Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Os chico-espertos do plágio

por jonasnuts, em 28.03.16

A história não é, infelizmente, original, nem é, sequer, pouco frequente, pelo contrário. Mas é sempre bom, desmascarar os abutres dos conteúdos, que nascem e proliferam como cogumelos, nos dias que correm.

 

Há pouco mais de 8 anos, o Vítor Santos Lindegaard escreveu um post no seu blog

 

Até aqui nada de novo.

 

No dia 29 de Janeiro de 2016, portanto, quase 8 anos depois do post original ter sido escrito, um site chamado ncultura publica um post, a que dá o título de "10 particularidades que provam que os lisboetas também têm sotaque".

 

Não é um copy/paste, mas a cópia é óbvia. Tão óbvia que há quem se lembre de ter lido o post original, há 8 anos, e dê pela coisa. 

 

É feito um post no Facebook. E depois outros. E a malta está irritada, pois claro.

Alguém vai ao artigo e deixa um comentário, que não é aprovado.

Alguém sugere que se comente na página do Facebook do nculttura.

Alguém comenta na página do Facebook do ncultura.

O comentário é apagado.

Novo comentário. 

Nova remoção.

Ban.

Outra pessoa comenta.

Comentário apagado.

 

E depois, misteriosamente, aparece no rodapé do post plágio "Fonte parcial: Português de Lisboa: ao que isto chegou…".

Como se lá estivesse estado desde sempre.

 

Vamos lá ver. Copiar um post, transcrevê-lo quase na íntegra e colocar no rodapé a "fonte parcial" não branqueia o plágio, senhores do ncultura. Mesmo que com link. Mesmo que lá estivesse estado desde o princípio. 

 

E não estava, como qualquer pessoa com um mínimo que conhecimentos consegue provar, bastando para isso que vá ao webarchive.

 

sotaque.jpg

 

E quem são os senhores do ncultura, perguntarão vocês?

 

Pois que não sei. O domínio foi registado em Outubro de 2015 em nome duma empresa chamada Draftnatura Lda, com sede no Porto, e um senhor responsável que, presumo, se chame Rui Videira e tem um mail netcabo. A entidade que gere o domínio é a Amenworld, Serviços Internet - Sociedade Unipessoal, Lda, que é a mesma entidade que registou o domínio  amen.pt esse mais conhecido, para já, que o ncultura. 

 

E é só isto que eu sei.

 

Minto.

 

Sei mais coisas. Sei que os senhores fazem parte do moderno conceito de abutres de conteúdos alheios, com vista ao lucro sobre trabalho dos outros. Sei que fazem parte da crescente manada de chico-espertos que acham que podem fazer o que lhes dá na real gana, não sendo nem sérios nem honestos.

 

Adicionar o link tarde e a más horas, depois do tempo de vida útil do artigo, quando já facturaram a publicidade associada e apenas e só porque alguém vos descobriu o roubo não melhora a coisa, na minha perspectiva, pelo contrário.

 

Fazer bem, é simples.

 

Contactem os autores dos conteúdos que pretendem publicar no vosso site. Perguntem se podem. Partilhem receita. 

 

Se sim, sim, se não, não. Tão simples como isso.

 

Há ferramentas que permitem identificar plágios. Tenho séria curiosidade acerca dos resultados que obteria, se colocasse todos os posts do ncultura aqui.

 

A ver se arranjo um bocadinho, para satisfazer a minha curiosidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Jorge a 28.03.2016 às 15:08

O Copyscape seria bem mais útil se não me dissesse que tenho o site lampadamagica.blogspot.pt todo copiado em... lampadamagica.blogspot.com

Dâã!

E vá lá não me dizerem também que houve um malandro que o copiou também para lampadamagica.blogspot.fr já não é mau.
Imagem de perfil

De João Gaspar a 29.03.2016 às 03:15

já arranjaste o bocadinho? fiz o teste aleatório a dois textos do ncultura e são os dois plágio de site brasileiro. :)
Imagem de perfil

De Helder Robalo a 31.03.2016 às 15:08

Não o faço com muita frequência, mas gosto de te ler. Nomeadamente neste tipo de posts.
Ainda há dias, falando para alunos de um curso de Ciências da Comunicação sobre gestão de crises mediáticas recordava o teu caso da Ensitel. Passado tanto tempo, parece que há gente que ainda não aprendeu o poder das redes sociais. Para o bem e para o mal.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 31.03.2016 às 15:22

É impressionante como caso da Ensitel ainda continua a ser usado. A verdade é que não há mês que não seja convidada para ir dar uma aula, ou fazer uma apresentação da coisa :)

Imagem de perfil

De Helder Robalo a 06.04.2016 às 09:37

O caso foi histórico pelo impacto mediático que teve e por mostrar a uma empresa em Portugal, pela primeira vez, a força que as redes sociais podem ter quando se reage a uma crítica de um cliente de forma tonta, como foi o caso deles.
Como eu costumo dizer, e nessa aula o referi, muitas empresas continuam a querer resolver os problemas com os serviços jurídicos. E só quando corre mal e lhes foge ao controlo se lembram das Relações Públicas.

Bjs

Comentar post






Arquivo