Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Caro Al Gore

por jonasnuts, em 17.06.12

Noutro dia estive a ver o seu "documentário": Uma verdade inconveniente. Tarde, bem sei, já o começou a promover há muito tempo, e são também já muitos os prémios que ganhou com a coisa.

 

Fui ver o documentário porque acredito no aquecimento global. E, repare, o senhor não foi a única pessoa, ou sequer a primeira, cuja opinião recolhi. Portanto, quando fui ver o seu "documentário", já era uma convertida à causa.

 

Sou toda pela ciência, e pelos factos, e o método científico usa uma metodologia que me atrai. Mas, do método científico, faz parte o espírito crítico. Basicamente, tente não emprenhar pelos ouvidos,. E sou preconceituosa, o que diz muito sobre as contradições que em mim habitam. O preconceito não encaixa no espírito científico. Mas eu não sou uma cientista, posso dar-me a estes pequenos luxos. Já o senhor, não sendo um cientista, gosta de subir aos palcos para receber prémios como se de um cientista se tratasse, e não um mero porta-voz de terceiros. Nada contra quem faz de hub entre a comunidade científica e o resto do mundo, mas quem é porta voz também não pode emprenhar pelos ouvidos.

 

E esta história do preconceito vem a propósito duma idiossincrasia minha. Por exemplo, a revista da DECO proteste faz uns artigos em que avalia produtos e serviços. Se a avaliação que faz de produtos que eu conheço é má, deixando de lado aspectos importantes e integrando outros de menor importância, isso faz com que eu não confie na informação que a mesma revista imprime, acerca de produtos que eu não conheço.

 

Outro exemplo, se uma pessoa dá erros de ortografia, persistentes, eu tendo a desvalorizar aquilo que ela diz.

 

Manias.

 

E é isso que me leva a escrever-lhe esta cartinha. Ali por volta dos 28m30s do seu "documentário", o senhor descreve os efeitos da onda de calor que assolou a Europa em 2003. Nomeadamente, o número de mortos por essa Europa fora. E eu vejo ali o nome do meu país. Portugal. O problema é que à frente do nome do meu país, está assinalado o número de mortes durante essa onde de calor de 2003. Treze mil mortos (13.000).

 

Ora.... eu vivo em Portugal. Sempre vivi. No Verão de 2003 eu estava em Portugal. A bem dizer, não me lembro se fez calor ou se fez frio. Mas, do que me lembro com clareza, é de que NÃO morreram 13.000 pessoas.

 

O seu "documentário" para mim, acabou ali. Não lhe prestei mais atenção, e tudo o que tinha ouvido naquela primeira meia hora foi apagado do meu cérebro. Porque não é com aldrabices que se sustenta um argumento. E se aldrabou com aquilo, o que é que me garante que não tenha aldrabado com o resto? Lá está, o preconceito. Só houve uma coisa que não se varreu da minha memória, o erro, grosseiro. Para o associar a si (prevenindo futuras gravidezes auriculares) e para escrever este post.

 

Um porta-voz valida os factos, antes de os divulgar. Ok, não tem pedal para validar as coisas todas? Peça a uma equipa independente que lhe valide os factos. Bem sei que Portugal é um país pequenino, a que ninguém liga nenhuma, mas, por isso mesmo, por sermos pequeninos, é que a morte de 13.000 pessoas NUNCA passaria despercebida, daria notícias e notícias e notícias.

 

Recomendo vivamente que faça o seu trabalhinho de casa, numa próxima oportunidade. Não por mim, que dificilmente me voltará a conquistar. Mas, eventualmente, por outros, e já agora, a bem da verdade, da ciência e dos argumentos de que é porta-voz.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



20 comentários

Sem imagem de perfil

De João Lúcio a 17.06.2012 às 02:06

Nada a que o Google não responda:
http://www.cdi.ensp.unl.pt/docbweb/MULTIMEDIA/RPSP2004-2/2-01-2004.PDF
http://ec.europa.eu/health/archive/ph_information/dissemination/unexpected/wave1.pdf

São entre 1800 e 2000. Mas o curioso é que os restantes números batem certo com a informação reunida na Wikipédia (que não os dados de Portugal): http://pt.wikipedia.org/wiki/Onda_de_calor_de_2003_na_Europa#Pa.C3.ADs_a_pa.C3.ADs

Cépticos Unite! :)
Imagem de perfil

De jonasnuts a 17.06.2012 às 12:06

Eu não sou uma céptica em relação ao conceito do aquecimento global........ sou é uma céptica em relação a "documentários" que apresentam dados errados (seja por descuido seja pelo que for :)
Sem imagem de perfil

De João Lúcio a 17.06.2012 às 12:24

Deu para perceber. Eu sou céptico por natureza face a toda a informação que me dão. Sobretudo se não estou por dentro do assunto ou se não me são demonstradas as informações.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 17.06.2012 às 12:28

Neste caso, eu nem sou uma céptica, na medida em que há várias fontes, credíveis, que mostram que, de facto, estamos a aquecer. Globalmente.

