenções sociais.

 

Quando comecei a trabalhar em publicidade, não sabia muito bem qual das áreas deveria seguir. Sabia que não queria ser copy, e que não podia ser visualizadora, mas tinha em aberto o contacto, a produção, o tráfego e a média. Tráfego e média estavam excluídos à partida, que eu preciso de coisas diferentes. Portanto, ou contacto ou produção. O contacto trata de fazer a ponte entre a agência e os clientes, o produtor trata de fazer a ponte entre a agência e os fornecedores. Confesso que tive dúvidas, cada trabalho tem as suas vantagens e desvantagens. O que acabou por me fazer optar pela produção foi o dress code. Para ser contacto eu teria de andar sempre empiriquitada, para ser produtora eu podia andar mais à balda. Baldas foi.

 

Isto tudo para chegar onde?

 

Se eu quero ter uma profissão que implica representar a empresa/instituição/organismo junto dos seus clientes/utentes, tenho de ter, à partida, algum discernimento em relação ao que posso e devo fazer para que essa representação seja positiva. E isso inclui o que visto. Não há liberdade, na medida em que as convenções não o permitem. 90% dos meus sapatos são ténis (sapatilhas para quem está mais a norte, embora eu já não faça ballet), mas em dia de reunião com parceiros, ou se vou representar a empresa num evento, penso duas vezes no que visto.  E tento vestir-me de acordo com as circunstâncias, mesmo que isso implique não ir de ténis ou de calças de ganga.

 

Claro que é tudo muito subjectivo, e aquilo que para mim é razoável, para o parceiro do lado pode ser intolerável, mas há os limites básicos do senso comum. É frequente entrar num elevador do meu local de trabalho, e sair de lá a cheirar ao "Opium" da drogaria do Sr. Mendes, porque alguém decidiu tomar banho naquilo e empestar tudo à sua volta. É corriqueiro ficar com dores de cabeça, só de me aproximar de algumas das pessoas com quem partilho o espaço de trabalho, tal é a quantidade de perfume que carregam. O contrário também acontece, às vezes paira um cheirinho a suor requentado que não se aguenta. Fazer o quê? Incluir na lista dos deveres dos trabalhadores o banho matinal?

 

Chateia-me que haja códigos que impõem determinadas regras de vestuário, mas chateia-me ainda mais que sejam precisos esses códigos. Estamos a perder o senso comum e o discernimento. Liberdade? Sem dúvida. Sempre. Mas liberdade significa anarquia? E a liberdade dos empregadores? Não estão no direito de não quererem ser representados por pessoas que não correspondem à imagem que pretendem transmitir?

 

E, convenhamos, a blogosfera masculina incendiou-se com a coisa, porque imaginava a Scarlett Johansson atrás do balcão da loja do cidadão. Se tivessem imaginado antes a D. Miquelina, mãe de 3 filhos, avó de 4 netos, a seguir pela enésima vez a dieta milagrosa da seiva da vida para perder em 3 semanas os 25Kg que tem a mais, se calhar não se incendiava tanto. Vá, acendia um fósforo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alguém pega nisto, por favor?

por jonasnuts, em 15.01.09

Vejo hoje no 100nada um apelo. É credível (ou não estaria no 100nada), pelo que quero colaborar.

 

Alguém com Blog no SAPO me pega nisto e põe num post para eu poder destacar?

 

É que eu estou limitada, há uma regra fundamental e inquebrável nos destaques, que proíbe que este Blog alguma vez seja destacado no SAPO (sim, a regra é minha), pelo que não posso ser eu a chegar-me à frente. Digam qualquer coisa aqui nos comentários. Muito agradecida.

Autoria e outros dados (tags, etc)






Arquivo