Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Estou a criar um monstro machista

por jonasnuts, em 17.04.09

Todos os dias de manhã faço uma viagem de casa para escola do puto, para o deixar lá e seguir direitinha à minha vida. Ao fim do dia faço quase o percurso inverso. Não é uma distância muito longa, mas em função das horas, são viagens para demorar meia-hora, cada uma.

 

São momentos em que aproveitamos para conversar, para ficar calados, ouvir rádio, e avaliar o trânsito. O facto de viajarmos num Smart contribui para que a comunicação seja mais fácil. Ele está mesmo ali ao lado.

 

Gosto muito de conduzir, e acho que conduzo bem (há alguém que ache que conduz mal?), mas também acho que ao volante vamos (vou?) buscar o que de mais básico há em nós. A minha personalidade que durante o resto do tempo anda mais ou menos controlada, ao volante, deixa de ter controlo. Sou uma pessoa naturalmente agressiva e competitiva, e detesto chico-espertos, burros e lentos. E estas são características complicadas de gerir, quando se está ao volante.

 

Não chamo nomes aos outros condutores, nem praguejo quando ele está no carro (já quando vou sozinha, pareço uma carroceira, a falar com os botões). E apesar de me controlar bastante, principalmente ao nível da linguagem e da velocidade, quando ele vai comigo, há coisas que me saem pela boca fora, e que já não apanho a tempo.

 

Palhaço, caramelo, imbecil, ass hole são coisas que me oiço a dizer. E juízos de valor e de género. Estava-se mesmo a ver que tinha de ser uma mulher ou, eu sabia que tinha ser um gajo com mais de 250 anos, são coisas corriqueiras e que digo com frequência.

 

Hoje, uma "condutora" parada atrás de mim à porta da escolinha desligou o carro e esqueceu-se do travão de mão. Não faria diferença se a rua não fosse inclinada, como é. Estava eu descansadinha com o puto a tirar as coisas do meu porta-bagagens quando vejo o jipalhaço (what else?) a aproximar-se... Empurro o puto para o lado, dou uma murraça no capot do jipe, e a coisa lá parou. Muitas desculpas, muito atrapalhada, saiu do carro para ver se estava tudo bem, enfim, o expectável. Terminada a sessão, e já cada uma para seu lado, oiço o puto:

 

- Tinha de ser uma mulher!

As minhas desculpas, antecipadas, a todas as namoradas que o meu filho vai ter, mas olhem, aprendam a conduzir.

Autoria e outros dados (tags, etc)



10 comentários

Sem imagem de perfil

De Bino a 17.04.2009 às 10:14

Agora vou defender o puto. Ele disse que tinha de ser uma mulher, por duas razões: 1º porque os maridos nunca deixam as esposas conduzir, logo elas têm menos prática. E ele, tão novinho já tem a noção dessa triste realidade machista. 2º lugar, porque se fosse um homem provavelmente não travava a tempo e teria batido. Tratava-se portanto, dum elogio.
Finalmente, acho que estás a condicionar as opções sexuais do miúdo fazendo menção a eventuais futuras namoradas. O miúdo tem direito a ser gay ou não ?
(espero bem que não tenha).
Imagem de perfil

De jonasnuts a 17.04.2009 às 10:24

Ele disse que tinha de ser uma mulher, porque é o que me ouve dizer. Eu sou defensora da teoria de que as mulheres na generalidade conduzem pior que a generalidade dos homens.

Por último, o miúdo tem o direito a fazer as escolhas que quiser. Quaisquer escolhas que o deixem feliz, deixar-me-ão feliz também :)
Sem imagem de perfil

De brecke a 17.04.2009 às 10:26

não sei onde é que está o monstro nem o machista nesta aventura. Há erros que são tipicamente de homem, e há erros que são tipicamente de mulher. Naturalmente, sem forçar mto o estereótipo, este tinha de ser uma mulher.

Homens é claramente mais velocidade, ultrapassagens perigosas, manobras proibidas, etc. Nestes casos estou sempre à espera de encontrar um adulto na crise dos 40 ou um jovem inconsciente de óculos de sol e a pingar óleo do cabelo. Provavelmente com a namorada ao lado. É triste, mas é verdade.

Agora, um carro a cair pk alguém se esqueceu do travão de mão? Cheira a chanel por todos os lados. Não há cá monstros nem machismos. É estatística. É probabilidade.

É preciso admitir que toda a gente comete erros, mas os homens cometem os mais perigosos e as mulheres cometem os mais irritantes (aqueles que nos fazem chamar nomes a torto e a direito!). Perante os erros tipicamente masculinos nem temos tempo de chamar nomes, é apenas tentar sobreviver.
Imagem de perfil

De pedrocs a 17.04.2009 às 10:37

Só uma pequena correcção, como sempre: "ass hole". Não leva "H" no "ass".
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 17.04.2009 às 21:45

Uma constatação, já possível apesar da sua curta experiência, apenas isso. Atento o miúdo.
Sem imagem de perfil

De Felix a 18.04.2009 às 11:50

E o que dizer quando não se trata de distração nem azelhice, mas pura e simples estupidez..

http://www.youtube.com/watch?v=-iBL2Hrb-Q8&feature=channel_page

:-)
Sem imagem de perfil

De Temas para Telemovel a 18.04.2009 às 20:14

Provavelmente o puto já tinha visto este video que explica muita coisa:

Mulheres ao volante (http://www.youtube.com/watch?v=hOj1sWD5NTc)

Just Kidding
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.04.2009 às 13:26

Acho que já aqui disse isto uma vez.... Quem sai aos seus



Jorge
Imagem de perfil

De A.Bruto a 24.04.2009 às 23:17

Sou obrigado a concordar com o que já foi comentado aqui. Só revela a natureza do petiz ao reconhecer o erro típico das mulheres. Afinal, a prioridade da senhora é entregar o fruto do seu ventro (protecção maternal e tal..) e não puxar por aquela coisinha espetada ali mesmo ao lado (obvious pun intended...) que, por acaso, faz com que a jeepoze não ande. mas, já agora, você chama mesmo "ass hole" aos outros condutores? Porque não "orifício anal"? não soa muito mais insultuoso na lingua-mãe? e, pelo menos assim, todos os insultados a vão perceber... de que vale um bom insulto se não atingir o alvo? ;)
Imagem de perfil

De jonasnuts a 24.04.2009 às 23:23

O puto é esperto, mas a sagacidade de reconhecer o erro típico das "senhoras" a volante deve-a às observações da mãe :)

Quanto aos insultos valrem apenas se atingirem o alvo, não concordo, funcionam como um alívio imediato de stress. Não preciso (nem quero) promover a senhora, dando-lhe o benefício de a insultar, mais para mais não é exemplo que se dê à criança, já basta o que basta.

O ass hole, é porque se a criança repetir ass hole, tem menos possibilidade de ser entendida :)

Comentar post






Arquivo