Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Arquivo



Não gosto de estudar

por jonasnuts, em 17.02.08
Nunca gostei de estudar. Pelo menos quando a matéria não me dizia nada. Portanto, ou os professores me conseguiam cativar para a matéria, ou estava tudo estragado. Há disciplinas a que sempre fui boa (português, filosofia, inglês, psicologia) e disciplinas em que era muito boa ou muito má, dependendo do professor. Tendo andado muitos anos na mesma escola fez com que conhecesse bem os professores. No secundário, bastava-me saber a lista dos professores, para saber quais seriam as minhas notas, no final do ano. Nunca me enganei.

Rapidamente me apercebi que a minha melhor ferramenta era a minha prodigiosa memória. Se conseguisse manter-me atenta às aulas, não tinha de estudar em casa. Apercebi-me disto muito cedo, portanto, a partir do 2º ano do ciclo (o actual 6º ano) passei a sentar-me sempre à frente, na primeira fila.

Agora, olho para o meu filho, e vejo-me, na mesma idade. Detesta estudar. E eu tenho de o ensinar a estudar, tentando não lhe explicar que a maior parte das coisas que ele está a aprender, NUNCA lhe servirá na vida para porra nenhuma.

Pergunto-me, quando é que ele descobrirá o truque?
Até quando é que eu vou ter de gramar, pela segunda vez, as alegrias da conquista da primeira dinastia, os decigramas e afins, o ciclo da água.....

É que eu já não achei piada da primeira vez, agora, que conheço a inutilidade da maior parte destas coisas, acho ainda menos piada.

Autoria e outros dados (tags, etc)



12 comentários

Imagem de perfil

De JoaoSimoes a 17.02.2008 às 23:44

Eu também andei até ao 12º Muito bem com essa técnica. Nunca tirei menos de 15 a nada mesmo sem estudar. Um gajo agora vai pó ensino superior, tá lá o sr dr professor a falar um gajo não percebe, pergunta, " já devias saber isso a muito tempo!"
E vão ficando cadeiras para trás, se bem que já estou mais que arrependido de me por no ensino superior, um gajo com o € que gasta em propinas e livrinhos e livretes agarra e vai a uma entidade privada ou mesmo publica tipo IPJ/FDTI e tira cursos de formação específicos que fica com muito melhor conhecimento.
Sem imagem de perfil

De Sócrates a 18.02.2008 às 00:23

Também eu quase não estudava, sentava-me cá atrás até ao 12º ano para não ser tentado a virar-me para trás... e via e ouvia o que os Professores diziam e participava... depois veio Universidade e foi um suplício começar a estudar

Mas sim... no ensino básico e secundário (também na Universidade mas de forma diferente), estar com atenção nas aulas é meio caminho para não se ter que estudar nada, ou quase nada.
Sem imagem de perfil

De Luis Matos a 18.02.2008 às 00:29

humm ...

Essa do não serve para nada ... humm ... não sejamos ignorantes, pois até o ciclo da água é importante, nem que seja para o "people citadino" saber que a água não nasce nas prateleiras do supermercado, já em garrafões.

Sempre valorizei aquilo que aprendi e que sempre, numa situação ou outra, me valeram.
Sejam as experiências do Pavlov, sejam as combinações possíveis existentes no euromilhões.
Hoje em dia, e finda a minha viagem pelo ensino superior, tendo indicar o caminho à minha irmã mais nova com o objectivo de a preparar para as dificuldades e vida futura. No fundo, o papel dos irmãos mais velhos.
Aquilo que tento é que ela crie hábitos de estudo, interesse pelas matérias e, por último, sacrifício pelo estudo.

Os hábitos de estudo, para que ela consiga desde sempre controlar o "fluxo" de estudo, por forma a melhorar sua organização e conseguir controlar depois o "fluxo" de trabalho. Além disso, com um "fluxo" de estudo controlado, o ensino superior torna-se muito mais fácil de transpor.
É sempre bom termos gosto por aquilo que se estuda e há que encontrar um objectivo para o qual se aprende quilo que se está a aprender. Esse gosto deve ser adquirido ou auto-incutido. Isto ajuda com o sacrifício no estudo. Se conseguirmos estudar quando menos nos apetece, é a vitória que hoje em dia mais valorizo. Estuda-se quando se necessita, pois assim, o "fluxo" fica mais controlado e deixa-nos espaço para ... irmos jogar à bola em vez de fazermos o trabalho XXX.

