Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Caro Tó Zé Brito

por jonasnuts, em 23.04.09

Bem sei que isto já parece spam ou assédio, mas a verdade é que o tema está na ordem do dia e é-me impossível fugir, além de que não quero fugir, pelo contrário.

 

Na semana passada ia escrever-lhe de novo, para lhe dar conta daquilo que à partida lhe pareceriam boas notícias. Sabe? Aquela coisa dos piratas do Pirate Bay terem sido condenados. Estive vai não vai. Mas depois pensei que a coisa não ficaria assim, e era escusado estar a alimentar as suas expectativas com uma notícia duma condenação que seria certamente revogada na instância seguinte.

 

E se bem o pensei, melhor o fiz. Calei-me, caladinha, à espera de novo julgamento. Seria portanto um post para daqui a uns meses.

 

Eis senão quando, mais cedo do que o que eu julgava, chegam más notícias para sua indústria, que rejubilou com a condenação.

 

Então não é que o juiz que condenou os rapazes afinal tem um conflito de interesses?

 

Malandro do juiz, que se esqueceu de referir este pequeno detalhe.

 


A notícia do 2º link está em francês, já que é do Le Monde. Aqui fica a tradução, com os cumprimentos dos meus paizinhos que me obrigaram a ter 8 anos de francês. Para alguma coisa havia de servir.

A condenação dos fundadores do Pirate Bay pode ser anulada
Os 4 responsáveis do Pirate Bay, condenados a 1 ano de prisão efectiva, a 17 de Abril, poderão ver a sua sentença anulada: o juiz que os condenou foi acusado, quinta-feira 23 de Abril, de conflito de interesses a favor da indústria do disco e do cinema.

“O processo poderá ter de ser repetido. Mas nesse caso os advogados deverão solicitá-lo imediatamente “, declarou Leif Silbersky, um dos mais reputados advogados suecos, à radio sueca SR, que havia revelado um pouco mais cedo que o juiz, Tomas Norstrijm,  fora membro de diversas associações de protecção dos direitos de autor, ao lado dos representantes da indústria do disco e do cinema.

Tomas Norström é membro da Associação Sueca do Copyright, da qual são também membros Monique Wadsted, a principal advogada da Indústria do disco e do cinema no  processo Pirate Bay e Henrik Pontén, o responsável pela Associação Sueca de anti-pirataria Antipiratbyraan, de acordo com a radio sueca.

O Juiz, que é igualmente membro da associação sueca para a protecção da propriedade industrial, não desmentiu estas informações, mas assegurou que não é parcial. “não me considero influenciado por essas afiliações”, defendeu-se.

22 milhões de utilizadores

O magistrado presidiu ao muito mediático processo de três fundadores e do principal financiados do site ilegal de partilha de ficheiros, que foram condenados a 17 de Abril a um ano de prisão efectiva e ao pagamento de 30 milhões de coroas suecas (2,7 milhões de euros) de prejuízos a várias sociedades de produção. Os quarto homens através dos seus advogados exprimiram a sua intenção de apelar da decisão.

Pirate Bay, que conta com mais de 22 milhões de utilizadores em todo o mundo, funciona como uma motor de pesquisa para downloads de filmes, de música e de jogos, mas sem alojar qualquer ficheiro nos seus servidores.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



6 comentários

Sem imagem de perfil

De filmeskeuvi a 23.04.2009 às 14:48

Coitado do Tó Zé!

Bebeu champanhe de certeza para comemorar, mas agora já está a pedir Ben-u-ron, em formato supositório claro.
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 23.04.2009 às 14:49

E pasme-se que o recurso só irá ser analisado e irá regressar aos tribunais dentro de....3 anos!

Imagem de perfil

De jonasnuts a 23.04.2009 às 15:19

Deve ser o sistema europeu. Haja algo em que Portugal dá cartas de boas práticas.
Sem imagem de perfil

De Ognito Inc a 23.04.2009 às 16:19

Nem acredito no que li.... (se bem que o meu Francês está tão esquecido que vai na volta aquilo era uma receita de culinária...)
Imagem de perfil

De jonasnuts a 23.04.2009 às 16:32

Basicamente, o juiz que os condenou participou, no passado recente, na direcção de associações de defesa do direito de autor, onde outros membros da direcção eram pessoas com responsabilidades na indústria discográfica.
Sem imagem de perfil

De kincas a 27.04.2009 às 16:54

E eu que pensava que a justiça lusa andava mal.
Afinal já tem seguidores por essa Europa fora. Ou será que têm aprendido com as "importações"?
Realmente.......

Comentar post






Arquivo