Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Mais importante que a abstenção

por jonasnuts, em 08.06.09

Este não é um blog político ou de política, mas caramba, as europeias foram ontem.

 

Acho que os políticos deviam estar menos preocupados com a abstenção e mais preocupados com os brancos.

 

As abstenções foi pessoal que não teve pachorra para ir votar. Acham que há coisas mais importantes. Não havendo sol, foram certamente encher os centros comerciais que pululam por esse Portugal fora. Ou ficaram em casa, ou vão passear. Não interessa. Baldam-se. E não me venham com tretas de que é para mostrar cartões amarelos ou vermelhos. Não é nada disso. Estão-se cagando.

 

Com o que eu acho que os senhores políticos se deviam preocupar era com os votos em branco. São as pessoas que não têm pretensões a figurar nos mapas dos números e que não se importam com o facto de aos seus votos não ser conferido qualquer valor estatístico, têm o trabalho de ir votar, às vezes fazer umas distâncias valentes porque ainda não trataram da papelada para para mudarem a assembleia de voto para a sua área de residência, que apanham filas de trânsito no IC30 por causa de acidentes, e vão lá, pegam no boletim, e ainda não chegaram à cabine de voto e já vai o papelito quase todo dobrado. Não estão nem 1 segundo na cabine de voto, regressam ainda a dobrar o papel, depositam o dito cujo na urna, recebem os documentos de volta, dão as boas tardes e vão por donde vieram.

 

São os que vão lá, dizer que não acreditam.

 

Com estes é que os políticos se deviam preocupar.

Autoria e outros dados (tags, etc)



42 comentários

Sem imagem de perfil

De Rui Moura a 08.06.2009 às 10:04

Completamente o que eu penso da abstenção.

Já li hoje altas teorias sobre a abstenão, que é um protesto, que é isto, que é aquilo, blablaba, mas a abstenção não é um protesto, nunca pode ser, a abstenção é um "estou-me bem a cagar para as eleições".

Se as pessoas estão descontentes, se estão desiludidas com a política, e se estão fartas de políticos bananas, o dever de votar é ainda maior. Vote-se em partidos pequenos, que alguns têm ideias muito boas, vote-se em branco, que é o maior sinal de protesto que se pode dar, mas vote-se.

Não votar não é um protesto para com nada, é simplesmente um sacudir a água do capote, porque não lhes apeteceu tirar o cú de casa, ou preferiram pssar precisamente o dia todo enfiados num shopping (que o tempo não estava para passeios ou praias, nem sequer há essa desculpa).

Acho piada a andarem agora a arranjar mil e uma teorias para minimizar o que aconteceu ontem. Faz-me lembrar, num grau de semelhança bastante elevado, o futebol :-)
Sem imagem de perfil

De Phil a 08.06.2009 às 10:08

Argh!!! Finalmente vejo que os votos em branco ganham importância e não me venham com a história de que se tratam de votos nulos...NÃO!

Votos em branco são votos válidos. Não chegam para anular uma votação, se fossem a maioria, mas, ao contrário da abstenção, é uma clara demonstração do sentimento em relação a quem nos representa.

Sim, eu voto em branco!
Sem imagem de perfil

De KI a 08.06.2009 às 11:22

A abstenção deve-se em muito à cena dos Cartões de Cidadão que ao mudarem a morada de recenseamento mas atrasarem na entrega impediram que muita gente (inclusivé eu) pudesse exercer o direito ao voto. Encontro-me a mais de 100km da freguesia anterior de recenseamento, e lamento não ter ontem contribuído para o cartão vermelho ao Chuchas! Por isso não concordo, que a abstenção tenha sido apenas dos baldas mas tb de mt gente que assumiu q estava tudo certo com a sua nova freguesia eleitoral e depois qd consultou o site do recenseamento percebeu que a propaganda PS não passa de publicidade enganosa uma, e outra vez.

Agora fazer 200km não.
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 08.06.2009 às 12:27

Bem, e entre os que se deram ao trabalho de ir votar, a esmagadora maioria votou PS/PSD! Este povo não consegue contextualizar o seu descontentamento à esquerda!
Imagem de perfil

De pedrocs a 08.06.2009 às 12:43

Desculpem lá, mas qual é o problema do voto nulo? Eu vou lá e dou-me ao trabalho de os mandar apanhar na peida.

Parece-me que isso devia contar tanto quanto qualquer outra expressão de voto.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 08.06.2009 às 12:55

Nos votos nulos é que não há forma de distinguir o trigo do joio.
Ficas nas estatísticas ao lado das pessoas que não sabem votar.
Entre não saber e não querer vai uma distância.
Sem imagem de perfil

De inespera a 08.06.2009 às 18:24

ainda hoje, em conversa, surgiu a ideia de criar votos brancos, nulos por azelhice e nulos por insulto....

