Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Ajuda, precisa-se.

por jonasnuts, em 09.11.08

Estou farta de andar à procura (site do Ministério da Educação, Site da Fenprof, etc.), e não encontro em sítio nenhum o documento que descreve, define e regula o modelo de avaliação dos professores que está na ordem do dia.

 

Marco, esses formulários que estão disponíveis para download seriam um bom começo sabes o url?

 

Sendo parte interessada (sou mãe de um puto que está no 5º ano), e agora que enveredei por este caminho, tendo professores na família próxima e directa, e depois de ler os comentários ao meu post anterior, quero saber do que falo.

 

Alguém sabe?

 

Muito agradecida.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



10 comentários

Sem imagem de perfil

De Marco a 09.11.2008 às 18:27

Obrigado por teres respondido.
Sem imagem de perfil

De Ricardo Mota a 10.11.2008 às 08:24

Fica um esquema publicado no Expresso.

http://2.bp.blogspot.com/_5v57BrjudTY/R9VVFnL0GuI/AAAAAAAAAA0/Ogb6W9rq2vA/s1600/avaliacao.jpg
Sem imagem de perfil

De a 10.11.2008 às 13:16

Já que estamos em maré de legislação, alguém me sabe dizer se posso educar o meu filho em casa e depois ir fazendo os exames do 10-11-12 ano?

Sinceramente acho que a escola só serve para estupidificar os pequenos e não quero isso para a vida do meu filho. Sozinho com ele consigo fazer um trabalho educativo muito superior.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 10.11.2008 às 13:27

Não faço ideia se é permitido ou não, mas, na minha opinião, não devia ser.

Acha verdadeiramente que o melhor para o seu flho é ser ensinado em casa?

Usou bem as palavras "educar", é essa a sua principal responsabilidade como pai/mãe, mas a principal responsabilidade de instruir recai sobre os professores, e sobre a escola. Nenhum pai (nem mesmo que seja professor) deve reter o filho em casa, ensinando-o, a não ser que haja motivos de força maior para o fazer (doença, por exemplo). Tendo em conta o que escreveu, tenho sérias dúvidas de que conseguisse fazer um trabalho educativo razoável, quanto mais superior.

A escola, os professores, as dificuldades, a socialização, os testes, os horários, a diferença de professor para professor, a exigência, o bom e o mau, são fundamentais para o desenvolvimento de qualquer criança/jovem adulto.

Na minha opinião, tentar "proteger" uma criança, mantendo-a em casa é um erro enorme, não permitindo que a criança adquira competências que só na escola podem ser adquiridas (e não me refiro apenas à matéria das várias disciplinas).

Mas, presumo que tenha essa noção, uma vez que optou por deixar o seu comentário completamente anónimo.
Sem imagem de perfil

De a 10.11.2008 às 14:19

«Não faço ideia se é permitido ou não, mas, na minha opinião, não devia ser.»

Claro, não basta ser-se contra, é imperioso que os outros sofram com a nossa opção, não é?

«Acha verdadeiramente que o melhor para o seu filho é ser ensinado em casa?»

Sim, caso contrário não tinha feito a pergunta. Explico isso mesmo na última frase. Já agora, educar implica instruir, o inverso é que não é verdade.
A julgar por esta pergunta na escola não lhe ensinaram hermenêutica ou então fizeram um péssimo trabalho. Agora só falta forçar o seu nível aos outros.

«Na minha opinião, tentar "proteger" uma criança, mantendo-a em casa é um erro enorme»

Eu não quero o quero proteger do que escreveu, eu quero é tornar pouco provável que se transforme em alguém que escreve um comentário como o seu e com o que é forçado no sistema de ensino isso torna-se cada vez mais difícil.

Quanto ao comentário ser anónimo, quem permite comentários anónimos no seu blog e depois utiliza o facto de um comentário ser anónimo como suposto indicador de "falhas" no comentador tem sérios problemas de honestidade intelectual e emocional.
Possivelmente fruto do lixo que comeu na escola e que quer forçar aos outros.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 10.11.2008 às 17:32

Pessoalmente prefiro ter um filho que não pesque um boi de hermenêutica, mas que tenha as competências que lhe permitam perceber o sentido com que uma frase é escrita, sem ter de recorrer à hermenêutica. Não percebeu o que eu quis dizer? Claro que percebeu, mas foi-lhe mais útil fingir que não percebeu.

Tem noção de que vivemos em democracia, e que todos os dias nos são impostas as opiniões de terceiros, e as nossas opiniões são impostas a terceiros, certo? Tenho a minha opinião, e seria palerma dizer que tenho a minha opinião, mas recomendo que a lei diga outra coisa. É a minha opinião, vale o que vale, mas é a minha.

Se quer proteger o seu filho de escrever um comentário como o meu, significa que não gosta do meu comentário, assim sendo, vai ter de ensinar o seu filho a não frequentar sítios onde se escreve mal, ou onde as pessoas têm uma opinião contrária à sua. Não sei se conseguirá ensinar-lhe isso, a não ser que seja numa perspectiva de olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço.

Por último, desfaço-lhe o engano. O meu Blog não permite comentários anónimos, por isso é que ali no final do formulário tem a frase "o dono deste blog optou por gravar os IPs de quem comenta os posts". Se eu quiser, é uma questão de uns minutos, descobrir o seu nome e a sua morada. Não quero. Respeito a sua opção pelo (aparente) anonimato, apenas acho que seria mais cordial se tivesse posto um nome. Não assumi como falha, assumi como lapso. Obrigada por me ter corrigido.
Sem imagem de perfil

De Alexandre Kulcinskaia a 12.11.2008 às 19:29

Não posso, não quero, nem devo dizer-lhe como preparar o seu filho para enfrentar a sociedade, mas o problema é esse mesmo, ele (mesmo que não queira) está inserido numa sociedade e a escola é onde os laços com essa sociedade se começam a formar. Ao tê-lo preso em casa vai estar a criar um rato de laboratório que mal saia à rua será completamente dizimado. Tal como nalgumas doenças onde o melhor que pode acontecer é apanhá-las para criar anti-corpos, com a sociedade o conceito é o mesmo.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 12.11.2008 às 19:34

Foi mais ou menos isso que eu tentei dizer, mas menos bem :)

Sem imagem de perfil

De Alexandre Kulcinskaia a 12.11.2008 às 20:49

Respondeste bem o suficiente, eu é que também quis acrescentar os meus 5 cêntimos à conversa

Comentar post






Arquivo