Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Thank you, but no thank you

Acompanho as várias Blogosferas à distância. Há Blogs que acompanho por motivos meramente profissionais, há outros que acompanho por mais motivos, para além dos profissionais. Hesito sempre muito em fazer links para Blogs que acompanho. Principalmente se são Blogs famosos porque parece que estou a dizer "olhem para mim, olhem para mim" Detesto que olhem para mim. Nessas coisas sou muito parecida com a minha mãe (desculpa lá o link, mãe).

Mas hoje li n'A Blasfémia algo que não podia deixar de referir.

Trata-se de um desabafo, que chegou por mail, de uma senhora que está descontente com as conquistas que o seu género tem alcançado nas últimas décadas.

A senhora refere, assim resumidamente, que gostava de ser a minha avó. Dedicar-se aos bordados e às lides caseiras, ter um homem que tomasse conta dela, que lhe pagasse os chás e as frivolidades, e a quem ela pagaria.....em géneros, pois então.

Três questões.

Em primeiro lugar, labora num erro. A vida de uma doméstica, já que é disso que se trata, não é uma vida de pouco trabalho. A não ser que seja uma doméstica dondoca, que tenha empregadas para fazer tudo e mais alguma coisa. Nesse caso já não erra.

Em segundo lugar, reconheço-lhe o direito de querer ser quem muito bem entender. É uma escolha para a qual é livre. Dependa de quem quiser, pague como puder. Não tenho nada contra, nem faço juízos de valor. Cada um tem de encontrar o seu próprio caminho, e se o caminho desta senhora passa pelos bordados e pelos chás, assiste-lhe esse direito.

Em terceiro lugar, obrigada, mas não obrigada. A minha avó, que adoro, e respeito e da qual tenho muito orgulho (aliás, tenho muito orgulho em ambas as minhas avós), toda a vida trabalhou em casa porque não teve outra escolha. Era assim que era suposto ser. Não escolheu. Foi-lhe imposto. Pela família, pela sociedade, no fundo, por ela própria.

Gosto muito da minha vidinha, e gosto muito de usufruir das conquistas que outras, antes de mim, alcançaram.

Não quero dominar o meu marido. Não sou casada, desafio algumas convenções. Muito menos quero dominá-lo. Nem quero um "marido" que dependa de mim para "parecer bem" à frente dos amigos. Aliás, não quero um marido que queira parecer bem à frente dos amigos. Não quero saber dos outros.

Eu não quero deixar-me guiar pela vida, quero ser eu a ter o leme nas mãos, partilhá-lo, mas nunca largá-lo.

Não quero ser frágil.

Por outro lado, não me sinto obrigada a ser magra (e não sou), nem me sinto obrigada a reunir determinadas características físicas. Não morro de fome, não ponho hidratantes nem anti-rugas (e tenho-as), não ponho pinturas na cara e, definitivamente, não tenho o cabelo impecável.

Não preciso.

Gosto de poder escolher, que era algo que a minha avó não podia. Hoje, uma mulher pode escolher, e se escolher ficar em casa e depender de quem a sustente, muito bem, mas pode também escolher outra alternativa, e decidir pela sua própria cabeça.

Prefiro a minha opção, mas defenderei sempre a liberdade de escolha.

Parece que a senhora que enviou o mail não compreendeu ainda o alcance do legado que lhe foi deixado por tantas outras mulheres. Escolha. Não esconda a sua falta de coragem para escolher debaixo do manto das conquistas femininas. A maior conquista é mesmo essa, poder escolher.

15 comentários

Comentar post

Pesquisar

No twitter


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D