Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Pontaria

por jonasnuts, em 13.11.14

Está provado. Tenho pontaria certeira.

 

Então, depois de finalmente conseguir encontrar o Fahrenheit 451 (auto-link), o puto já o despachou, evidentemente.

 

Ainda ele estava a começar, já eu estava à procura do próximo da lista. A Fundação, do Isaac Asimov.

isaac_asimov_png__450×447__and_Inbox_—_jonas_co_sapo_pt__66513_messages_.jpg

 

Não é só um livro, são pelo menos 7. Sempre me daria algum descanso enquanto o puto lia a coisa.

 

Eu não sou esquisita. A única coisa que preciso é que seja em português de Portugal. Não ando à procura da edição xpto três vezes nove vinte e sete, noves fora nada, vintage, autografada.

 

Não há. Nem em livrarias físicas, nem online, nem em alfarrabistas (online) nem no OLX nem no Custo Justo, nem no raio que os parta.

 

Jonas, dizem-me vocês, tu és uma esquisitinha que só queres coisas que não lembram nem à cabeça de um tinhoso. Epá, pois, é possível. Mas o Asimov não é assim um desconhecido tão grande. Usando um argumento muito relevante nos dias que correm, já viu a sua obra adaptada ao cinema por mais do que uma vez. 

 

Mais, no Brasil, parece que a coisa é até pujante. Há edições com menos de 5 anos. E à venda. Sem estarem esgotadas há anos.

 

O que é que me vai safar, desta vez? Um amigo que vai à arrecadação buscar um caixote e olhar lá para dentro, para ver se descobre as coisas e o facto de já ter feito o pedido do cartão da biblioteca.

 

E link para o pdf ou para o mobi, Jonas, encontraste? Sim, com relativa facilidade (embora apenas para versão de português do Brasil que para este caso não me interessa).

 

Ai, mas o negócio dos livros está muito mau, as pessoas não compram, coitadinhas das editoras, que não conseguem sobreviver, e tudo por causa das fotocópias, e temos todos de fazer um esforço, para que a cultura não morra. Porque se não salvarmos as editoras, e os autores, e os intermediários, estamos todos perdidos.

Olhem, senhores. Trabalhem mazé. Não é normal, eu passar a vida a querer comprar livros que vocês não têm para vender. Mas depois queixarem-se da falta de vendas. Claramente, andam a tentar vender as coisas erradas.


Autoria e outros dados (tags, etc)



13 comentários

Sem imagem de perfil

De wapy a 13.11.2014 às 14:52

Verdadinha, aconteceu-me o mesmo :/ Fartei-me de procurar Asimov em Português, mas só encontrei uma colectânea num alfarrabista do Porto.

Mas foi o único, o resto (incluindo a Fundação) tive de comprar em Inglês ou passava-me ao lado para sempre.
Sem imagem de perfil

De Carlos Rodrigues a 13.11.2014 às 15:46

A ficção científica em Portugal parece ser tabu ou assim... Não só as editoras não editam versões portuguesas, como é praticamente impossível encontrar as edições em inglês nas livrarias.

Já histórias de vampiros...
Sem imagem de perfil

De Diogo Rodrigues a 13.11.2014 às 16:01

E que tal ir às Bibliotecas Municipais de Lisboa?

Eles têm esse, de acordo com o catálogo online.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 13.11.2014 às 16:03

"O que é que me vai safar, desta vez? Um amigo que vai à arrecadação buscar um caixote e olhar lá para dentro, para ver se descobre as coisas e o facto de já ter feito o pedido do cartão da biblioteca."

:)
Sem imagem de perfil

De Diogo Rodrigues a 13.11.2014 às 16:04

Ia jurar que essa frase não estava lá quando li pela primeira vez (na diagonal admito). :)
Imagem de perfil

De jonasnuts a 13.11.2014 às 16:13

Editei o post, para corrigir o nome do Fahrenheit 451 Ao qual, por um lado, faltava um H, e por outro, estava com mais 7 graus do que os supostos. Mais nada. :)

Nunca edito conteúdo propriamente dito, ou, se o faço, identifico a edição com letras garrafais :)