Mas é preciso fazer a selecção das fontes, e essa selecção faz-se pondo em causa e confirmando (ou não). O que se passa é que para a maioria das coisas, as pessoas não têm tempo para fazer, elas próprias, a pesquisa, e o levamantamento e análise dos dados, portanto, têm de se fiar nos porta-voz. E fiam-se.
Sem imagem de perfil

De Goncalo Silva a 17.06.2012 às 02:42

Foram cerca de 1300, deve ser um typo
Sem imagem de perfil

De Teresa a 17.06.2012 às 11:06

13000 não morreram mas lembro-me muito bem do Verão quente de 2003 (também me lembro do outro Verão Quente) e uma das memórias desse Verão é a de uma viagem pela A2 e A1, com dezenas, não estou a exagerar nem a dar erros ortográficos, de carros avariados nas bermas devido ao calor. Nunca tal tinha visto nunca mais tornei a ver.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 17.06.2012 às 12:04

Eu não me lembro de nenhum Verão particularmente mais quente, nem do de 2003, porque, estive a fazer as contas e percebi que na altura morava em Sintra, mais exactamente no Magoito, e o microclima da coisa fez com que a onda de calor me passasse ao lado. Isso e o facto de eu não ser muito sensível a temperturas mais altas (sou friorenta, mas não calorenta :)
Sem imagem de perfil

De Teresa a 17.06.2012 às 12:19

Também sou friorenta, ou pensava que era antes de conhecer certas pessoas, mas esse foi o primeiro Verão que passei no Algarve sem ser de férias e até perceber que tanto calor até aqui era excepcional ponderei seriamente voltar para os lugares mais frescos de onde tinha vindo. Foi, verdadeiramente, infernal.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 17.06.2012 às 12:25

Acredito que sim, quanto mais não seja, pela quantidade de pessoas que me caiu em cima por eu dizer que não me lembro de um Verão especialmente quente em 2003 :)

Mas não é isso que está aqui em causa :)
Imagem de perfil

De PortoMaravilha a 17.06.2012 às 14:03

Ola',

Eu ja' vi ha' alguns anos o filme de Al Gore que, evidentemente, nao é segredo de estado, defende o recurso à energia nuclear.

O verao de 2003 foi efetivamente muito quente aqui. Nao foi o calor em si quem matou as cerca de 20 mil pessoas em França... Foram os mais debeis que faleceram porque nao existem estruturas para lutar contra tal tipo de situação. Por exemplo, nem todos os hospitais te^m ar condicionado, etc.

Nao conheço a situaçao da imprensa Portuguesa... nao sei se existem publicaçoes independentes de grupos financeiros ou de interesses outros...

Eu creio que a problematica do aquecimento global é ja' uma realidade aceite cada vez mais

Revelante é ver (mas posso me enganar) as migraçoes e as transformaçoes que estao a ocorrer quanto à fauna e flora. Tanto mais que essas modificaçoes estao causar a criaçao de novos desequilibros entre ricos e pobres.

Nuno
Imagem de perfil

De jonasnuts a 17.06.2012 às 15:20

Eu não ponho em causa o aquecimento global e os seus malefícios, e, apesar de me ter passado ao lado, já me disseram que o Verão de 2003 foi de facto extraordinariamente quente.

Mas, do que tenho a certeza absluta, é de que em Portugal, naquele Verão, não morreram 13.000 pessoas devido à onda de calor.
Sem imagem de perfil

De DEMS a 17.06.2012 às 19:36

Para sustentar melhor o seu argumento faltou-lhe indicar os dados onde se baseou para garantir que o documentário estava errado.
Não basta dizer que tem a certeza que algo está mal, é preciso comprovar. Foi o que fez o João Lúcio no seu comentário.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 17.06.2012 às 20:20

Por isso é que eu defendo que a riqueza do meu Blog está mais nos comentários do que nos posts.

Mas, deixe-me argumentar ao contrário........ na realidade, para este blog, basta que eu tenha a certeza de algo. Afinal de contas, é um blog pessoal, não é um documentário com prémios, nem eu tenho aspirações a cientista :)
Sem imagem de perfil

De AB a 19.06.2012 às 00:17

Tenta cruzar vídeos. O Collapse, Home e Inside Job de certo modo tratam do mesmo - e deixam um tipo de rastos, principalmente o Collapse.
Abraço.
Imagem de perfil

De Joãozinho a 22.06.2012 às 00:46

Em Espanha morreram 100 e em Portugal 13000... claro que sim.
-_-
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.06.2012 às 09:48

Hello!



MAC
Sem imagem de perfil

De Jorge a 11.07.2012 às 22:25

Todos os dias morrem pessoas. Como é que se conclui que, se não tivesse havido calor, essas pessoas não teriam morrido na mesma, fossem 13000 ou 1300?

Quanto ao aquecimento global, não coloco as coisas em termos de acreditar ou não. Isto não é uma questão de fé. Ou existe ou não - e eu não tenho resposta para isto. Lembro, por exemplo a mini-idade do gelo que existiu entre os séculos 16 e 19, a qual foi uma alteração significativa das condições meteorológicas de então. Estaremos a viver uma outra alteração? Não sei.

Mas o que me levou a comentar foi essa constatação sobre a DECO, que já há tempos me havia levado a idêntica conclusão. Por isso, as mesmas dúvidas tive com esse documentário. E dúvidas semelhantes me assaltam quando coisas como a mini idade do gelo são simplesmente postas de lado.


PS: espero não ter cometido erros ortográficos. Mas a existirem, serão do android, que eu raramente me engano e nunca tenho dúvidas. :-)
Sem imagem de perfil

De Jorge a 11.07.2012 às 22:32

He he he
Sem imagem de perfil

De Luís Martins a 04.06.2013 às 17:48

Sem entrar no debate do cerne do post, queria só dizer que se passou comigo um fenómeno semelhante ao ler a primeira edição de um romance histórico que se vendia por aí há poucos anos. O dito livro, que infelizmente comprei, passava-se em 1907 ou 1908 e logo nas primeiras páginas surgia, reluzente, um belo e eficiente terminal de telex. Pronto! Dei a leitura por concluída e o livro ainda anda lá por casa à espera de um dia em que faça falta para acender uma lareira.

Acho que nas edições seguintes retiraram o telex mas, para mim, foi tarde demais.

Comentar post






Arquivo