Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Como da ignorância nasce a arrogância

por jonasnuts, em 02.12.09

Então a história toda, mais coisa menos coisa. O Tribunal solicita a uma empresa que não tem nada a ver com o assunto, a identificação do autor de um Blog do Blogspot. A empresa intimada  responde que não tem a informação e que terão de a solicitar a quem de direito. O Tribunal responde que sim senhor, que solicitará, mas que mantém a intimação para que uma representante do empresa erradamente intimada vá a tribunal, como testemunha, para esclarecimentos genéricos sobre Blogs.

 

A representante da empresa errada desloca-se a Almeirim, e são-lhe colocadas várias questões, pelo colectivo de juízes, pela advogada de defesa e pela delegada do ministério público (e cada questão mais idiota que a primeira, mas pronto, isso é o menos).

 

A todas as perguntas a resposta foi, à semelhança do que já tinha sido comunicado ao tribunal, blogspot, blogspot, blogspot, blogspot, não sei, não conheço a estrutura de redes do blogspot, não faço ideia, blogspot, blogspot, blogspot.

 

No final, um "pode ir à sua vida" (sic), nem desculpe, nem obrigado nem porra nenhuma.

 

A isto, muitos podem chamar a justiça portuguesa a funcionar, eu chamo-lhe abuso de poder.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Armando Alves a 02.12.2009 às 20:25

Se tivesse acontecido o contrário (lamentarem o equívoco) é que era de admirar.
Sem imagem de perfil

De Fairwind a 03.12.2009 às 02:07

Não é abuso de poder, podes é chamar de "aproveitadores", passo a explicar, os tribunais, melhor dizendo os juízes muitas vezes solicitam a quem de direito em determinadas matérias, pois apesar deverem saber "todas as leis" não são obrigados nem seria possível serem peritos em todas as áreas de conhecimento, sendo assim, é normal solicitar apoio jurídico/conhecimento de uma determinada matéria a quem dela sabe. No teu caso, aproveitaram o erro cometido para solicitar esse mesmo apoio a quem entende pelo menos o mínimo ou mais do que o juiz em causa entende sobre a matéria.
Onde por exemplo isso acontece é muito é nos casos de direito fiscal por exemplo que é normal solicitar alguém das Finanças que vá dar esse apoio ou no direito civil para os casos de inimputabilidade/interdição da capacidade jurídica de alguém, normalmente pedida a alguém da ordem dos psicólogos lhes vá dar apoio.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 03.12.2009 às 09:00

Ok, eu percebo isso e até prefiro que perguntem, em vez de viajar na maionaise. Mas a questão é que perguntaram, e nós respondemos com a informação que apontava na direcção certa, e eles insistiram em ir no caminho errado.

Como diz a shyznogud no twitter, foi o mesmo que perguntarem à Danone como é que a Yoplait faz os yogurts.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.12.2009 às 12:07

Como alguém chama a atenção no post em q fiz referência a este, se era assessoria técnica q requeriam era suposto pagarem por isso, não é verdade?

shyznogud
Imagem de perfil

De jonasnuts a 03.12.2009 às 12:11

Nem assessoria técnica nem deslocações. Ao tribunal, a minha ida custou zero. À empresa custará a gasolina, as portagens e a ausência duma funcionária durante meo dia.

Comentar post






Arquivo