Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Publicidade nos Blogs

O disclaimer do costume. Este é um Blog pessoal, e aqui é expressa a minha opinião que pode não ter nada a ver (e provavelmente não tem) com o posicionamento da empresa onde trabalho.

Quando alguém decide iniciar um Blog fá-lo por razões diversas. Porque quer ver como é, porque tem algo para dizer, porque quer intervir, porque quer divertir-se, porque quer partilhar ou dar conhecer determinadas coisas sobre si, sobre o seu trabalho, os seus gostos as suas preferências ou antipatias.  Esta descrição cobre a maioria dos casos. É habitual que um Blog comece por uma razão e com o correr dos tempos, as motivações sejam outras, ou sejam acrescentadas outras razões. Este Blog começou por ser de testes, agora já é um pouco mais que isso (não muito, mas mesmo assim um pouco mais).

É natural que, com o crescimento de audiência de um determinado Blog o seu autor (ou autores) reflictam sobre uma eventual rentabilização do projecto. Na maioria dos casos é um "nice to have", colocam-se uns anúncios do Google Adsense, discretamente, sem colidir com os posts, e no pinga pinga deste tipo de ferramenta, ao fim de uns tempos (consoante a audiência) lá começam a cair uns trocos. Nada de extraordinário, na maior parte dos casos, algo negligenciável, mas, é melhor que nada.

Há também o caso dos que querem, em primeiro lugar, fazer dinheiro. Optam normalmente por um de dois cenários. Lançam um Blog do nada, escrevem posts a pensar em captar uma determinada audiência que vão ganhando à custa não só do que escrevem, mas também de manhas de captação de pessoas (e há manhas ao pontapé, umas mais complexas que outras). No início a presença da publicidade é discreta, com o sucesso, abastardam-se os conteúdos, e o principal do Blog passa a ser a publicidade que é, em alguns casos, muito invasiva. A outra opção é pegar num Blog que já tenha audiência, e toca de polvilhá-lo de publicidade, gráfica ou não gráfica. Este é o caminho mais rápido, pelo menos no início.

O que me parece é que há aqui um mercado que está a ser desaproveitado. Por um lado pelos anunciantes e agências de publicidade, que teimam em desconfiar dos Blogs, e por outro lado por parte de alguns Blogs, que à força de quererem fazer dinheiro (e estamos a falar de trocos, pelo menos em Portugal), abastardam os conteúdos.

Seria muitíssimo mais eficaz, agradável e rentável o modelo de publicidade em Blogs passar por um mecanismo mais simples. Nada de novo, existe há muito tempo. Chama-se patrocínio. Para os anunciantes os Blogs são um terrenos excepcional (e barato). Target muitíssimo bem demarcado, atento, participativo. Para os Blogs, nada de mais extraordinário do que poder continuar o seu percurso, sem interferências visuais e gráficas que colidam com o que escrevem.

Do ponto de vista de quem faz a gestão da publicidade, aí sim, um desafio. Desafio porque estamos a falar de nichos. Porque se trata de contactar um potencial anunciante, e mostrar-lhe o potencial de um determinado Blog. Isto para todos os Blogs que possam ser meios. São muitos Blogs, numa área onde as margens são curtas e o investimento pouco. Um desconhecimento do potencial da Blogosfera (palavra que detesto), uma desconfiança dos conteúdos (outra que também dispensava) que são gerados e geridos por terceiros. Têm dificuldade em encarar um Blog como um parceiro.

Isto, aliado à pouco dimensão do nosso mercado inviabilizam, para já,  a rentabilização séria de Blogs. E é pena.

Qualquer modelo de publicidade online que não contemple a rentabilização de Blogs é um modelo antiquado, esgotado e virado para o passado.

Qualquer autor de Blog que permita ou considere a possibilidade de poluir os seus conteúdos com publicidade invasiva está, a curto prazo a descredibilizar-se e, a médio prazo, a perder audiência.

Quem conseguir encontrar o equilíbrio, terá a chave do sucesso.

Não conheço nenhum caso, português, de sucesso nesta área. Mas gostava de conhecer.

34 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Pesquisar

No twitter


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D