Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Nicles, égalité, fraternité

por jonasnuts, em 13.12.13
Aparentemente, França aprova espionagem na Internet sem necessidade de autorização e em tempo real.
É o que diz a notícia do Público.
Mes amis, vous etes fôdidossss.

(Com um agradecimento à Shyznogud e à Catarina M. por me terem apresentado às complexidades do calão francês)

Autoria e outros dados (tags, etc)



6 comentários

Imagem de perfil

De pedrocs a 13.12.2013 às 11:30

"fôdidoss"?

"Vous êtes niqués!"
Imagem de perfil

De jonasnuts a 13.12.2013 às 12:06

Desisti de tentar traduzir, tendo em conta as opções..... se faire baiser, enculer, foutus, há muitas possibilidades.
Imagem de perfil

De pedrocs a 13.12.2013 às 16:13

Tinhas que ir ouvir rap francês.
Sem imagem de perfil

De Ricardo Gomes a 13.12.2013 às 16:32

Obrigado por fazeres com que acabe esta semana a rir que nem um desalmado. O que uma simples frase faz :-)
Sem imagem de perfil

De André Jesus a 13.12.2013 às 18:09

melhor admitir do que ser-se ignorante ao ponto de pretender que não.
Sem imagem de perfil

De AB a 27.12.2013 às 23:20

Jonas, vou contar-te uma história de embalar.
Os EUA sempre gostaram de espiar o pessoal. Era impraticável espiar toda a gente, saía caro, por isso espiavam-se apenas uns milhões. Além disso, mesmo com as alterações legais pós-11 de Setembro, não se podia espiar toda gente, ainda havia algumas normas de bom-senso.
Como é que se pode espiar toda gente sem gastar dinheiro e sem infringir a lei?
Bem, toda minha gente está a pôr tudo no Google, Facebook, Twitter, e afins.
O Google, para só citar esse, trabalha com algoritmos de busca gentilmente cedidos pelos militares. O que se passa é que se pode espiar toda gente, desde que toda gente concorde, ou seja, quando carrega no botanito "accept", "concordo", etc.
E está lá, enterrado na nonagésima página que ninguém lê - alguém lê aquilo?
É o futuro. Espia-se e ainda se recebem uns royalties. Foi assim que ma contaram é assim que ta conto. Porque faz sentido.
Abraço.

Comentar post






Arquivo