Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Politicamente correcto

por jonasnuts, em 01.04.12

O politicamente correcto assusta-me. E não é de agora.

 

Vem isto a propósito dum tema que não aprofundei, acerca do qual li apenas alguns títulos de jornais (que valem muito pouco), e aflorei o tema no início duma reunião de trabalho, sabem, aquela parte das reuniões em que se faz conversa de circunstância, à espera dos retardatários.

 

Aparentemente estava marcado um concerto dum jovem que nas letras das músicas tem comentários homofóbicos. Já havia historial doutros concertos do mesmo jovem, cancelados.

 

Pelos vistos, cancelou-se o concerto em Portugal.

 

E eu acho mal. Acho mal porque me retiraram o direito de boicotar o concerto. Acho mal porque a liberdade de expressão é para toda a gente, e não apenas para aqueles que dizem o que nos agrada. Acho mal, porque além de terem silenciado as alarvidades do senhor, silenciaram também todas as pessoas que NÃO iriam ao concerto, como forma de protesto.

 

Ah, mas incitava à violência, nas letras das músicas e isso não pode ser.

 

Ok, então vamos seguir o mesmo critério em relação a todas as letras que incitem à violência?

 

Bora.

 

Comecemos pelo princípio.

 

Contra os canhões, marchar, marchar.

Autoria e outros dados (tags, etc)



15 comentários

Imagem de perfil

De Luis Soares a 01.04.2012 às 13:32

Eu até percebo o teu ponto de vista, mas neste caso até havia uma questão de legalidade. Alguém que grita "Morte aos maricas" num concerto está a violar a lei, da mesma forma que alguém que grita "Morte aos pretos" ou "Morte às mulheres". Bom, morte seja a quem for. É claro que seria muito mais divertido prendê-lo em palco, mas aí ia só dar-lhe mais manchetes do que ele merece.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 01.04.2012 às 13:35

Mas fazem isso com todos os artistas que gritam morte a isto? Ou só aos que dizem morte a algo que não queremos que seja morto?

Essa (e só essa) é a minha questão.
Sem imagem de perfil

De AB a 01.04.2012 às 17:04

Tenho de concordar contigo. Sempre que se fala de liberdade de expressão e se coloca um asterisco à frente, ela deixa de existir.
Não sei quem é o artista, mas quem teve medo dele? Tem um público? O público concorda? A solução é ignorar o assunto e nem ver que tipo de adesão tem essa mensagem? É um bocado enterrar a cabeça na areia. Mas proíbir foi sempre mais fácil que educar.
Deixassem o tipo vir, quem quisesse assistisse, e que fossem tiradas as devidas conclusões. Se há em Portugal quem queira ver os homossexuais mortos, o menor problema é o concerto. Acho eu.
Ou então comecem por aí, e vão até à censura total (e note-se como, em nome da estabilidade, da paz social, etc., para lá caminhamos), porque haverá sempre mensagens que não agradam a alguém .
Há dias vi no JN uma entrevista com um comentador económico americano que viu filas de pessoas a levantar o seu dinheiro dos bancos na sequência da falência do Lehman e da AIG. Ele foi proíbido de publicar (mais ninguém publicou, diga-se), porque a notícia de que gente - de Wall Street - estava a retirar o dinheiro dos bancos à pressa podia desencadear um pânico global de consequências inimagináveis (mesmo).
Estas coisas dão origem a conversas muito mais longas do que aquelas antes do começo de reuniões.
Que farias nesse caso Jonas? Deixavas publicar e fazias colapsar todo o sistema bancário mundial, ou não?
Fico curioso à espera da resposta : )
Imagem de perfil

De jonasnuts a 01.04.2012 às 18:33

A verdade é que não te consigo responder se deixava publicar ou não. Isto para ser completamente honesta.

Porque se eu estivesse em posição de deixar publicar ou não, seria uma pessoa diferente.

É fácil, para mim, neste momento, dizer que sim senhor, que deixava publicar, porque o sistema bancário mundial, assim como assim já está colapsado, e está a ser mantido artificialmente (?) à custa de todos os que não souberam da coisa, e não puderam levantar o dinheiro a tempo.

