Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Pois Canté!!

por jonasnuts, em 14.05.10

Estou a ouvir. Lembro-me das letras todas. Cá em casa, ele ameaça fazer um 25 de Novembro caseiro, e pede socorro. Diz que "O PREC instalou-se na sala. As colunas queixam-se dos adufes e das gaitas".

 

Eu deliro :)

 

E acho que esta crise pode ser uma oportunidade para a música de intervenção.

Substituam umas palavras mais datadas por outras mais actualizadas e regressa tudo de novo.

 

Pois Canté!!

Enquanto anda lá no céu a cotovia

Ando a trabalhar o pão de cada dia

Para encher a pança a essa burguesia

Sempre a trabalhar

P'ro patrão gozar

Isto inté qu'há-de mudar um dia

(Pois Canté!)

 

Os políticos burgueses à porfia

Só nos sabem receitar democracia

Mas o povo é que é levado na tosquia

O senhor ministro

Tem a culpa disto

Isto inté qu'há-de mudar um dia

(Pois Canté!)

 

Tanta propaganda na telefonia

A falar na grande crise da energia

Com tanto desemprego, quem diria!

Fala o aldrabão

E ri-se o patrão

Isto inté qu'há-de mudar um dia

(Pois Canté!)

 

Quando a máquina do lucro se atrofia

A reparação é sempre a carestia

E o povo é que lhes paga a avaria

Mas o Capital

Fica sempre igual

Isto inté qu'há-de mudar um dia

(Pois Canté!)

 

Com golpaças e manobras, dia a dia

Bem nos tenta enrolar a burguesia

Eles são todos da mesma confraria

Irmãos explorados

Todos lado a lado

Isto inté qu'há-de mudar um dia

(Pois Canté!)

 

 

Desculpem lá:

 

"Quando a máquina do lucro se atrofia

A reparação é sempre a carestia

E o povo é que lhes paga a avaria

Mas o Capital

Fica sempre igual"

 

Em que é que isto não é verdade, hoje, a esta hora?

 

GAC! Regressa.

 

E as meninas e meninos que gostam de fazer covers de homenagem, NEM PENSEM NISSO.

 

E nos tops nacionais, saíam os abrunhosas e os cogumelos ou azeitonas ou lá como é que eles se chamam, e voltava o Zé Mário Branco, e o Sérgio Godinho, e revisitávamos o Zeca, e o Fausto, e o Vitorino pré-boleros, e a Maria do Amparo (sempre adorei a Maria do Amparo), e o Zé Barata Moura sem ser para nos mandar comer a papa, e mais uma catrefada deles.

 

Isso é que era!

Autoria e outros dados (tags, etc)



9 comentários

Imagem de perfil

De pedrocs a 15.05.2010 às 00:07

A cantiga é um aaaaaaaarmaaaaaaa e eu não sabiiiiiiiiiiiiaaaaaaaaaaaaaa, cantiga é uma aaaaaaaaarmaaaaaaaaa, contra a burguesiiiiiiiiaaaa!
Imagem de perfil

De jonasnuts a 15.05.2010 às 00:12

Contra quem, camaradas? :)
Sem imagem de perfil

De Afonso Loureiro a 15.05.2010 às 11:15

Isto de capitalizar os lucros e socializar os prejuízos só é bonito para alguns...
Imagem de perfil

De Moira a 15.05.2010 às 11:51

Venho só dizer que subscrevo as tuas palavras e as músicas de intervenção que este país está a ficar uma miséria.
Imagem de perfil

De PortoMaravilha a 15.05.2010 às 22:21

Eu gosto muito de tudo ou quase tudo o que foi feito pelo GAC. E penso que 99,9 % continua válido.

E o GAC teve muito boa repercursão internacional. Veja-se : No Tarrafal era a morte.

Da mesma maneira que J. Dutronc continua válido, citando o espaço Francês : La vie est un cactus ai ai

O que não posso aceitar é o julgamento sobre Abrunhosa e o excelente trabalho de enorme qualidade que tem feito. Não só se deu ao luxo de tocar com um dos maiores saxofonistas do mundo , como também as suas pesquisas o levaram a colaborar, entre outros, com Lenine .

E como cantava alguém da Minha Terra ( já que o meu país é a França ) : A Vida é feita de pequenos nadas .

Nuno
Sem imagem de perfil

De Fulano a 16.05.2010 às 11:48

"Quando a máquina do lucro se atrofia
A reparação é sempre a carestia
E o povo é que lhes paga a avaria
Mas o Capital
Fica sempre igual", mas quando há fartura não há proleta que não sonhe com a hipótese de ser patrão e o momento em que esfregaria as ventas dos amigos com o sucesso obtido na vida. O sucesso, o carrão, o casarão  e as pU(r)tAguesas!
Sem imagem de perfil

De Ognito a 16.05.2010 às 13:57

Gostei!
Sem imagem de perfil

De João A. a 05.09.2011 às 16:00

A música do GAC é de grande qualidade. A orquestração e harmonização dessa cantiga é provavelmente do José Mário Branco e está muito bem conseguida.

A canção seguinte desse álbum (Cantiga Sem Maneiras) é outro exemplo notável: a música é formada apenas por uma única nota. Não foi o Tom Jobim o único a conseguir escrever uma canção de uma nota só :-)

Comprei o coffret de 4 CDs com a integral do GAC na FNAC online e foi uma borla...

Bom post Maria João!
Imagem de perfil

De jonasnuts a 05.09.2011 às 16:28

No meu caso, para além da qualidade intrínseca da música, há também o património emocional que, para mim, acarretam :)

Eram praticamente, canções de embalar :)

Comentar post






Arquivo