Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Os filhos fictícios e os filhos da puta

por jonasnuts, em 28.08.12

Acabo de ver na SIC Notícias uma "notícia" com um título sugestivo :) "Fisco admite que milhares de filhos declarados até 2009 eram fictícios"

 

Há 2 coisas que me custam, nesta notícia. Uma mais que outra.

 

Chateia-me que a SIC Notícias apenas debite informação proveniente do Ministério das Finanças, sem se preocupar sequer em questionar aquilo que está escrito. Mas esse é o mal menor....... não sou cliente da SIC, portanto, a probabilidade de vir a ser enganada por um notícia da SIC é reduzida. Aliás, a bem dizer, a probabilidade de vir a ser enganada por uma "notícia" de qualquer órgão de comunicação social tradicional, é reduzida. É uma fonte que cada vez uso menos.

 

Acima de tudo, chateia-me que os alegados deficientes mentais do Ministério das Finanças, debitem informação enganosa, ou, pior, que mesmo após terem sido contactados por uma série de pessoas, ainda não tenham acordado para a porra do problema que causaram com a merda da obrigatoriedade de inclusão do número de identificação fiscal das criancinhas, sobretudo quando a presença da criancinha apenas pode acontecer na declaração de um dos progenitores.

 

A porra do Estado, ainda vive no início do século passado, ainda acha que TODAS as crianças vivem com o pai e com a mãe, e já agora, que a mãe fica em casa, enquanto o pai, o chefe de família, trabalha para providenciar o sustento dos dependentes.

 

A merda do ministério das finanças, ou o governo, ou seja lá quem for que tenha aprovado esta lei acéfala, deixou de lado TODOS os pais que partilham as despesas dos filhos que têm em comum e que, naturalmente, querem deduzir nas respectivas declarações.

 

Desapareceram das declarações? Pois desapareceram....... só daqui de casa, há 3 desaparecidos.

 

E a falta de preparação dos funcionários a quem coloquei a questão é extraordinária, como aliás, já tive oportunidade de descrever no passado (auto-link).

 

E aquele endereço de mail do Ministério das Finanças para onde enviamos as perguntas sobre este tipo de dúvidas, e que é obrigado a responder, e cuja resposta vincula o Ministério das Finanças? Estão-se cagando, e não respondem. Aliás, as finanças mandam-me muitos mails, mas responder aos meus, está quieto.

 

Filho fictícios....... a bem dizer, não conheço nenhum (apesar de ter pelo menos 3 na minha família mais próxima), já filhos da puta, é ao contrário, não tenho nenhum na família, mas conheço muitos (por acaso..... pensando bem, até tenho um filho da puta na família, mas isso agora não interessa para nada).

Autoria e outros dados (tags, etc)



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Ognito a 29.08.2012 às 15:42

Glorioso o último parágrafo do texto... :)
Sem imagem de perfil

De antonio diogo a 30.08.2012 às 20:19

eis um produto que pode ser que dê jeito à mãe da criança ( a tal , que não interessa nada ) ehehehe
http://www.youtube.com/watch?v=vPayFrCOiZM&feature=share
Sem imagem de perfil

De Zé Metralha a 04.09.2012 às 16:58

O que eu me ri com este seu artigo! Não pelo conteúdo em si, que até é um assunto sério, mas pela "ordinarice" da escrita... É que eu também cheguei à (triste) conclusão que só sendo "textualmente ordinário" a escrever, neste quintal à beira-mar plantado, país de doutores e engenheiros (des)qualificados e com turbo-licenciaturas lusófonas, as pessoas, o povão, entende o que eu pretendo dizer ou explicar! Utilizo precisamente o seu tipo de desbobinamento linguístico que, embora não esteja contemplado no Enterro Ortographico, é facilmente absorvido e compreendido por todos: os letrados, os iletrados, os burros, os estúpidos e os casmurros, os inteligentes e aqueles que se fazem a qualquer coisa mas que infelizmente são iguais a ZERO! Ah! E vou gamar-lhe este artigo para o meu Blogui mas com o devido © e endereço para aqui direccionado. Continuação do bom trabalho! :)))

Comentar post






Arquivo