O que tento transparecer à minha irmã, tal como tu deves querer transparecer ao teu filho, não é a de um desleixo pela aprendizagem, mas sim que devemos assimilar esse conhecimento da forma mais rápida e eficaz e que tudo, mas mesmo tudo nos vai ser útil um dia... será o nosso maior canivete suíço.

ah ... e que devemos sempre, mas sempre ser o mais curiosos possível, pois só assim descobriremos algo inovador!
Sem imagem de perfil

De Crisálida a 18.02.2008 às 02:51

Minha filha também não gosta, mas ano passado foi a melhor aluna da turma. É um custo imenso colocá-la à fazer os exercícios e ler algumas coisas. Eu também nunca gostei, mas também sempre fui excelente em todas as áreas, desde as humanas, exatas (especialmente as exatas), biológicas e artes. Mas por eu ter a mesma facilidade que tu, eu guardava o suficiente para fazer as provas, e a maioria esmagadora, apagou-se da minha memória com o passar do tempo. Acho que meu cérebro entendeu que era aprendizado inútil. lol



Sem imagem de perfil

De troll a 18.02.2008 às 10:19

Sou empresário, estou a precisar de trabalhadores para a construção civil
Imagem de perfil

De * * Grilinha * * a 18.02.2008 às 13:08

Percebo a tua angustia.

Tb nunca fui uma aluna "famosa" e só estudava as disciplinas de que gostava (Matemática, Contabilidade, Finanças, Inglês e Alemão).

Parece estranho mas não é. Primeiro fiz Linguas e Literaturas Modernas (Germânicas) e depois a meio achei que o meu futuro eram os $$$ e mudei para Gestão.

A minha filha e o Pai são marrões por natureza e não compreendem como é que os outros não sabem estudar. O meu Tó é como eu. Se gosta está tudo bem, se não gosta não adianta insistir.

Uma das sugestões que lhe tenho dado é manter-se atento nas aulas para lhe facilitar a compreensão e assim se aliviar de estudar o que não gosta pois era o que eu fazia.

Esta é uma fase que vais ter de o ajudar a ultrapassar pois há muita informação nos manuais que de nada servem no futuro e dificilmente irão ser alterados.
Imagem de perfil

De dottoratoamilano a 18.02.2008 às 17:00

Mas está tudo parvo? E o blog do Quiz? Se não tivéssemos estudado aquilo não nos safávamos em muitas perguntas do quiz! :P
Imagem de perfil

De jonasnuts a 18.02.2008 às 17:02

Duh? Não há ali uma única pergunta a que eu tenha respondido com algo que tenha aprendido na escola :)
Imagem de perfil

De Maria Moura a 18.02.2008 às 23:55

E onde é que aprendeu a ler e a escrever? Foi em casa? Já agora...
Imagem de perfil

De jonasnuts a 19.02.2008 às 00:26

Por acaso até foi em casa, mas isso não interessa muito para o assunto.

Ler e escrever sempre foi algo que gostei de fazer, e que é, inequivocamente, útil.

Eu refiro-me à inutilidade de uma série de coisas que aprendemos e que somos obrigados a saber de cor, sem que eu perceba a sua utilidade (datas, para que raio tenho eu de saber a data em que o D. Afonso Henriques se casou com a Mafalda, de que é que me serve).
Imagem de perfil

De Maria Moura a 19.02.2008 às 23:53

Não resisto a uma provocação e além do mais a esta tinha de dizer algo. Passo a minha vida numa escola! Understand? Quanto ao Afonso Henriques, quem é esse? Só conheço a Mafalda...

(ainda me estou aqui a rir com as "beatas"!)
Imagem de perfil

De jonasnuts a 20.02.2008 às 00:00

Hum, dica interessante, que pode dar dinheiro com Google Adsense.... criar um blog com técnicas simples e aplicáveis, para ensinar OS PAIS a estudar com os filhos. Bem feito, por alguém que perceba do assunto, dava um belíssimo Blog :)

(Nota-se muito que estou desesperada, porque não consigo motivar o puto? :)

Comentar post






Arquivo