Mas eu não percebo nada de economia :)

Por princípio, sou contra a censura, e contra as limitações da liberdade de expressão. Mas também tenho os meus limites :)
Sem imagem de perfil

De AB a 02.04.2012 às 00:11

Mas sabes o que eu acho deveras curioso? É que essas imagens nunca apareceram. Caramba, NY, uma corrida aos bancos em Wall Street, e não havia ninguém com um telemóvel? Uma coisa é um Governo ordenar ou pedir a um editor que não se publique. Tinham razões fortes para não o fazer. Não digo boas, mas eram fortes. Outra coisa é um, ou mais Governos conseguirem que não aparecesse nada no YouTube. Há talvez uns 15 ou 20 anos li um livro chamado "Os novos poderes". Quando a internet era uma criança houve quem escrevesse preto no branco, que quem controlasse as redes controlava a informação. E numa sociedade de informação, isso é controlar tudo. Nesta briga contra a ACTA e equivalentes, não posso deixar de pensar nas imagens que nunca vimos no YouTube. Até onde vai, já hoje, o controle da informação?
E, para terminar, eu não deixaria, na altura, publicar. Não se pode brincar com fósforos mergulhado em gasolina até ao pescoço.
Sem imagem de perfil

De Luís Carvalho a 01.04.2012 às 17:23

PC e censura (daquela do lápis azul) andam quase sempre de mãos dadas. Em nome da defesa disto ou daquilo, cometem-se injustiças e agravos maiores do que as ofensas que se pretendem evitar.

Não sei quem é o dito "artista", há uma probabilidade virtualmente próxima de 100% de eu não ir aos concertos dele, mas, esta atitude de "mãe galinha" é mais insultuosa que os dejectos verbais do dito.

Afinal, sou um adulto, com direito a escolher o que quero ou não quero, ou continuo a ser um menino de barbas brancas e careca que precisa de ser "protegido" dos "papões"?

Detesto esse tipo de mentalidade, as paredes são mesmo para a gente marrar com a cabeça nelas. Sobe-se a sítios altos para cair com mais estilo. Derrapa-se nas curvas para fazer trambolhões espectaculares , a vida é feita de riscos, amolgadelas e fracturas. Não há mesmo outra solução para aprender os nossos limites e os dos outros.

Quando alguém se arma em protector pró-activo apenas limita a aprendizagem e a expressão dos outros. Proibir, em nome do Politicamente Correcto é passar atestados de incompetência a TODOS.
Sem imagem de perfil

De ah e tal a 01.04.2012 às 17:24

morte à manteiga de amendoim!
Sem imagem de perfil

De Xaquín a 01.04.2012 às 20:12

A min gústame a manteiga de améndoas, pero máis me gusta a libertade de expresión dos que a odian...e que me deixen comela...
Sem imagem de perfil

De Fernando Vasconcelos a 02.04.2012 às 08:52

Pois é uma boa questão. Não conheço as letras (nem sei se me atrevo a classificá-las dessa forma mas ... ) e desconheço se a causa do cancelamento foi o teor ou a legalidade das mesmas. Se foi pelo teor caso arrumado, toda a razão Jonasnut: Deveriam deixa-lo pregar as suas insanidades.

Se as mesmas forem ilegais então na verdade creio que os organizadores do concerto têm duas hipóteses. Consideram que o statement que é feito é importante para a sociedade e devem manter o concerto e aceitar as consequências ou pelo contrário pensam que não é assim tão importante e preferem não assumir o risco.

Isto para já não falar da perspectiva económica dos promotores que desculpem-me mas também tem de ser considerada.

Tudo junto fico com pena de o terem cancelado porque na verdade me retiraram também a mim a oportunidade de boicotar mas não me parece um grave abuso contra a liberdade de expressão. Ele (o artista) se quiser pode com toda a certeza assumir o risco e ele próprio organizar um concerto em Portugal que não será decerto cancelado. Podem eventualmente prender o dito em palco e extraditá-lo mas duvido que proíbam o concerto.

Quanto se aplicam as mesmas regras para todos, bom infelizmente lembro-me pelo menos de um caso igualmente abjecto em que deixaram um artista "cantar" e fazer enormidades abjectas em palco, estou a falar de Marilyn Manson.
Sem imagem de perfil

De Blondewithaphd a 04.04.2012 às 11:52

Confesso que me espantei no máximo melhor sentido com o final do texto.
Lúcido. Tremendamente lúcido. Excelente texto, obrigada.
Sem imagem de perfil

De AB a 06.04.2012 às 00:18

Blonde, quais eram as letras do hino alemão antes, durante, e depois de Hitler?
Imagem de perfil

De Pedro Chichorro a 04.04.2012 às 16:29

Se calhar já alguem comentou isto, mas a versão original, pelo que me constou, era "contra os bretões" Assim já cantamos uma versão politiccamente mais correcta.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 04.04.2012 às 17:19

Mas não menos violenta :)
Sem imagem de perfil

De AB a 06.04.2012 às 00:17

Marchar contra canhões não me parece violento. Suicida, isso sim.
Sem imagem de perfil

De someone over the rainbow a 06.04.2012 às 06:21

o concerto não foi cancelado... limitou-se a mudar de sala, poisa tmn não quis ter o seu nome associado ao senhor homofóbico.

Comentar post






Arquivo