Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





subscrever feeds


Arquivo



Vai uma aposta?

por jonasnuts, em 19.07.09

Este "estudo" (que se trata na realidade de um apontamente com muito de opinativo e de experiência pessoal) feito por um estagiário adolescente do banco norte americano, Morgan Stanley, há-de chegar à nossa comunicação social (se é que não chegou ainda), e há-de fazer furor.

 

Os títulos oscilarão entre o conservador "os hábitos de consumo de média (ou mídia, como parece estar na moda) dos teenagers" e o mais arrojado "A morte anunciada dos meios de comunicação social tradicionais, às mãos dos adolescentes".

 

E vão empolar uma experiência pessoal de um puto inglês de 15 anos, a estagiar nos Estados Unidos, e vão extrapolar para o universo português, claro. 

 

E vão achar que os putos são todos iguais. Os amigos do Matthew, todos os adolescentes americanos, e os portugueses. 

 

E não vão parar para pensar. E não vão tentar lembrar-se das vezes que já ouviram aquilo que ali está escrito, contado por qualquer pai mais ou menos atento de crianças e adolescentes.

 

E eu vou, de novo, revirar os olhos. E afastar-me, ainda mais, da comunicação social tradicional. Alienam 2 públicos ao mesmo tempo.

 

Vai uma aposta?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esta anda-me atravessada há uns anos valentes.

 

Desde sempre que oiço os estudantes universitários, aliás a comunidade académica em geral, a louvar o ambiente académico doutros países. Inglaterra, Estados Unidos, até Espanha. Porque os professores não são peneirentos, porque não sobem para um pedestal, porque são acessíveis e estão disponíveis para satisfazer dúvidas, debater argumentos. O exemplo mais frequente é o "caramba, até os tratamos pelo primeiro nome, e não há cá senhor doutor, ou senhor professor ou senhor engenheiro".

 

Foi sempre com imenso agrado que ouvia pessoas da minha geração com este discurso. Pensei que era sintomático, e que o síndrome do senhor doutor atribuído a qualquer idiota que completasse uma licenciatura, tão tristemente português, estava a ver os seus últimos dias.

 

Mas, a verdade, é que essa geração licenciou-se (cá dentro, lá fora, não interessa), e o hábito do senhor doutor persiste, na realidade, está cada vez mais forte.

 

Encontro-os todos os dias, nas lojas, em reuniões, nas recepções, nos consultórios. Continua ostensivo, continua até a provocar a dose de respeito que se espera.

 

Mesmo as pessoas que mais veementemente repudiam a coisa, às vezes, é mais forte que elas, e quando dá jeito, lá deixam sair o doutor, assim como quem não quer a coisa.

 

Eu? Eu sou mais criativa. E o meu método é mais eficaz. Mais impacto que uma licenciatura tem um nome sonante. Uso vários, consoante o contexto.

 

Um prefixo académico pode dar jeito, mas se acharem que eu sou familiar da pessoa A ou da pessoa B, obtenho mais e melhores resultados. E mais rapidamente.

 

Recomendo vivamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Às especialistas de tricot

por jonasnuts, em 13.07.09

Então como é que eu compro, em Lisboa (ou a uma distância razoável), uns novelos de Debbie Bliss merino aran, em cinzento, em vermelho e em azul?

 

Ou há algo que substitua na perfeição este tipo de lã?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Actualiza a porra do Blog

por jonasnuts, em 10.07.09

É uma frase que tenho ouvido amiúde, ultimamente.

 

Mas a verdade é que não tenho grande coisa para dizer. Vou então responder às questões que me dizem que estão à espera de ver abordadas no Blog.

 

Sim, continuo a usar o Wii Personal Trainer e sim, continuo a gostar e já sinto resultados.

Sim, os MBT parecem funcionar. Para quem não sabe, comprei uns MBT (Masai Barefoot Technology).

Sim, ando cansada e a precisar de férias.

 

Não, não perdi o mau-feitio, ando só a canalizá-lo noutras direcções.

 

Gostava de saber se uma pessoa que tem gripe H1N1 fica imunizada ou se pode voltar a adoecer.

 

E assim de repente, de vagamente interessante foi só o que surgiu, para além de ter chegado à conclusão que eu dava uma belíssima condutora de ambulâncias, mas uma péssima pendura de ambulâncias. O que é que isto tem a ver com o que escrevi antes? Nada. Mas é verdade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os cornos do ministro Pinho

por jonasnuts, em 02.07.09

Isto não é, já se sabe, um blog político ou de política. Aliás, apesar de ter tido uma infância e uma juventude altamente politizadas (como qualquer português nascido na geração de 60), tenho-me vindo a afastar cada vez mais da política. Não falho umas eleições. Desde que tenho idade para votar, vou a todas, exerço o meu direito, mas ultimamente tenho votado em ninguém.

 

Quem me lê sabe também que não sou de floreados e formalismos. Gosto de ir directa ao assunto, perco pouco em discursos de ocasião. Bullshit não faz o meu estilo.

 

E a Assembleia da República faz-me confusão. Não é de agora. Ver aquela gente toda a usar um vocabulário que as pessoas normais não percebem. A brincar às políticas, a esgrimir argumentos que, vê-se logo, não se aguentavam numa discussão entre amigos. Mas usam os floreados todos. Vossa excelência para cá, vossa excelência para, senhor Ministro por quem sois. Nos corredores é pá para cá e pá para lá, são amigalhaços, mas ali, e em público, põem o verniz. Distanciam-se das pessoas normais. Que os elegeram.

 

Já há uns tempos caiu o Carmo e a Trindade porque um deputado disse entre dentes algo que soou a um palavrão. Ó meu Deus.

 

Hoje parece que é o fim do mundo porque um Ministro mimou uns cornos.

 

Escandalizam-se com pouco, as hostes. E pelas razões erradas.

 

Pessoalmente, não quero saber do vocabulário que usam, ou dos gestos que fazem.

 

Na verdade acho mais escandalosas as ajudas de custo, os horários principescos, os motoristas e demais mordomias, as reformas milionárias e a convicção de que serão muito poucos os que estarão ali pelo sentido cívico da coisa, e muitos os que estão ali por causa do tacho.

 

Se se preocupassem com o acessório da linguagem porque o essencial dos actos estava a um nível superior, eu entendia.

 

Mas a verdade é que este tipo de linguagem e gestos estão ao nível do resto.

 

Sinceramente, não entendo o espanto.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pág. 2/2





subscrever feeds


Arquivo