Pelo menos toda a gente sabia do que é que se está a falar.
Imagem de perfil

De pedrocs a 08.06.2009 às 19:02

Se disser "para o caralho que vos foda, cabrões de merda", parace-me bastante fácil de distinguir de um gajo que é burro e sublinha o PNR em vez de por a cruzinha na caixa.
Sem imagem de perfil

De pfig a 08.06.2009 às 14:53

oh pedro, e depois havia uma comissa~o para analisar os nulos e decidir quais eram os de lerdos ou os de protesto?
Imagem de perfil

De pedrocs a 08.06.2009 às 19:00

Não, eram todos de protesto.

Como é que confirmas que um branco é de protesto ou de um gajo que se esqueceu da cruz?
Sem imagem de perfil

De pfig a 09.06.2009 às 13:58

e origami com o boletim de voto?
Imagem de perfil

De pedrocs a 09.06.2009 às 18:48

Isso devia ser subsidiado pelo Estado, claro.
Sem imagem de perfil

De Carlos Narciso a 08.06.2009 às 13:27

Porquê? Que perigo maior representam eles? São esses quem vão começar a queimar carros na via pública?
Imagem de perfil

De jonasnuts a 08.06.2009 às 15:40

Não, esses são os desiludidos, são os mais difíceis de conquistar (ou re-conquistar). São os incrédulos e os cépticos.

Contaminam.
Sem imagem de perfil

De Marco Gonçalves a 08.06.2009 às 13:53

Nas eleições, há várias coisas que não entendo.

De entre elas o facto de obrigar a pessoa a ir votar a determinado sitio, em determinada sala e determinada mesa. Acordem pá... já estamos no ano 2000. Seria muito complicado uma pessoa poder votar em qq mesa de voto e ficar registado que o eleitor x já votou e pronto agora só para as próximas. Votar online, etc...

Haaa, mas há a questão dos circulos eleitorais e tal. Quer dizer, alguém sabe qual é o seu deputado para lhe cobrar responsabilidades...

Acho que não.
Sem imagem de perfil

De KI a 08.06.2009 às 22:59

Votar online é q era afinal o famoso cartão de cidadão até já trás assinatura digital. Às tantas não dá. Pois! Lembrei-me agora q isto de estar nas mesas de voto alimenta bué pessoal e num dia ganham imensoooooooooooooooo dinheiro e online lá se ia o tacho...

Cambada!
Sem imagem de perfil

De Francisco Castelo Branco a 08.06.2009 às 14:05

Tanto a Abstenção como os brancos são votos de protestos

A abstenção pode ser isso que referiste mas é também um voto de protesto. Se não vão votar é porque não acreditam. Não se interessam. E quando a percentagem de pessoas que nao se interessa atinge os 62% é porque algo nao vai bem. Porque razão então se deram ao trabalho de recensear???

Os nulos ou brancos são também uma forma de protesto mas bem mais evidente.

Ou podem não ter nenhuma cor politica. E achar que votar é um dever civico. Já me aconteceu votar em branco por nao ter nenhuma cor politica. Mas ter o dever de votar. E o voto em branco nem sempre tem que ser sinal de protesto. Mas que neste momento nao está virado para nenhum deles
Imagem de perfil

De jonasnuts a 08.06.2009 às 15:44

Na minha opinião, a grande maioria da abstenção não é sinal de protesto, é sinal de desinteresse.

Não estão para se chatear, não atribuem qualquer importância ou significado ao acto eleitoral.

Eu voto, independentemente das cores políticas que tenho à disposição, isso não interessa. Voto porque os meus pais lutaram para que eu tivesse esse direito. Voto, no matter what. O voto em branco (ou o nulo propositado) não é sinal de indecisão, é sinal de decisão pelo que não existe. É dizer, meus senhores, nenhum de vocês me interessa.
Sem imagem de perfil

De Carla a 08.06.2009 às 22:36

A Abstenção NÃO é um voto. Não é uma manifestação de vontade. É uma ausência de um ato, o acto de votar. É o não exercício do direito ao voto.

