Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Ainda a minha avó Zita

por jonasnuts, em 02.10.16

VoZita2.png

A propósito do meu post de ontem (auto-link), sobre a minha avó, chega-me uma mensagem de um querido amigo (e colega) da minha mãe. Não interessa quem. Ele que se acuse se quiser :)

 

Deu-me a conhecer um episódio que eu desconhecia, sobre a minha avó. Anos antes de se ter cruzado com a minha mãe.

 

"A propósito de "somos quem somos"; após uma tentativa de assalto da PIDE à sede da CDU - gorada graças à iniciativa do Ary dos Santos, que os distraiu com o conhecido chamamento dos galináceos: pi,pi,pi - os presentes na reunião fugiram cada uma para seu lado. Eu enfiei-me no Roma, ali perto, onde a sua avó me acolheu [escondeu] na bilheteira.

Só posteriormente, quando trabalhei com a Olga e, por acaso, contei-lhe esta "aventura", vim a saber quem era a minha "salvadora."

 

Não me surpreende, a atitude da minha avó.

 

Trabalhou muitos anos na bilheteira do cinema Roma, e depois no Avis e por último no Estúdio 444 (muito filme vi eu à pala). Acérrima defensora dos direitos das mulheres e dos direitos dos trabalhadores, era sindicalizada, e muito envolvida nas actividades do sindicato. Delegada sindical.

 

Muito à frente, a Zita Pereira.

 

Obrigada OM, pela partilha :)

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



3 comentários

Sem imagem de perfil

De AB a 12.10.2016 às 21:48

As fotos da minha avozita são de outra realidade. Vestido negro, avental, lenço negro na cabeça. A vida do campo não tinha glamour.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 13.10.2016 às 07:31

Mais parecidas com as da minha outra avó :) Eu tive as duas realidades (sem a parte do campo, que estava tudo em Lisboa).
Sem imagem de perfil

De AB a 16.10.2016 às 21:55

Tenho muitas saudades da minha avó. A casa dela era iluminada a lampião, não tinha água corrente, e a casa de banho era no fundo do quintal. Mas havia sempre um bom lume e muito amor. O dia começava a lavar a cara num daqueles lavatórios de loiça, com um jarro de água gelada que até deixava a pele a deitar fumo, e terminava ao lume, a ouvir as histórias do meu avô. Quando ouço as queixas da minha filha sobre o que ela acha que lhe falta e acha básico gostaria de ter uma máquina do tempo e levá-la até lá.

Comentar post






Arquivo