Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Aquela coisa da professora chanfrada

por jonasnuts, em 21.05.09

Por esta altura já toda a gente ouviu falar da professora chanfrada. Há mesmo aqueles que já estão, como eu, cansados de ouvir falar do caso da professora chanfrada. Paciência, cansem-se mais um bocadinho, que é sobre isso que eu quero falar.

 

Para já, acho que o caso desta professora é excepcional. A senhora é doente. Claramente. Não creio que aquele tipo de discurso, numa sala de aula, seja a regra da maioria das salas de aulas. Internem a mulher. Problema resolvido. Se por acaso ela fosse professora do meu filho, a coisa seria diferente, porque para além de a internarem eu já teria tido uma conversinha de pé de orelha com a senhora, com a directora de turma, com o conselho directivo e com a respectiva direcção regional de educação.

 

Há aqui 2 questões fundamentais. A primeira, que a maior parte das pessoas desconhece, é que lidar com os pais das criancinhas deve ser das coisas mais frustrantes na vida dum professor. Eu não teria pachorra, aliás, por isso é que nunca seria professora, não tenho vocação. Aliás, aquelas mãezinhas da reportagem são nota disso mesmo....."pronto, ela falou daquela maneira e nós dissemos que por nós estava desculpada, que íamos falar com os maridos, mas que por nós tudo bem". E porque é que os maridos não estavam lá? Não são pais das crianças? E porque é que uma mãe tem de falar com o marido, neste caso? Tem de pedir autorização para pensar? E como é que, num caso em que alegam que este tipo de atitude por parte da professora é recorrente e vem de longe, deixam a coisa passar com um pedido de desculpas? Achavam que a atitude recorrente ia mudar de um dia para o outro, com um pedido de desculpas? Burras, burras, burras.

 

E a segunda questão fundamental tem a ver com a total falta de poder que os pais sentem, no que se refere ao que se passa dentro duma sala de aula e dentro da escola. Acompanho de perto um caso que me é muito próximo, de pais (inteligentes e esclarecidos) que desde o início do ano lectivo ouvem da sua criança relatos de tratamento discriminatório por parte de um professor. Já tiveram provas (escritas) da imbecilidade e incompetência do professor em causa. Recorreram à directora de turma, que se revelou ser igualmente incompetente e imbecil (embora de forma mais moderada, a senhora é uma anémona), recorrem agora ao conselho directivo, vamos ver. Mas durante todo o ano lectivo, e desde o primeiro contacto dos pais com a Directora de Turma, que a criança sofre pressões públicas (dentro da sala de aula, à frente de toda a turma) para não dizer em casa o que se passa naquela sala de aula. Coisas do tipo "tem um problema, vem falar comigo, não precisa de ir fazer queixinhas ao papá e à mamã".

 

Numa profissão tão corporativa como a dos professores, toda a escola funciona em bloco, contra os pais e contra os alunos. O que fazer? Medidas extremas e levar gravadores para dentro da sala de aula? Pois, se tiver que ser, seja. Fosse um pai ou uma mãe mais geek, e até se faria a coisa com emissão em directo na web, sem que o puto precisasse de saber que levava na mochila um carro de exteriores equipado com emissores de imagem e som, o peso já é tanto que mais gadget menos gadget não faria a diferença. É ilegal? É imoral? É pouco ético? Provavelmente, mas qual é a alternativa? Os canais existentes para o efeito, claramente não funcionam.

 

 

Encurralem-me, enquanto mãe, tratem o meu filho injustamente, e é verem eu levar tudo à frente, sejam quais forem os métodos (à excepção da violência, claro). E depois não se venham queixar que foram usados métodos pouco ortodoxos. Não falem de ortodoxia, quando emboscaram e encurralaram a leoa e a cria. Amanhem-se, lambam as feridas, baixem a crista, aprendam e sigam a vidinha.

Autoria e outros dados (tags, etc)



9 comentários

Imagem de perfil

De José Coelho a 21.05.2009 às 10:24

Concordo plenamente. Por mais que os alunos agora a venham a defender, dizendo que é a professora mais porreira daquela escola, não é justificação para se discutir esse tipo de assuntos numa aula de história e naquele tom, ainda por cima.

