Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Marginal sem carros

por jonasnuts, em 21.09.09

Lá fui, com o puto. Ele com uma bicicleta a precisar de ser trocada por uma maior, e eu na minha bicicleta toda artilhada, toda xpto, toda três vezes nove vinte e sete, noves fora nada. Ele muito melhor que eu, lá está, não é a máquina que faz o condutor, mas o contrário (digo mentalmente, enquanto penso no meu Smart).

 

Lá fomos e tal, e fartámo-nos de pedalar. Mas o feeling foi o mesmo do ano passado. Esta gente porta-se alarvemente.

 

Este ano, a época não ajudou. Não me entendam mal, não me refiro ao tempo, que estava óptimo, refiro-me ao tempo de eleições. Pareciam comícios, aos magotes, com a t-shirt da cor do voto vestida e bandeirinhas nas mãos ou artisticamente colocadas na bicicleta, e agrupadinhos em blocos que ocupavam o centro da via. Deve ser isto a que se referem, quando falam do bloco central.

 

As pessoas não sabem conduzir, essa é que é essa. Comportam-se como se estivessem sozinhas. Pais com crianças de triciclo na faixa da esquerda eram mais que muitos, gente que virava sem ver se vinha alguém atrás, gente que ia a andar, calmamente no centro da via, como se estivessem sozinhos na marginal. Era tudo deles. Ora eu, que sou bicicleteira newbie, ainda me atrapalho com aquela geringonça toda (consigo cair a desmontar da bicicleta), não tenho (ainda) a capacidade de evitar colisões assim do pé para a mão.....aquela gente correu perigo, e nem se apercebeu.

 

Eu não digo palavrões a conduzir. Quer dizer, digo, mas não chamo nomes a ninguém. Quer dizer, chamo, mas dentro do carro, não ando a insultar as pessoas, muito menos com crianças por perto. Mas ainda me sairam uns "fuck" pela boca fora (é inglês, as criancinhas não percebem, e o meu, que já percebe, ia atrás, não me ouvia, que também não berrei).

 

Cheguei a casa e a sensação era tão idêntica à do ano passado, que vim à procura do post. Mas parece que no ano passado nem o escrevi. Fica o deste ano.

 

Se me puder escapar, para o ano, escapo-me. Se não puder escapar, é desta que instalo uma porra duma buzina dum camião tir na bicicleta, e, já que não consigo afastá-los à força do respeito pelas regras, afastar-se-ão à força do décibel.

 

Caburros, pá.

Autoria e outros dados (tags, etc)



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Bino a 21.09.2009 às 14:26

A paciência que tu tens...
Imagem de perfil

De jonasnuts a 21.09.2009 às 14:59

Já me acusaram de muita coisa, mas nunca de excesso de paciência :)
Sem imagem de perfil

De Credito Pessoal a 21.09.2009 às 23:00

Estamos muito longe de nos tornarmos uma Holanda. Para além das infra-estruturas falta o respeito dos automobilistas pelos ciclistas. Quem vai ao volante de um automóvel sente-se dono da estrada e isto faz com que se torne muito perigoso circular nas nossas estradas. Por outro lado também se vêm ciclistas, que apesar de terem ciclovias á disposição teimam em circular pelas vias principais, deve ser pela adrenalina de saber que podem ser atropelados a qualquer momento .

Comentar post






Arquivo