Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Velocidade

por jonasnuts, em 21.02.09

São rápidos, os nossos tempos.

 

Rapidez parece ser a palavra de ordem. Queremos tudo, mas acima de tudo, queremo-lo rapidamente.

 

A grande diferença entre o meu tempo e o tempo da minha avó é a velocidade com que se fazem as coisas. Fazemos tudo mais rapidamente. Queremos tudo mais rapidamente. Com menos trabalho também, mas sobretudo mais depressa.

 

 

Queremos andar mais rapidamente, queremos comunicar mais rapidamente, queremos comer mais rapidamente.

 

Tudo para poupar tempo.

 

Para que tenhamos mais tempo, para gastar mais rapidamente.

 

O carro mais rápido, a ligação à Internet mais rápida, o computador mais rápido. Queremos tudo instantaneamente.

 

O que é que fazemos com o tempo que sobra, porque fazemos tudo mais rapidamente? Arranjamos mais coisas, para fazer rapidamente.

 

Passamos rapidamente pelas coisas, e deixamos que elas passem rapidamente por nós. É tudo efémero, descartável, passageiro, transitório.

 

Vivemos a vida num ápice e, vai-se a ver, as coisas melhores, são as que não descartamos, são as que vivemos devagar, são as que saboreamos, mais do que as que devoramos.

 

 

Não quero voltar ao tempo da minha avó, mas quero aprender a andar mais devagar.

 

Há alguma escola?

Autoria e outros dados (tags, etc)



12 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro Aniceto a 21.02.2009 às 23:39

Évora! :)
Imagem de perfil

De poetaporkedeusker a 22.02.2009 às 00:13

Eu. Em tudo menos a fazer poesia e a pintar. :)
Sem imagem de perfil

De KI a 22.02.2009 às 00:44

"...ão as que não descartamos, são as que vivemos devagar, são as que saboreamos, mais do que as que devoramos."

Acabaste de encontrar a definição de amor.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 22.02.2009 às 00:47

Curioso que digas isso, porque escrevi este post depois de um dia devagar, com o meu namorado :)
Sem imagem de perfil

De KI a 22.02.2009 às 01:28

:) São óptimos os dias devagar [como os de hoje] com quem...saboreamos :) e com SOL. Aleluia!
Imagem de perfil

De entreparentes a 22.02.2009 às 09:16

Agora percebo porque nem me telefonaste... :)
Imagem de perfil

De jonasnuts a 22.02.2009 às 11:01

Dei sinais de vida no Facebook :)
Imagem de perfil

De * * Grilinha * * a 22.02.2009 às 01:12

Não é preciso nenhuma escola.

O problema da falta de tempo ou má gestão do mesmo está relacionada com a envolvente e os maus hábitos que adquirimos.

Era capaz de ficar uma noite inteira a falar sobre o assunto e tenho a certeza que tu sabes bem onde está, ou melhor, onde estão os problemas da falta de tempo.

Muda-te para uma cidade do interior com o emprego á porta de casa e a escola do filho ao virar da esquina e ir almoçar a casa e sair ás 5 da tarde para dar um passeio no jardim público ou ir á piscina ou lanchar com um grupo de colegas ou amigos animados.
Voltas para casa com tempo para fazer o jantar e ir ao cinema ou ficar em casa a conversar com a família e ajudar o miúdo nos TPCs e ver a TV que te interessa e ..... e .... dormes cedo e acordas com tempo para chegar a horas ao emprego que fica ali, 2 ruas abaixo ou acima, tanto faz.

O carro sai da garagem para ir dar uma volta maior ao fim de semana ou visitar alguém na outra ponta da cidade.

Há mais coisas que se podem acrescentar por aqui mas fico-me por estas.

Vi este estilo de vida em 2 sítios, (Penafiel e Viseu) onde estive a fazer termas, mas atenta à vida calma daquela gente.

Há outras cidades aqui bem mais perto da Capital onde o tempo parece passar mais devagar e ainda nos sobra algum para dar e vender.

Pessoalmente não escolhia nenhuma destas pois não sei viver longe do mar, e Serras, só a da Estrela.

Bom Domingo
Sem imagem de perfil

De KI a 22.02.2009 às 01:32

peço desculpa de me intrometer concordo inteiramente com a opinião expressa quer no post que no seu comentário. O problema é mesmo a sociedade nos obrigar a viver assim nas grandes cidades, vivi em tempos na lezíria e faltou-me a família e oo mar, muito, ambos.

Regressei à linha (lol) pq n me habituei a morar longe das raízes emocionais e marítimas.

Existe outra forma de contornar (um pouco) é conseguir o tal tempo de qualidade de q tanto se fala e dividir mais os interesses e as obrigaçoes em prioridades que desfazem a quantidade em algo meelhor.
Sem imagem de perfil

De Mário Gamito a 22.02.2009 às 02:35

Concordo tanto com o post como com o comentário da Grilinha.