O voto branco é um voto, a pessoa deu-se ao trabalho de lá ir e votar. Praticou um acto que é de protesto.
Sem imagem de perfil

De Benedita Saldanha a 08.06.2009 às 15:14

Então e os votos nos RESTANTES partidos? Não é importante considerarmos o facto de muitos portugueses, associados à percentagem dos votos nulos ou brancos, são os votantes dos pequenos partidos? Desconheço os resultados dos restantes, mas sei que o MEP teve mais de 50.000 votos e o PNR mais de 13.000 (subiu 60% em relação às últimas europeias).
É como dizer que o PSD foi o grande vencedor e que foi dado um cartão vermelho ao PS... dahhhhhh! Deviam era dizer que, num Universo de 9.500.000 eleitores, o PSD teve 1.200.000 (mais coisa menos coisa) e que o PS teve cerca de 800.000 votos! São isto maiorias?
E não. A abstenção é, para muitos, um voto de protesto sim senhora! Venham com as teorias que quiserem mas há muito boa gente que não vota perfeitamente consciente do que está a fazer.
Ou terá toda a gente que concordar com a m*** do sistema podre em que vivemos? Deveriam era considerar essa percentagem de abstenção, a nível europeu, e começarem a perguntar o porquê da maioria dos europeus (ou serão todos imbecis e com centros comerciais por toda essa Europa?) optarem por abster-se ou votar mais à direita?
Imagem de perfil

De jonasnuts a 08.06.2009 às 15:46

9.500.000 eleitores?
Há assim tantos eleitores?

Quanto à abstenção ser uma forma de protesto.......posso achar que alguma abstenção é uma forma de protesto (light, já agora), mas creio que a grande maioria da abstenção representa pessoas que se estão borrifando. Não se dão sequer ao trabalho de lá ir.
Sem imagem de perfil

De Joana Almeida a 08.06.2009 às 16:11

Enganei-me, não são 9.500.000 mas sim 9.600.000 :)

Mais 700.000 do que nas últimas eleições, as presidenciais.

Imagem de perfil

De jonasnuts a 08.06.2009 às 16:13

Mas os portugueses não são 10 milhões? Assim sendo há apenas 400.000 pessoas abaixo dos 18 anos?
Sem imagem de perfil

De Joana Almeida a 08.06.2009 às 16:41

Parece-me que os portugueses devem ser mais de 10.000.000. Mas também há muitos imigrantes que votam!

Estive há procura na net de um link que confirmasse o que digo (já que no CNE não há informação alguma): http://tv1.rtp.pt/noticias/index.php?t=Cerca-de-96-milhoes-de-eleitores-portugueses-podem-votar-hoje-nas-eleicoes.rtp&article=225062&visual=3&layout=10&tm=9&rss=0

Não é muito completo, mas foi o melhor que consegui arranjar
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.06.2009 às 19:39

Por vezes os mortos também votam.

Nos states é uma alegria.
Sem imagem de perfil

De Joana Almeida a 08.06.2009 às 20:47

Pois claro que sim, admito que hajam pessoas já mortas ainda inscritas como eleitores (cabe ao sistema - criado pelos Mé (PSD) e pelos Mémé (PSD) criar formas eficientes de alterar isso). Acha que é agora que isto vai mudar? Com esta nova e fabulosa alternativa política fantástica que nos foi imposta?
Ou também é da opinião que a "vitória" do PSD foi uma grande vitória e que o facto de ter havido cerca de 65% de abstencionistas (desculpe o número inexacto, não sei quantos destes já morreram) se deve a estes serem todos uns imbecis que ficaram a ver a final de Roland Garros? (é só uma questão, não uma crítica!)
Sem imagem de perfil

De Joana Almeida a 08.06.2009 às 20:48

Só uma correcção: Os mémé são o PS.
Imagem de perfil

De pedrocs a 09.06.2009 às 18:51

Não percebeste que a Joana vota no PNR? É normal que não sabia fazer contas.
Imagem de perfil

De Bruno Ribeiro a 08.06.2009 às 15:31

Ora aí está! Tendo estado numa mesa de voto, o que mais me fez confusão na contagem foi o elevado número de votos em branco e nulos (sendo que boa parte destes são também votos de protesto de pessoas que fazem uma gigantesca cruz em cima de todos os partidos).

Ao sair, confirmei com amigos presentes em outras mesas que o fenómeno se repetia. E nas notícias vi pela primeira vez um destaque dado aos votos em branco: quase o dobro em relação às últimas europeias.

Há cada vez um maior descrédito dos políticos e dos partidos. A maioria das pessoas prefere falar mas não fazer nada. Votar em branco é já um passo para um protesto mais silencioso mas ainda assim não completamente eficaz.

Por mim, continua a acreditar que a melhor maneira de mudar o actual estado de coisas é por dentro, lutando, dando a cara, fazendo diferente e melhor. Cada um dá o que pode...

Comentar post


Pág. 1/3






Arquivo