Offtopic: Jonasjuts, reparei que tens instalado o widget "You might likes these stories", eu já tentei instalá-lo no meu blog, mas sem resultado, posso perguntar como o fizeste? Ele é instalado no template css? Obrigado :)
Imagem de perfil

De jonasnuts a 21.05.2009 às 10:33

Aqui entre nós que ninguém nos ouve, eu não sei mexer no css :)

Coloquei o script num componente, e activei-o numa posição qualquer. Esperei 24 horas 8que é o que eles pedem) e começou a funcionar. Mas isto é só um teste para ver se funciona uma coisa deste tipo, a fim de avaliar se vale a pena desenvolver algo de semelhante (em bom). :)
Imagem de perfil

De ADzivo a 21.05.2009 às 19:16

José Coelho; não me parece que tenhamos a mesma sorte da Jonas. Também já tentei, a partir da opção de plataforma OUTRA,e até já pedi ajuda ao suporte deles, mas até agora nada.
Era óptimo, se a produção do Sapo considerasse este desenvolvimento. Parece-me útil a ligação aos tags.
Sem imagem de perfil

De Miguel Albano a 21.05.2009 às 10:54

Jonas,

e mai nada !!!

Mas confesso-te que gostei de duas ou três pérolas da professora.

Aquela do 1,70 ... lá em baixo. Genial. Especialmente para quem é alto como eu. HAHAHAHA.
Imagem de perfil

De José Coelho a 24.05.2009 às 22:27

Ok. O Linkwithin já funciona no meu blog. O problema é que gera "stories" que não têm nada a ver com o post original. E também não consigo mudar de "You might likes these stories" para "Pode gostar destes posts também". Seria uma boa aposta do Sapo incluir esta opção nos posts.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 24.05.2009 às 22:33

Sim, há posts que não estão relacionados em nada com o post principal :)

Não costumo falar aqui de trabalho, mas sim, estamos a pensar em desenvolver esta funcionalidade :)
Imagem de perfil

De Carlos Filipe Jesus a 26.05.2009 às 01:16

Porque que é que em certos blogs para se comentar apenas se necessita de meter a bolinha verde no buraco onde diz o nome do nosso blog e neste aqui e noutros que tais é necessário escrevinhar enfurecidamente o nome e-mail, a nossa password do sapo e depois... e só depois de todas estas operações entao começar a escrever o comentário?
Cumprimentos (não me leve a sério pois neste momento que estou a visionar o seu belo blog estou cheio de insónias...)
________________________________________
http://culturalmenteinteressante.blogs.sapo.pt/
Sem imagem de perfil

De Claudia a 19.06.2009 às 12:18

Replico como mãe e como professora!
Sou dos Açores e cá trabalho, ainda sou contratada e só esta palavrinha diz um bocadinho.
O que vejo e que sinto é que este tipo de política fechada não se aplica a todos!
Tive problemas com uma professora que literalmente ignorava a minha filha e nada foi feito. Primeiro, porque a professora era efectiva há muito tempo e depois a directora de turma era uma mera contratada (realidade nua e crua).
Como porfessora posso dizer-lhe que houve acusações contra um professor e nada foi feito. Já está há muito tempo naquela escola. NMo entanto, uma professora contratada ficou sem alunos por causa das queixas...
Como vê, não é assim tão geral quanto isso.
Além disso, é muito chato ver maior parte dos pais ignoraremos seus filhos, mas exigirem educação aos professores, quando nós devíamos instruir (não estou a acusar ninguém, é um desabafo).
Infelizmente, como em qualquer lado, vemos bons e maus profissionais. E parece que os primeiros tendem a ser ignorados e os últimos escondidos!
Gosto muito do seu blog!!!!!!!
Sem imagem de perfil

De Marta Teixeira a 03.07.2009 às 18:07

Olá!
Venho pedir ajuda.
Tenho um blog no sapo, e há muito que tinha tentado colocar o widget LinkWithin no meu blog, mas sempre sem sucesso, hoje finalmente consegui, mas acontece que ele apenas fica no último post publicado, será que alguém me pode ajudar?
Obrigada.
http://luxuryandlust.blogs.sapo.pt/
Xoxo
M

Comentar post






Arquivo