Sempre vivi em Aveiro, mas trabalhei 3 anos em Lisboa.
E em Lisboa, realmente é assim.

Mas como a Grilinha diz, numa boa cidade da província vive-se mais devagar e as coisas saboream-se mais.

Vou dar o exemplo de Aveiro, pois é a de que tenho conhecimento de vivência de muitos e muitos anos:

Do essencial da cidade (leia-se: tirando a parte da Forca que é recente e residencial), pode-se ir a pé de uma ponta à outra em 45 minutos no máximo.

Mesmo morando num raio de 15 km, demora-se 20 minutos a chegar à cidade de carro. Não há engarrafamentos.

Muitas pessoas andam de bicicleta com vias para elas por toda a cidade há imensos anos. E com as famosas BUGAs. Há-as espalhadas por toda a cidade: metemos uma moeda numa para a libertarmos do fecho, vamos para onde quisermos e lá chegados, fachamo-la e a moeda volta para o nosso bolso (isto por causa de alguns que não as deixam nos sítios de estacionamento e por isso há um serviço noturno de recolha dessas bicicletas. E as moedas que com elas ficam, ajuda a pagar esse serviço).

Depois do trabalho (e por isto tudo), há imenso tempo disponível para nós, os nossos e os nossos amigos.
Há tempo para se passear pela rua à noite (sem medo de nos apontarem uma arma pela carteira); há tempo para saírmos de casa e irmos na calma ao cinema a pé;
As coisas não são efémeras nem passageiras; as pessoas vizinhas conhecem-se; os nossos filhos têm professores que são filhos dos que foram nossos... e assim se vai mantendo uma cadeia de conhecimentos e cumplicidades ao longo das décadas.
E se perdermos o telefone, a chave do carro, a carteira (principalmente as mulheres que costumam trazer tudo isso na mala), vamos a uma qualquer loja, na qual dizemos o que se passou e basta dizer que somos filhos de fulanos que são lá clientes e se nos deixam fazer um telefone ou se nos emprestam 20 euros para nos safarmos no momento com um táxi ou qualquer coisa e é com todo o gosto que dizem: "sim".

Se quisermos, ao fim do dia, estamos a 10 minutos de carro do mar (fora do Verão, claro, até porque a praia da Barra, da Costa Nova, é a mais próxima de Madrid) e podemos ir comtemplá-lo, passear à sua beira, namorar com toda a calma e sossego e pouca (ou nenhuma) gente em volta.

E fazemos tudo isto, não pela possibilidade de o podermos fazer, mas porque somos assim.

Agora claro, a Maria João, provavelmente não teria o mesmo ordenado cá, do que em Lisboa. (embora cá a vida seja bem mais barata e o dinheiro gasto na ida e na volta para o trabalho seja infinitamente menor, ou até... nenhum.)

Não poderia ter um qualquer "carro mais rápido", um qualquer "computador mais rápido".

Mas poderia almoçar com calma e saborear a comida.

Eu, sou um proviniciano assumido. Gosto muito de Lisboa, num Sábado de manhã a passear pelo Chiado num dia de Sol com aquela luz única, de entrar nas livrarias, nos cafés. Mas no final do dia... regressar.

Os três anos em que lá estive, foram recompensadores em muitos aspectos, mas para mim não dá para viver lá sempre.

@Aniceto: Sim, Évora seria uma escolha perfeita (muito principalmente dentro das muralhas). Só tem um problema: não tem mar :(
Sem imagem de perfil

De Miki a 22.02.2009 às 11:44

Concordo completamente. Não moro em Aveiro, cidade, mas sou do Distrito. Já em relação ao mar, tenho a grande vantagem de morar entre o Mar e a Ria de Aveiro, na Torreira. O Mar está a menos de 1Km e a Ria, essa, até a vejo de casa ;)

Trabalho 9 horas por dia e, ainda assim, tenho tempo para estar no computador, para brincar com o meu filho e para namorar com a minha mulher. De verão, com os dias "maiores", ainda dá para trabalhar cá por casa também (sim, porque há sempre muito por arranjar em casa).

Não ganho muito, mas o suficiente para viver e pagar as minhas dívidas.

E termino com uma frase que uma amiga que vive nos EUA um dia me disse: "gosto quando estou cá, porque aqui trabalham para viver. Lá, vivemos para trabalhar..."
Sem imagem de perfil

De Manuel Padilha a 23.02.2009 às 18:11

Uma pesquisa RÁPIDA no google revelou isto:

http://www.movimientoslow.com/pt/filosofia.html

Que é para começares a abrandar rapidamente :)

Comentar post






Arquivo