Sem imagem de perfil

De Pedro Farinha a 14.11.2014 às 17:26

Jonas, tenta falar com estes

http://bang.saidadeemergencia.com/

Se há quem possa ajudar são eles
Sem imagem de perfil

De Izzie a 17.11.2014 às 10:50

Uma das melhores coisas que os meus pais me obrigaram a fazer, foi a frequentar o British Council, quando fiz 15 anos. eu não queria, pudera, achava que o inglês da escola chegava e não me apetecia trabalho extra. Mas depois fui lá, para a inscrição, e entrei na biblioteca. Um wormhole para outro universo. Aprendi imenso, li imenso, abriram-se portas para ainda hoje ler muito em inglês, tanta coisa gira que cá nunca se ouviu falar. E, ainda assim, choro lágrimas de sangue por só aos 40 ter começado a ler o Discworld, que feliz teria sido se o tivesse descoberto com 15, 16. Põe o teu filho a aprender inglês a sério, a comprar na amazon - além de que sai muito mais barato em dólares - que se o rapaz gosta de ler fc, com o inglês pode mais e melhor ;)
Imagem de perfil

De jonasnuts a 17.11.2014 às 10:57

O puto é fluente em inglês :)
Lê em inglês desde os 12, mais coisa menos coisa :) O Diário de um Banana não havia maneira de sair em português, pelo que ele escolheu ler em inglês. Fala e escreve mais inglês que português.

Onde ele tem problemas é no português, daí eu querer que ele leia em português :)
Sem imagem de perfil

De Izzie a 17.11.2014 às 12:11

Ena, já a ler em inglês desde os 12! A sério, acho fenomenal, um adolescente que gosta tanto de ler, e já tem curiosidade para procurar estas coisas.
Mas quanto ao mercado português, estamos conversados: uma tristeza. Ainda tive esperança que com a generalização de uso de e-readers e tablets começassem a apostar no livro electrónico (investiam numa boa tradução, disponibilizavam o livro, nunca mais gastavam um tostão em edições), mas nada. E o que há é a preços ridículos, já não bastava o IVA ser- inexplicavelmente - a 23%.
Enfim, já nos livros em papel a política da coisa é estapafúrdia, fazem uma edição e depois esquecem. Muitas vezes não se encontram títulos clássicos, porque estão esgotados.
Sem imagem de perfil

De João Vasco a 17.11.2014 às 13:25

Tive precisamente o mesmo problema. Uma vez fui com uma lista de cerca de 8 livros, e não existia nem um único na Fnac e na Bertrand. E se fossem livros muito esquisitos, mas um deles era a "Riqueza das Nações" do Adam Smith, e outro era "O Capital" do Karl Marx. São dos livros mais importantes e influentes, escrevem-se rios de tinta e teses de doutoramentos inteiros sobre cada linha destes livros, e nenhuma destas livrarias, nem outras onde procurei os tinha.

Minto. A Fnac tinha o segundo volume da "Riqueza das Nações", e sugeriu que o levasse (tinha um cheque presente fnac) enquanto encomendava o primeiro. Cerca de um mês depois recebo uma sms a dizer-me que afinal o primeiro volume da "Riqueza das Nações" está esgotado, e a encomenda cancelada. Bonito serviço! Melhor fora que não me tivessem impingido o segundo volume (e eu feito parvo lá fui na conversa, para no fim me darem o trabalho adicional de lá voltar a devolver esse livro).

Eu nem queria acreditar nesta miséria. Pergunto-me se é possível encontrar a Bíblia, ou se tiveram de reservar lugar nos stocks para a "Fórmula de Deus" ou o último êxito da Margarida Rebelo Pinto.
Sem imagem de perfil

De Francisco Bento a 17.11.2014 às 20:00

Editora Livros do Brasil, Colecção Argonauta Gigante nºs 1, 3, 5, 7, 12, 13 e 14.
Há poucos minutos não encontrei, no site, indicação de que estivessem esgotados
Sem imagem de perfil

De Ana a 20.11.2014 às 00:27

Já tentaram a Livraria Europa-América ? Quando eu tinha a idade dele era o único sítio onde conseguia encontrar ficção científica em português (depois desisti e comecei a ler em inglês). Aquilo agora está super deprimente, mas livros ainda têm e é perto do Saldanha.

Comentar post






Arquivo