Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Miguel Esteves Cardoso - a Entrevista

Transcrevi a parte da entrevista que o Miguel Esteves Cardoso deu ao Carlos Vaz Marques, para o Pessoal & Transmissível. Transcrevi a parte em que conversam sobre Blogs. Mas vale a pena ouvir toda, aqui.

 

 

A parte que diz directamente respeito aos Blogs, reza assim:

 

CVM: (se tivesse sido eleito deputado) Teria mudado de alguma forma a política portuguesa?

MEC: Não.......nada. Claro que não, mas pelo menos tinha sido uma..........as pessoas gostam .... têm que haver válvulas de escape. Mesmo que não sejam eficazes. As coisas não funcionam, ou são fracassos, é bom que haja coisas que falhem, também, porque são verbalizadas.

CVM: Quais são hoje as válvulas de escape que vê à nossa volta?

MEC: Eu vejo isto muito mal. Eu vejo isto muito mal. Em termos de imprensa, etc.. Porque eu sinto que as pessoas têm medo, ninguém tem dinheiro, as pessoas estão acobardadas,  têm medo de dizer as coisas erradas e portanto sinto um ambiente de não haver válvulas de escape, ninguém quer ser a válvula de escape.

CVM: Mas está a referir-se à imprensa?

MEC: Não, imprensa e toda a gente. A imprensa nunca está divorciada ou desligada da sociedade portuguesa. Acho que nisso é uma imprensa muito boa. Reflecte, muito. As pessoas têm medo, e não falam, estão caladas, e estão preocupadas e nesse sentido fazem faltas válvulas de escape. Porque isto é uma situação muito perigosa, esta situação de anuência e de falta de coragem e de vontade de falar, não é? Não há sítios onde escrever, onde fazer merda, não há. Não há sítios onde desabafar.

CVM: Há os Blogs, há a Internet....

MEC:Há os Blogs, só que os Blogs anulam-se...

CVM: Nunca houve tanta capacidade de expressão pública como hoje.

MEC: Se não fosse os Blogs...se não houvesse os Blogs estávamos todos tramadíssimos. Os Blogs são A grande válvula de escape, mas isso pronto, obviamente. Só que são tantos, e são tão personalizados....

CVM : Anulam-se uns aos outros, é isso?

MEC:...e são tão, sobretudo, são tão identificados, tão civilizadamente identificados, que é bom, têm os de esquerda, os de direita, não sei que mais....que não há aquela concentração que havia antigamente em que havia só um, um órgão, em que havia uma certa....não é violência...mas uma espécie de frémito, de comunicação de expressão. Tem que ser dito, eles têm que não sei quê, eles não podem não sei que mais. Não era indignação fácil.

CVM: E hoje sente que os Blogs se anulam uns aos outros?

MEC: Os Blogs são uma coisa maravilhosa. A melhor coisa que aconteceu em Portugal no século XX, sem dúvida nenhuma. E são, dos que eu conheço os ingleses, os americanos, de longe os mais bem escritos, os mais bem mantidos.


CVM: E tem uma explicação para isso?

MEC: Dizia-se muito que Portugal é um país de poetas, e não sei que mais, de pessoas que tinham coisas na gaveta, mas de facto os portugueses escrevem muito bem.

CVM: Portugal é um país de Bloggers, afinal.

MEC: É um país de Bloggers completamente. E de bloggers muito bem....nós pelo menos uns .... estive a contar noutro dia, uns quase 100 blogs, 100 blogs, assim de que se uma pessoa tivesse tempo.... que se ganha em ler, e que são bem escritos. E não é só bem escritos, têm um brio na apresentação mesmo na apresentação gráfica e na manutenção de princípios e na na comunicação entre eles, têm uma educação entre eles, e uma ética, que eu acho nunca houve na imprensa portuguesa, portanto essa condescendência que as pessoas têm para os Blogs, os Blogs estão muito à frente da Imprensa. Mas muito à frente, porque não são corruptos, não estão calados, não estão acomodados e defendem as suas ideias.

Portanto, quando dizem os Blogs como sendo uma imprensa menor, eu vejo muito mais ao contrário, eu vejo muito mais os jornais como sendo Blogs publicados e comprometidos. A internet em geral para o mundo, mas sobretudo os Blogs em Portugal, os Blogs e toda a comunicação feita através de internet, é uma coisa importantíssima.



 

8 comentários

Comentar post

Pesquisar

No twitter


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D