Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Stranglers

Há concertos a que vamos por gostarmos de quem vai tocar, há concertos a que vamos por gostarmos de quem gosta de quem vai tocar. Tenho ido a alguns concertos, quer da primeira quer da segunda categoria. O fã de Stranglers é ele, não eu. Eu sou fã dele.

 

Gosto de ambientes recatados, pavilhão Atlântico só mesmo se ressuscitarem o Freddie Mercury e os Queen passarem por lá. Coliseu é nas cadeiras de orquestra, aula magna é nos doutorais. Não gosto de confusões. Nunca gostei, não tem a ver com a idade.

 

Desta vez não encontrámos doutorais à venda (o que é estranho, porque o que mais havia era lugares vazios nos doutorais). Fomos para o anfiteatro inferior.

 

Estava composta a casa (como se dizia antigamente). Chegam os senhores e a coisa parece prometer, o som não estava nada mau. Claro que Stranglers e Aula Magna não se conciliam muito bem. Percebo a escolha em termos de número de lugares, mas não em termos de ambiente. Sei agora que há mais quem partilhe desta minha opinião. Despachada a primeira música o Baz Warne reage às cadeiras de cabedal, diz que parece que está a tocar na sala de alguém, e diz ao pessoal que está nos lugares mais baratuchos para irem lá para baixo.

 

Obviamente, parecia a marabunta. Em menos de um fósforo, as doutorais da Aula Magna transformaram-se, passaram a ser algo mais parecido com a zona de moshe da sala de concertos do salão da Voz do Operário em dia de concerto dos The Temple.

 

Eu agradeço a quem quer que tenha organizado a coisa de forma a que eu não conseguisse comprar lugares nos doutorais. Ninguém me aturaria a neura de pagar algum sossego e ver-me, de repente, no meio do moshe.

 

Foi um concerto contra corrente. Os êxitos mais reconhecíveis dos Stranglers (portanto, os que eu conheço) pertencem ao que ele chama a fase azeiteira, mas era nessa altura que a sala mais vibrava. Quando ficava tudo mais calmo, por eles estarem a tocar coisas mais antigas menos reconhecíveis, ele vibrava ao meu lado (enquanto tocava bateria, e o meu braço era um dos elementos da dita).

 

À saída conheci pessoalmente alguém cuja escrita muito aprecio, e cujo Blog consumo com avidez. O Marques Lopes. O Sebastião, claro, embora o Pedro também conste dos meus favoritos.

 

Gostei muito.

1 comentário

Comentar post

Pesquisar

No twitter


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D